Blog Católico, para os Católicos

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Quem são os verdadeiros Fautores das Modas Indecentes?


A Sinagoga de Satanás em Ação
 
Uma Combinação Secreta: Nudismo e Indisciplina dos Costumes

"É fácil descobrir os poderosos móveis dessa combinação secreta. Sabemos por que razões, perfeitamente lógicas, para servir a seus fins, o Inimigo de Cristo jurou a destruição da Família. Existe, porém aí, alguém que por vezes numerosas demais, segundo o Inimigo, se opõe às suas intenções secretas: é a esposa e a mãe cristã, é a sacerdotisa do lar, aquela que mantém, alimenta ou reaviva a chama sagrada, aquela, cujo amor fiel, e cuja virtude graciosa, sustentam a casa e a preservam de todo mal. O Demônio sabe-o muitíssimo bem: toda a sua astúcia se exercerá em pura perda contra a família, enquanto ele achar, forte diante dele, a esposa consciente dos seus deveres, e decidida a cumpri-los até o fim. Enquanto a casa for guardada por uma mulher perita em amor verdadeiro, uma mulher pura e forte, em vão o Inimigo atacará os seus baluartes. É, pois, bem claro que é à mulher que é necessário primeiro atingir, atacando nela a concepção do amor e da castidade.



Perverter a mulher... eis o único e verdadeiro meio de arruinar a família. Mas como chegar a pervertê-la? Como atacar as adversárias? Tantas mulheres honestas, tantas outras que defendem ainda, como um escudo de proteção, as velhas Tradições Cristãs, outras enfim, que possuem um instintivo respeito de si mesmas, todas resistem a qualquer tentativa aberta de perversão. Há, porém, um poder a que a mulher se submete quase sempre, ante o qual capitula sorrindo: é o poder da moda. E eis aqui o segredo descoberto: pôr em moda certas atitudes, certos vestuários, e liberdades sempre maiores, que, infalivelmente, destruirão esse envólucro de reserva e pudor contra o qual por tanto tempo se quebraram os esforços do Inimigo. Despir a mulher; para dizê-lo em três palavras, despi-la lenta e sabiamente, para atingi-la, enfim, e destruir-lhe a pureza.


'Os meios infelizmente empregados para excitar os desejos maus, nem sempre consistem em despir, mas em variar os efeitos. A moda, por mais audaciosa que seja, perde o que tem de nocivo pelo hábito. Assim, renovará ela perpetuamente os seus processos. Vela hoje o que mostrava ontem, e mantém despertas as paixões más pela imprecisão das formas corporais que, alternativamente, oculta ou deixa ver. Aqui, para prevenir o mal, se requerem não fórmulas feitas, mas o espírito de prudência, prudência da serpente que deve aliar-se à simplicidade da pomba, aliança tão rara na mesma pessoa'(Côn. Tiberghien, professor nas faculdades de Lille).



Com efeito, a castidade da mulher, sob o vestuário tradicional das conveniências, está ainda protegida por uma sub-veste de pudor. Despindo-a, porém, da veste das tradições convencionais, em breve terá perdido tudo. Surgirá talvez alguma resistência, quando a quisermos despir da sua delicadeza, do respeito de si, último invólucro da pureza. Mas a própria mulher honesta vai aos poucos cedendo, porque tantas outras mulheres o fazem, e porque é 'a moda'. E assim, de concessão em concessão, vai ela perdendo, um a um, os seus mais belos tesouros, e entregará por fim a sua castidade. E será então, não só a derrota dessa castidade, mas, a de tantas outras, que por ela serão atingidas.



É assim que muitas moças, cheias de ideal, e que sonhavam passar pelo mundo como o conseguem as melhores, − não só permanecendo muito puras, mas exercendo uma ação 'purificadora', cederam terreno pouco a pouco, empolgadas pelos costumes ambientes, e, sem coragem para ousar reagir, tornaram-se enfim criaturas provocantes, e semeadoras de tentações"(Mônica Levallet-Montal, "Pour les vingt ans de colette − Palavras à minha Filha", Cap. VIII, pp. 253-270, Livraria José Olympio Editora, 1941)....
”A moda é feita para provocar o desejo”,
defendia Mary Quant

(Inventora da Mini-saia).

Fonte: Acessar o ensaio "Reminiscência Sobre a Modéstia no Vestir" no link "Meus Documentos".

Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...