Blog Católico, para os Católicos

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

domingo, 18 de agosto de 2013

Louvores em Honra da Mãe de Deus - 1





Notas Escriturísticas sobre
Nossa Senhora, a Mãe de Deus.

“Entre as suaves e sublimes figuras, que as Memórias Evangélicas apenas descobrem de relance, a da Mãe de Jesus é a primeira, que a nossa veneração e o nosso culto procuram com extremo, depois de consumado diante da sua vista o Holocausto do Messias.

Trespassado de fundos golpes, aquele Coração tão fino no afeto, e tão sublime nas virtudes, gotejando em lágrimas todo o sangue da sua alma, que os tratos esgotaram das veias do Redentor, como suportou o Sacrifício, e até à hora, em que deixou a terra para gozar a celeste morada, de que maneira existiu, aceitando a cruel separação de um Filho amado?

Na sua humildade, cheia de graça, rodeada, como consoladora e luz de esperança, de todos os pobres e infelizes, que o mundo desamparava, assegura-nos a Tradição, que foi para os homens na terra a mesma estrela protetora, que os aflitos invocam hoje no Paraíso, como intercessora compadecida dos infortúnios, que atribulam o desterro da vida.

Mais venturosos, os primeiros cristãos gozaram da presença, e benigna influência da Esposa do Espírito Santo. Os Apóstolos tiraram da vista Daquela, que padeceu tanto sem se queixar, a força necessária para arrostarem animosos com as tempestades e cruezas do mundo. Os desgraçados acharam Nela conforto e refúgio. Os convertidos, pegando na sua cruz, e seguindo A de Cristo, tinham na Mãe de Deus o exemplo de todas as perfeições, e por Ele se confirmavam na abnegação, e na perseverança.

Um escritor do quinto século, São Cirilo de Alexandria, celebrando os louvores da Virgem dá-nos exata ideia do grande respeito, que os cristãos lhe tributaram sempre.

Tratando das prerrogativas de Maria, o eloquente Doutor eleva-se, e exclama, ardendo em entusiasmo: 'Salve, Maria, Mãe de Deus, tesouro precioso do universo, luz eterna, e puríssima coroa de virgindade, cetro da Lei da Graça!... Salve tu, que trouxeste nas castas entranhas o Imenso e o Incompreensível!... por amor de ti a Santíssima Trindade foi glorificada e a Cruz do Redentor se exaltou em toda a terra! Salve, triunfo glorioso dos Céus, jubilo dos Anjos, e terror dos Infernos... venceste o Tentador, mostrando às criaturas, apesar da culpa, as portas do Paraíso, abertas para recebê-las! Por ti reina o conhecimento da verdade sobre as ruínas da idolatria; os fiéis são regenerados com o Batismo, as nações do mundo arrependem-se e choram penitentes os seus erros!... Por ti, o Filho Unigênito de Deus, facho do mundo, iluminou os que jaziam debaixo das trevas da morte... Quem poderá louvar-Te dignamente, Mãe incomparável, Virgem puríssima?'[1]

São Dionísio Areopagita, escritor do primeiro século, na Carta que se lhe atribui, dirigida a seu mestre São Paulo, Apóstolo, refere-nos o que experimentou, quando pôs os olhos na Virgem.

Eis as suas palavras, viva expressão dos sentimentos: 'Diante de Deus, confesso, que não se pode perceber pelos homens Aquela, que eu vi e contemplei... porque apenas João, alteza do Evangelho, me levou à presença da Senhora, rodeou-me tão imenso resplendor, foi tão copiosa a luz interior, e sobreveiu-me tanta fragrância de todas as coisas, que nem o infeliz corpo, nem o meu espírito pode sofrer os efeitos insignes de tão suprema ventura. Desfaleceu o coração, e desfaleceu o ânimo, oprimidos com a majestade de tanta glória. Deus que habitava na Virgem, me é testemunha de que se a vossa doutrina não me tivesse ensinado, chegaria a crer que Maria era o verdadeiro Deus!'[2]

Alguns autores, citados por Macedo na sua obra, Eva e Maria, acrescentam, sem hesitar, que São Dionísio, apenas se achou na presença da Virgem, caiu em terra, sem sentidos, e como morto, não podendo suportar os raios de tanta majestade, e o esplendor da luz, que o cegava, o que ele mesmo parece significar, quando assevera, que na sua fraqueza corpórea não pudera sofrer os efeitos daquela felicidade, desfalecendo-lhe o coração e o espírito, deslumbrados, e oprimidos de tamanha glória.

Estas Tradições, porém, não são mais do que notícias, filhas de crenças, que devemos supor sinceras mas que de nenhum modo obrigam.

No mesmo caso está, a todos os respeitos, a Carta atribuída à Senhora, e que certos escritores dizem enviada diretamente a Santo Inácio, Bispo e Mártir de Antioquia, na qual com palavras graves e eficazes a Mãe de Deus o exortava a acreditar firmemente para tudo no Evangelista São João, conformando sempre a vida e os costumes pelo seu voto de Cristão.

A mesma força tem a outra Epístola, que afirmam ter sido escrita à cidade de Messina, na qual, em prêmio de haver abraçado a Fé, a Senhora lhe promete a sua proteção perpétua, e lhe manda a sua bênção.

Florença gloriou-se, muito tempo, de possuir uma Carta quase semelhante, em que a concisão dos termos não fica inferior em nada à brevidade das duas que notamos.

'Florença, amada de Deus, de Jesus meu Filho, e de Mim, sustenta a Fé; insta com orações: esforça-te com paciência: porque assim alcançarás perdurável saúde diante do Senhor.'...

Em todo o tempo, que se demorou na terra, Maria não cessou de ser Aquela rosa, nascida em Jessé, e anunciada pelos Profetas como alegria do mundo: e o aroma de tantas virtudes e perfeições, enchendo tudo de pureza e fragrância, esforçava a devoção e piedade dos verdadeiros discípulos de Jesus.

Antes de cerrar os olhos, a Senhora não viu cumpridas as terríveis palavras de Seu Filho sobre Jerusalém.

O seu Coração mavioso não teve de chorar a dor e a amargura de infelizes mães, forçadas pelas angústias de um cerco sem misericórdia a amaldiçoar a fecundidade das suas entranhas, secando-se-lhe o leite nos peitos, e pendendo-lhes sem vida o tenro fruto dos castos amores!

Mas ainda nos seus dias, não se assistiu ao castigo da cidade orgulhosa, viu florescer a promessa, e crescer a seara a tal ponto, que os ceifeiros dificultosamente bastavam para a colher.

Em fim, bateu a hora destinada para a Mãe de Deus deixar a terra; e a Tradição refere-nos que um Anjo foi o núncio dos decretos do Altíssimo.

Retirando-se à montanha de Sião, a curta distância dos paços arruinados dos príncipes da sua raça, e para o mesmo Cenáculo sobre o qual baixara ao Espírito Santo, Maria humilde e conforme com a vontade do Eterno, esperou ali o instante desejado de se unir para sempre ao Filho amado.

A idade não murchou no seu rosto a formosura angélica. Os anos sem força contra Ela, passaram deixando-A bela como antes. Assim o afirma São Dionísio, testemunha ocular da sua morte.

Todas as graças a ornavam, e no tremendo lance, que faz gemer todas as criaturas, a serenidade, que resplandecia no Seu semblante, comovia e assombrava ao mesmo tempo.

Os Apóstolos, e muitos discípulos, congregados miraculosamente para a despedida da Rainha dos Anjos, mal podiam reprimir as lágrimas de saudade, arrancadas por esta separação. De pé, ao lado do leito, contemplavam silenciosos e imóveis, a face da Virgem, notando consigo mesmos quanto era semelhante nas feições a Jesus Cristo.[3]

A posição, em que estava o Corpo da Senhora, com a cabeça inclinada, como Seu Filho, durante a última Ceia, ainda tornava mais notável  a aparência.

Depois de comungar interiormente com a Sua Alma, a Senhora, correndo a vista pelos fiéis que  perseveravam com tanto valor no seu afeto a Cristo, e que daí a pouco o haviam de provar ainda mais, desprezando tudo, consolou-os com meigas palavras e reflexões ditadas por uma sabedoria sublime; e estendendo as mãos sobre os discípulos de Seu Filho, que deixava órfãos do seu amor de Mãe, elevou os olhos aos Céus, que se abriram, descendo Jesus Cristo em uma nuvem luminosa para A receber nos confins da eternidade.

O seu rosto corou, então, o íntimo ardor da sua infinita adoração, e despindo o invólucro terrestre, o espírito jubiloso subiu ao Trono de Deus, caindo o seu Corpo em sono suave, e repousando com 61, ou 66 anos de idade, no ano 798 de Roma, e 45 da era vulgar.

Os discípulos conduziram o Corpo, rescendente de aromas, e coberto de um véu riquíssimo, ao túmulo, transformado em verdadeiro berço de flores; e Herotheu, pronunciando o panegirico da Rainha dos Anjos, parecia inspirado, e fora de si. As lágrimas do auditório manavam rápidas como as palavras de fogo do orador. Depois de velarem três, ou quatro dias, orando sobre o sepulcro, os Apóstolos despediram-se partindo cada um em busca da coroa do seu martírio e da sua glória. Mas antes, e quando ainda estavam reunidos, São Tomé, que era o último que tinha chegado e que não assistira ao trânsito da Senhora, desejoso de beijar pela derradeira vez as mãos à Mãe do Redentor, tanto pediu, e tantas súplicas amiudou, que vencidos cederam todos aos seus prantos, e levantaram a tampa, que cerrava o jazigo.

Apenas o lugar se patenteou à vista, recuaram pasmados!

O Corpo não estava lá, e somente se encontraram murchas as flores, em que o haviam pousado, e fragrante de celeste perfume o alvo sudário de linho, em que fora envolto.

É a razão, porque nenhum reino, ou cidade se louvou nunca de possuir a menor relíquia do Corpo da Virgem. A Tradição da Igreja é constante em nos afirmar, que o Céu o chamou todo a si para O glorificar!” (“Fastos da Igreja”, Escritos Religiosos – Vida de Jesus Cristo, Vol. IV, pp. 84-91; cfr. Obras Completas de Luiz Augusto Rebello da Silva, Tom. XXII, Empreza da Historia de Portugal Sociedade Editora – Livraria Moderna, Lisboa, 1907).                                                                                                                



[1]   Div. Gr. Tom. V. P. II. p. 380; item conc. Tom. III, p. 589, apud Alb. Butler. Tom. I, p. 369.
[2]   Dionys. Areopag. Epist. Ad Paulum apud Ferreolum de Maria, Macedo – Eva e Ave, Part. II, Cap. LXIV, p. 446.
[3]   Jesus inclinava um pouco a cabeça, o que O fazia parecer mais baixo, e no rosto, sobretudo na parte inferior dele, parecia-se muito com Sua Mãe. Niceph. Hist. Eccl. T. I, p. 125.


Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...