Blog Católico, para os Católicos

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Desejo uma Santa e Feliz Páscoa para Todos.



Cântico1

O Triunfo da Cruz2

E a vós, que estáveis mortos pelos vossos pecados e pela incircuncisão (ou desordem) da vossa carne, vos deu vida, juntamente, com Ele, perdoando-vos todos os pecados; cancelando o quirógrafo do decreto que nos era desfavorável, que era contra nós, e o aboliu inteiramente, encravando-o na Cruz; e, despojando os Principados e Potestades (infernais), levou-os (cativos) gloriosamente, triunfando em público deles em Si mesmo (pela Cruz)” (Col. 2, 13-15).

I

É a Cruz, sobre a terra, mistério profundíssimo, que não se conhece sem muitas luzes. Para compreendê-lo é necessário um espírito elevado. Entretanto, é preciso entendê-la para que nos possamos salvar.

II

A natureza a abomina, a razão a combate; o sábio a ignora e o Demônio a aniquila. Muitas vezes o próprio devoto não a tem no coração e, embora diga que a ama, no fundo é um mentiroso.

III

A cruz é necessária. É preciso sofrer sempre: ou subir o Calvário ou perecer eternamente. E Santo Agostinho exclama que somos réprobos se Deus não nos castiga e nos prova.

IV

Vai-se para a Pátria pelo caminho das cruzes, que é o caminho da vida e o caminho dos reis; toda pedra é talhada proporcionalmente, para ser colocada na Santa Sião.

V

De que servirá a vitória ao maior conquistador, se não tiver a glória de vencer-se sofrendo, se não tiver por modelo Jesus morto na Cruz, se, como um infiel, o lenho repelir?

VI

Jesus Cristo por ela acorrentou o Inferno, aniquilou o rebelde e conquistou o Universo; e Ele a dá como arma aos seus bons servidores; ela encanta ou desarma as mãos e os corações.

VII

Por este sinal vencerás, disse Ele a Constantino. Toda vitória insigne se encontra nela. Lede, na história, seus efeitos maravilhosos, suas vitórias estupendas na terra e nos Céus.

VIII

Embora contra os sentidos e a natureza, a política e a razão, a verdade nos assegura que a cruz é um grande dom. É nesta princesa que encontramos, em verdade, graça, sabedoria e divindade.

IX

Deus não pode defender-se contra sua rara beleza. A Cruz o fez baixar à nossa humanidade. Ao vir ao mundo Ele disse: “Sim, quero-a, Senhor. Boa Cruz, coloco-vos bem dentro do coração”.

X

Pareceu-lhe tão bela que nela pôs a sua honra, tornando-a a sua eterna companheira e a esposa de seu Coração. Desde a mais tenra infância Seu Coração suspirava unicamente pela presença da cruz que amava.

XI

Desde a juventude, ansioso a procurou. De ternura e de amor, em seus braços morreu. “Desejo um batismo”, exclamou Ele um dia: “a Cruz querida que amo, o objeto de meu amor!”

XII

Chamou a São Pedro Satanás escandaloso, quando ele tentou desviar Seus olhos da Cruz aqui na terra. Sua Cruz é adorável, Sua Mãe não o é. Ó grandeza inefável, que a terra desconhece!

XIII

Esta cruz, dispensa por tantos lugares da terra, será ressuscitada e transportada para os Céus. A cruz, sobre uma nuvem, cheia de brilho rutilante, julgará, por sua visão, os vivos e os mortos.

XIV

Clamará vingança contra seus inimigos, alegria e indulgência para todos os seus amigos. Dará glória a todos os Bem-aventurados e cantará vitória na terra e nos Céus.

XV

Durante sua vida os Santos só procuraram a cruz, seu grande desejo e sua escolha única. E, não contentes de ter as cruzes que lhes dava o Céu, a outras, inteiramente novas, cada um se condenava.

XVI

Para São Pedro, as cadeias constituíam honra maior do que ser o Vigário de Cristo na terra. “Ó boa Cruz”, exclamava, cheio de fé, Santo André: “Que eu morra em ti, para que me dês a vida!”

XVII

E vede, São Paulo esquecia seu grande êxtase para se glorificar tão somente na cruz. Sentia-se mais honrado em seus cárceres horrendos que no êxtase admirável que o arrebatou aos Céus.

XVIII

Sem a Cruz a alma se torna lenta, mole, covarde e sem coração. A cruz a torna fervorosa e cheia de vigor. Permanecemos na ignorância quando nada sofremos. Temos inteligência quando sofremos bem.

XIX

Uma alma sem provações não tem grande valor. É alma nova ainda, que nada aprendeu. Ah! Que doçura suprema goza o aflito que se rejubila com sua pena e dela não é aliviado!

XX

É pela Cruz que se dá a bênção, é por ela que Deus nos perdoa e concede remissão. Ele quer que todas as coisas tragam este selo, sem o qual nada lhe parece belo.

XXI

Colocada a cruz em algum lugar, torna-se sagrado o profano e desaparecem as manchas, porque Deus delas se apodera. Ele quer a Cruz em nossa fronte e em nosso coração, antes de todos os atos, para que sejamos vencedores.

XXII

Ela é nossa proteção, segurança, perfeição e única esperança. É tão preciosa que uma alma que já está no Céu voltaria alegremente à terra para sofrer.

XXIII

Tem este sinal tantos encantos, que no altar o Sacerdote não se vale de outras armas para atrair Deus lá do Céu. Faz sobre a hóstia vários sinais da Cruz e, por esses sinais de vida, dita-lhe suas leis.

XXIV

Por este sinal adorável prepara-lhe um perfume cujo odor agradável nada tem de comum; é o incenso que lhe dá uma vez consagrado, e é com esta coroa que desejaria ser ornado.

XXV

A Eterna Sabedoria procura, ainda hoje, um coração bem fiel, digno deste presente. Quer um verdadeiro sábio, que goste apenas de sofrer e com coragem, leve a sua cruz até morrer.

XXVI

Devo calar-me, ó Cruz, rebaixo-te ao falar. Sou um temerário e um insolente; já que te recebi de coração constrangido e não te conheci, perdoa meu pecado!

XXVII

Ó Cruz querida, já que nesta hora te conheço, faze de mim tua morada e dita-me tuas leis. Cumula-me, ó princesa minha, com teus castos amores, e faze que eu conheça os teus mais secretos encantos!

XXVIII

Ao ver-te tão bela, bem queria possuir-te, mas meu coração infiel me prende ao meu dever; se queres, Senhora minha, animar meu langor e sustentar minha fraqueza, dou-te o meu coração.

XXIX

Tomo-te para minha vida, meu prazer e minha honra, minha única amiga e única ventura. Imprime-te, eu te rogo, em meu coração e no meu braço, na minha fronte e na minha face. Não me envergonharei de ti!

XXX

Tomo, para minha riqueza, tua rica pobreza, e, por ternura, tuas doces austeridades. Que tua prudente loucura e tua santa desonra sejam toda a glória e grandeza de minha vida!

XXXI

Minha vitória estará em ser derrotado por tua virtude e para tua maior glória. Não sou, porém, digno de morrer sob teus golpes, nem de ser contrariado por todos.

 _________________
1Extraído das Obras do Bem-aventurado de Montfort, edição Fradet, 1932.
2A fim de conservar, o mais fielmente possível, a linguagem do Santo e o sentido teológico deste Cântico, tentamos tão somente uma tradução em prosa. (N.T.)

domingo, 9 de abril de 2017

Guerra ideológico-política visa destruir a família.



A absurda Ideologia de Gênero vem sendo imposta às crianças, sobretudo em certas escolas, erotizando os alunos e contribuindo para a destruição da instituição familiar. Nesta “contribuição” entra também o projeto para a legalização da maconha — porta de entrada para posterior legalização de outras drogas. 

Psicóloga clínica pós-graduada em Saúde Mental e Filosofias dos Direitos Humanos, com atendimento em casos de abuso sexual infantil, a Dra. Marisa Lobo estagiou no Hospital Monte Sinai de Nova York. Coordenadora do Movimento “Maconha, Não!” e ativista pró-família e pró-vida, presta serviços de consultoria de prevenção às drogas em políticas públicas sobre drogas e pedofilia. É também presidente da OBME-PR (Organização Brasileira das Mulheres Empresárias do Paraná), conferencista e autora dos livros A Ideologia de Gênero na Educação e Família em Perigo: O que todos devem saber sobre a ideologia de gênero.

A Dra. Marisa Lobo esteve no mês passado na capital paulista para proferir a palestra “Crítica às políticas públicas sobre drogas”, na Casa Hope, sobre os efeitos deletérios das drogas no organismo humano, ocasião em que concedeu esta entrevista, a Francisco Gomes Machado, para Catolicismo


Catolicismo — A senhora poderia resumir para nossos leitores em que consiste a Ideologia de Gênero? 

Dra. Marisa Lobo — É uma ideologia que apregoa a anulação do sexo de nascimento, afirmando que o ser humano ao nascer é um ser sem definição de identidade. Alega que o ser humano não nasce homem ou mulher, que o seu sexo não define sua identidade.

O ser humano para essa ideologia é um gênero discordante de seu sexo, com a possibilidade de ter centenas de gêneros. E ainda acusa a sociedade atual de obrigar a criança a ser concordante com o seu sexo de nascimento, ou seja, só é homem ou mulher porque a cultura vigente (proselitista-religiosa) a obrigou a ser homem ou mulher. Portanto, ser homem ou mulher não teria absolutamente nada a ver com sexo e sim com gênero construído cultural e socialmente.

Para essa “falácia” pode-se ter uma diversidade, uma multiplicidade de “gêneros” fluindo de um para o outro, conforme o desejo de cada pessoa, pois ninguém nasce homem ou mulher, mas torna-se… 

Catolicismo — Que efeitos negativos a Ideologia de Gênero pode causar nas crianças? Por que se insiste tanto na imposição de tal ideologia nas escolas? 

Dra. Marisa Lobo — Essa “ideologia” causa conflitos de identidade, patologias, como transtorno de identidade de gênero (disforia de gênero CID 10-F64), que hoje se tornou a maior preocupação de entidades que se ocupam deste mal. O Instituto de Disforia de Gênero do Reino Unido, por exemplo, emitiu em 2015 um alerta à sociedade mundial ao constatar o aumento de 1000% de casos devido à promoção dessa desconstrução da identidade sexual na sociedade e nas escolas. Por sua vez, a Associação de Pediatria americana também emitiu um documento pedindo que países não promovam a Ideologia de Gênero nas escolas, exatamente por se tratar de uma violência à integridade física e psíquica da criança.

A crença de uma pessoa de ser algo que ela não é, na melhor das hipóteses, representa um sinal de pensamento confuso. Quando um menino biologicamente saudável acredita ser uma menina, ou uma menina biologicamente saudável acredita ser um menino, existe um problema psicológico objetivo que está na mente, não no corpo, e deve ser tratado dessa forma.

Essas crianças sofrem de disforia de gênero, formalmente conhecida como transtorno de Identidade de Gênero, uma desordem mental reconhecida na edição mais recente do Manual Diagnóstico e Estatístico da American Psychiatric Association. A psicodinâmica e as teorias de aprendizagem social dessa desordem nunca foram refutadas. 


Catolicismo — No Gênesis está escrito: “Deus criou o homem à sua imagem; criou-o à imagem de Deus, criou o homem e a mulher” (Gen. 1, 27). A Igreja Católica sacramenta a união entre um homem e uma mulher por meio da instituição do matrimônio. Desejar impor a Ideologia de Gênero, contrária à criação e aos ensinamentos da Igreja, não constitui um estado de guerra aberta contra os ensinamentos divinos, a Igreja e a instituição da família, alicerce da sociedade?

Dra. Marisa Lobo — Na verdade, os promotores dessa Ideologia de Gênero não acreditam que exista um Deus e a utilizam como um mecanismo de desconstrução de todas as religiões que têm como base a família e acreditam no criacionismo divino. Estamos vivendo, sim, uma guerra ideológico-política que visa destruir a família heterossexual como base, célula-mater da sociedade. 

Catolicismo — Querer impor a Ideologia de Gênero nas escolas não viola o Estatuto da Criança e do Adolescente destinado a proteger nossas crianças contra aberrações como essa? 

Dra. Marisa Lobo — No meu entender, sim, já que o Estatuto é para defender a criança e o adolescente de toda e qualquer violência e cabe aos pais a educação moral e sexual dos seus filhos. Também, como perita criminal de casos de abusos, entendo que a aplicação dessa ideologia pela via da doutrinação infantil erotiza crianças, ultrapassa limites e isso é uma violação dos direitos da criança.

Poderíamos citar inúmeros problemas vivenciados por crianças que estão sendo erotizadas na escola por conta dessa doutrinação. Mas, o que se vê é um discurso de “direitos humanos”, de luta por preconceito, de empoderamento da mulher, quando na verdade estão masculinizando meninas e efeminando meninos, já que a luta é desfazer todas as diferenças, para acabar com a violência contra a mulher.

No discurso dos “ideólogos de gênero”, parece ser uma boa intenção, quando na verdade desconstroem toda a identidade sexual do ser humano, promovendo inúmeros conflitos psicológicos, físicos, sociais e familiares. 


Catolicismo — Com frequência, a mídia utiliza de sua grande influência para propagar a Ideologia de Gênero e, muitas vezes, procurando apontar que aqueles que são contrários a tais ideologias absurdas são preconceituosos. O que a senhora poderia dizer a nossos leitores a respeito? 

Dra. Marisa Lobo — Recentemente, no programa “Encontro”, da Fátima Bernardes (17-2-17), a “TV GLOBO” promoveu mais uma vez a questão dos transgêneros, crianças transgênero. Foi mais uma tentativa de doutrinar a sociedade e mostrar que isso é “normal”. Procura-se impor que qualquer ser humano pode escolher um “gênero” independente do seu sexo de nascimento. Note que a emissora o faz, sem o contraditório científico. Prova o quanto é irresponsável e negligente.

Basta ler o que afirma todos os compêndios de psiquiatria, manual de diagnóstico estatístico, entre outros documentos científicos. Sou pesquisadora e já publiquei dois livros (registrados na Biblioteca Nacional) sobre a Ideologia de Gênero. Em minha opinião, essa doutrinação é irresponsável porque nega que seja um transtorno da infância e que na maioria dos casos não se consolida, como já provam os referidos documentos científicos.

Programas televisivos, como o que mencionei, tratam a questão de forma fantasiosa. Subtraem a consciência e minimizam riscos e futuros sofrimentos. Essa abordagem serve apenas para gerar conflitos, sobretudo se apresentada sem um contraponto. Creio que deveriam pelo menos buscar a opinião de institutos internacionais, que veem os casos raros com muito cuidado. Teríamos assim uma análise mais sóbria a respeito desta questão.

Mas a mídia — com raras exceções — promove tal doutrinação indiscriminadamente. Podemos falar a verdade sem preconceito? — Sim. Mas como falar, se a verdade já está estigmatizada como preconceituosa?

A “TV Globo” tenta acabar com o que acha ser preconceito e promove a disforia de gênero. Infelizmente, o que se vê é que estão fazendo irresponsavelmente malabarismo com a ciência. 


Catolicismo — A senhora tem se destacado também na luta em defesa da família e contrária à legalização das drogas, especialmente da maconha. Por quê? 

Dra. Marisa Lobo — Porque vejo a maconha sendo tratada como uma droga “inocente” e não é, conforme inúmeros estudos científicos atuais, inclusive realizados por países onde a droga foi legalizada.

Posso citar a Holanda, que se mostra arrependida, voltando atrás devido ao desastre social causado pela legalização das drogas. Agora estão impondo à sociedade holandesa uma regulamentação severa, para tentar minimizar os efeitos catastróficos de tal legalização naquele país, que é conhecido como a nação do turismo da maconha e da livre prostituição.
Aqui no Brasil, a maconha está servindo como porta de entrada para a legalização de todas as demais drogas. Recentemente, um ministro do STF defendeu em seu discurso a legalização da maconha. Esta entra como cobaia para a legalização de drogas ainda mais pesadas, como a cocaína, e, em seguida, todas as outras drogas.

A lei é uma das vias da prevenção, precisamos dela para apoiar as famílias que lutam com seus filhos dependentes. Já tive quase 600 pacientes em minha caminhada e 90% dos dependentes químicos começaram com a maconha.

Catolicismo — Poderia dar algumas razões dessa sua posição?  

Dra. Marisa Lobo — A maconha causa crise amotivacional e déficit de atenção; desencadeia esquizofrenia em pelo menos 20% dos jovens e surtos psicóticos. É uma droga perturbadora do sistema nervoso central, causa alguns tipos de câncer, enfisema pulmonar, entre inúmeras doenças que no início não são percebidas por ser uma droga progressiva e que nem a todos vicia. Por isso a falsa ideia de que é uma droga inocente. É uma desonestidade intelectual.

A maconha não vai resolver os graves problemas causados pelo tráfico de drogas e pela violência, apenas vai mudar o nome dos crimes, por exemplo, de tráfico para contrabando etc. 

Catolicismo — Como explicar que políticos e até ministro do STF se manifestem a favor da legalização das drogas, abstraindo de princípios morais, dos efeitos nocivos no organismo humano e da associação com a violência? 

Dra. Marisa Lobo — Como sempre digo, moral para essas pessoas é algo relativo. Acho irresponsável um ministro do STF — que teria o poder e a obrigação de proteger a sociedade — nos entregar nas mãos de viciados em drogas, que são doentes intelectuais com o senso crítico e a noção de julgamento rebaixados, podendo causar inúmeros danos à sociedade, como já tem acontecido. Inúmeros crimes, às vezes os mais violentos, são causados por pessoas após o uso de drogas; “drogas legais”, como o álcool, a cocaína, o crack, a maconha. Então, imagine quando isso for legalizado…

Creio que o referido ministro está sendo infeliz e irresponsável em sua militância ativista, negligenciando estudos científicos. Pior, quer colocar na sociedade o ônus do caos dos presídios, quando afirma que a superlotação se deve às prisões por tráfico de drogas. Lamentável essa posição. Ele anda com seguranças, carros blindados, mora bem, não precisa se preocupar com viciados na porta de sua casa, ou ainda, se seu filho usar drogas e se viciar, ele poderá interná-lo numa boa clínica. 

Catolicismo — Certos defensores da legalização das drogas afirmam que onde elas são legalizadas cai o consumo e os níveis de violência. 

Dra. Marisa Lobo — É falso dizer que a violência nada tem a ver com a legalização das drogas. Esse discurso é mentiroso. Em toda a legalização o consumo tende a aumentar. Portugal, por exemplo, que legalizou as drogas, sofre hoje com o aumento da violência e o tráfico paralelo em torno dos locais de uso. A Holanda sofre com o contrabando, com plantações ilegais e com a cidade dividida, uma parte presa dentro de casa. E pior! A Holanda hoje tem o maior problema de saúde pública, uma epidemia que é a esquizofrenia de jovens em decorrência do uso de drogas.


Catolicismo — O que a senhora como terapeuta sugere aos pais com filhos enfrentando esses problemas? 

Dra. Marisa Lobo — Que os pais dialoguem com seus filhos. Conversem mais. Amem mais suas crianças. Ensinem valores. Falem abertamente sobre as drogas. Sejam mais amigos. Monitorem com carinho seus filhos. Uma coisa é certa: pais que levam seus filhos à igreja, que tratam seus filhos com respeito e se fazem respeitar, que vivem em família, cada um com sua função em amor e respeito, raramente terão filhos usuários de drogas. Ensinem a seus filhos que as drogas fazem mal à saúde, tiram a alegria de viver, destroem sonhos e chegam a matar.



quinta-feira, 6 de abril de 2017

Martinho Lutero e o Santíssimo Sacramento


Martinho Lutero

O Pai e Fundador do Protestantismo acreditava,
na Presença Real de Jesus Cristo
na Hóstia Consagrada.

Os protestantes hodiernos pelas suas contínuas mudanças, suas centenas de divisões em seitas, não acreditam mais na Presença Real de Jesus Cristo na Hóstia Sagrada.

Lutero, menos tolo que seus netinhos, sempre acreditou nesta presença e se encarregou de responder, ele mesmo, às objeções de seus degenerados filhos.

Em uma carta a seu amigo Argentino (De euc. Dis. I. art.), falando sobre o texto evangélico “Isto é o meu corpo”, ele diz: “Eu quereria que alguém fosse assaz hábil para me persuadir de que a Eucaristia não contêm senão pão e vinho: esse me prestaria um grande serviço. Eu tenho trabalhado nessa questão a suar; porém, confesso que estou encadeado, e não vejo nenhum meio de sair daí. O texto do Evangelho é claro demais” (textus Evangelicus est nimis apertus).

O mesmo Lutero diz ainda: “Que me apresentem a sua Bíblia, e mostrem-me onde se acham estas palavras: ‘Isto é o sinal do meu corpo!’ Uns torturam o pronome isto; outros apegam-se ao verbo é; um terceiro dilacera a palavra corpo; outros, enfim, tratam como algoz o texto inteiro” ([alii totum textum excarnificant] In Ap. Com. Dom. V. 17 p. 100)...

Melanchton

Aqui, sem nada explicar, nem antes, nem depois, Jesus diz: “isto é o meu corpo”… “Estas palavras, diz Melanchton, um dos fundadores do Protestantismo, têm o brilho do relâmpago, e o espírito nada pode objetar” (De verit. Corp. Christi in 1Ep. Ad Cor.).


Fonte: Rev. Pe. Júlio Maria, Missionário de Na. Sra. do SS. Sacramento, “Sol Eucarístico e Trevas Protestantes”, Cap. I, Pont. I, pp. 11-12.24; Typ. do “O Lutador”, Manhumirim-MG, 1937.

Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...