Blog Católico, para os Católicos

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Como perceber a beleza da vida se nos falta a fé em Deus?


Recém-falecido autor das Crônicas Marcianas, 
Ray Bradbury convida a redescobrir a fé
Por Andrea Bartelloni

“Em 1859, Darwin abriu as portas para um novo tipo de organização ideológica do pensamento e da fé: uma organização baseada na evolução (…) No pensamento evolucionista, não há necessidade nem espaço para o sobrenatural. A terra não foi criada, evoluiu. Assim também os animais, as plantas e mesmo nós, os homens, mente e alma, cérebro e corpo. E assim, a religião”. Com estas palavras, Julian Huxley descreveu com grande honestidade intelectual o trabalho do célebre cientista britânico.

Esta citação vem à mente quando se leem as histórias de Ray Bradbury em Crônicas Marcianas. O autor norte-americano, recentemente falecido, coloca na boca de um dos vários protagonistas uma frase que diz muito sobre o seu passado cultural. É uma reflexão sobre a causa do declínio da raça humana: a perda da fé.

Perda de fé ligada ao aparecimento de Darwin e das suas teorias, juntamente com Huxley e Sigmund Freud, o pai da psicanálise (nos anos em que Bradbury escreve, a psicanálise freudiana causava furor nos EUA).

São teorias abraçadas com alegria, mas que percebemos que elas entravam em confronto com a religião. “Não querendo removê-las, removemos as religiões”, conclui o protagonista da história.

A interessante reflexão de Bradbury, feita nos final dos anos 40 do século passado, continua: “E fizemos um grande negócio: perdemos a fé e ficamos dando voltas, nos perguntando qual é a finalidade, qual é o sentido da vida. Se a arte não era nada além de um tremor de desejo frustrado, se a religião não era mais do que uma auto-ilusão, o que é que havia de belo na vida? A fé nos tinha sempre dado as respostas, mas, com Freud e com Darwin, tudo foi parar no lixo. Fomos e somos uma raça perdida”, dizem as Crônicas Marcianas.

E a causa reside na perda das relações entre a ciência e a religião, que, em vez de enriquecerem uma a outra, entraram em conflito.

O cardeal Ratzinger, em seu famoso discurso na Sorbonne, em Paris, no dia 27 de novembro de 1999, enfatizou que “a teoria da evolução veio se delineando cada vez mais como o caminho para fazer sumir a metafísica e para fazer parecer supérflua a ‘hipótese de Deus’ (Laplace), além de formular uma explicação estritamente ‘científica’ do mundo”.

É este, justamente, o problema: ciência e fé, ciência e religião, parecem ser alternativas. O que está em jogo é muito, e Bradbury percebeu os riscos, assim como os pontificados recentes. Foi esquecido o que dizia Leo Moulin, em Tecnologia e Cristianismo: “O cristianismo, ao apresentar ao homem uma imagem do mundo que não se identifica com Deus, cujo mistério é a ele acessível, e ao dar ao homem, feito à imagem e semelhança de Deus, o dever de dominar a terra (…), abriu as estradas para o conhecimento científico do mundo e para as aplicações da técnica”.

Não há contraposição. Na verdade, foi o cristianismo que permitiu o nascimento e o desenvolvimento da ciência como a conhecemos hoje.




Rezar reduz risco da doença de Alzheimer, afirmam cientistas




WASHINGTON DC, 08 Ago. 12 / 10:22 am (ACI/EWTN Noticias).

- Um grupo de cientistas dos Estados Unidos e de Israel concluíram que rezar regularmente pode reduzir, no caso das mulheres, até em 50 por cento o risco de sofrer a doença de Alzheimer.

Os resultados, expostos em junho na Universidade de Tel Aviv (Israel), apontaram a que a oração influi de forma notavelmente positiva no cérebro.

Segundo o professor Rivka Inzelberg, que encabeçou o estudo, "a oração é um costume no qual se utiliza o pensamento, e a atividade intelectual ocasionada poderia constituir uma medida de prevenção contra a doença".

"Qualquer trabalho intelectual influi positivamente ao trabalho do cérebro", assinalou o cientista.

A investigação experimentou dificuldades ao determinar a relação entre a oração e o Alzheimer entre homens, já que 90 por cento dos homens asseguraram rezar diariamente, o que impossibilitou ter uma amostra adequada.

Entretanto, "entre as mulheres, só 60 por cento rezava cinco vezes ao dia, e 40 por cento não rezava regularmente, assim pudemos comparar a informação", indicou Inzelberg.



Tomar pílula anticoncepcional na adolescência causa hipertensão na idade adulta



SIDNEY, 17 Jul. 12 / 10:20 am (ACI/EWTN Noticias).

- Um grupo de cientistas da Universidade de Western a Austrália descobriu que as adolescentes que consomem pílulas anticoncepcionais correm risco de sofrer hipertensão, conhecida como o "assassino silencioso", quando chegarem à fase adulta.

Em um estudo publicado no dia 11 de julho no European Journal of Preventative Cardiology, os pesquisadores encabeçados pelo Dr. Chi Le-ha descobriram que as jovens que tomaram as pílulas anticoncepcionais por poucos meses, têm níveis de pressão arterial mais alto que outras jovens, e "é provável que afete de maneira significativa o risco de enfermidade isquêmica do coração e de derrame cerebral na idade adulta".

A hipertensão arterial é conhecida como o "assassino silencioso", porque é uma enfermidade que raramente apresenta sintomas, mas pouco a pouco gera maior pressão nos vasos sanguíneos e no coração.

Os médicos encontraram também que entre os adolescentes homens, a pressão arterial alta se encontrou significativamente associada com o Índice de Massa Corporal, o consumo de sal e de álcool.

O Dr. Chi Le-ha assinalou que "os adolescentes precisam ser conscientes de que um estilo de vida que predispõe à obesidade, consumo elevado de sal e o consumo de álcool pode conduzir a consequências adversas para a saúde na vida adulta".

Os pesquisadores indicam no seu estudo que "os hábitos de vida estabelecidos durante a adolescência podem afetar negativamente à pressão arterial e contribuir às diferenças de gênero no risco cardiovascular na idade adulta".

Para os cientistas, a modificação de condutas específicas para homens e mulheres pode prevenir a hipertensão adulta.


 

Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...