Blog Católico, para os Católicos

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

sexta-feira, 23 de março de 2012

Em vídeo com mais de 30 mil visitas mãe brasileira denuncia: as abortistas não nos representam


Renata Gusson Martins

                                                                          
Visto mais de 30 mil vezes em apenas uma semana no Youtube, um video gravado pela TV Senado (Brasil), mostra uma mulher e mãe brasileira denunciando que as abortistas e feministas financiadas por fundações internacionais como a Rockefeller, Ford e MacArthur, as quais ferindo a soberania do país vêm promovendo o avanço da legislação pró-aborto em Brasilia, simplesmente não representam a mulher brasileira e seus verdadeiros interesses.

A brasileira Renata Gusson Martins, mãe de cinco filhos, esteve presente na Sessão da Subcomissão permanente em defesa da mulher, uma audiência com o fim de debater as políticas públicas para a saúde da mulheres, presidida pelas Senadoras Angela Portela (PT); Ana Rita (PT); Lídice da Mata (PSB), ocorrida em Brasília no dia 08 de março, Dia Internacional da Mulher. Para a ocasião as senadoras da subcomissão convidaram mulheres financiadas pela Fundação MacArthur para falar sobre a “saúde” da mulher, mas não estenderam o convite às organizações de defesa da vida e de amparo a mulheres grávidas. No entanto, mesmo sem convite, essas iniciativas pró-vida se fizeram presentes em Brasília na audiência, para surpresa geral das senadoras e das feministas convocadas.

Na ocasião, Renata afirmou que causava “muita tristeza” observar naquela data, especial para as mulheres de todo o mundo, que outras mulheres supostamente comprometidas com o bem das brasileiras, ao seguir piamente os manuais das organizações estrangeiras que querem promover o aborto na América Latina, simplesmente “não representam” as mulheres do Brasil, onde mais de 70% da população rechaça o aborto.

“As senhoras não representam a mulher brasileira. É preciso dizer isso!”, reafirmou Renata Gusson.

Renata criticou as senadoras pela má representação que fazem da mulher brasileira, ao comprometer-se com a agenda pró-aborto.

Autorizada a falar por três minutos em uma ocasião hostil à defesa da vida, Renata Gusson Martins questionou a instrumentalização das senadoras e a de organizações feministas que se dedicam profissionalmente à tarefa de fomentar, junto ao poder legislativo, leis que promovem a legalização do aborto, de maneira especial no contexto da Reforma do Código Penal Brasileiro, cujo anteprojeto recentemente votado, deu parecer favorável a mais exceções de pena para o crime do aborto no Brasil.

Durante sua intervenção, Renata Gusson lembrou ainda às técnicas convidadas pela Subcomissão sobre a terrível realidade que, uma vez permitido o aborto, a exemplo do que ocorre nos Estados Unidos, a maior parte das clínicas seriam estrategicamente instaladas em regiões de baixa renda e em bairros de moradores predominantemente negros prejudicando estas populações.

Falando à Secretária Ângela Nascimento, Diretora de Programas da Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas do SEPIR/PR, Renata disse: “A senhora como secretária de políticas especiais de ações afirmativas sabe que o aborto nos Estados Unidos é legalizado até os nove meses desde 1973. E a maior quantidade de clínicas de aborto se concentram em bairros pobres e negros. Infelizmente esta é uma estrutura, uma engrenagem que se forma simplesmente para aprovar o aborto em um país. Infelizmente secretária, não se tem amor por mulher nenhuma”.  “E quem vai morrer, Secretária?” questionou Renata quem imediatamente respondeu: “50% das crianças abortadas são mulheres. As que vão morrer são as mulheres, e especialmente as crianças negras”.

“Eu queria deixar esta manifestação e pedir que as senhoras representassem as mulheres do Brasil e não representassem interesses estrangeiros, contrários à população brasileira”, concluiu Renata Martins.

A denúncia de Renata, uma mãe de 30 anos de idade do estado de São Paulo, tem sido caracterizada como um verdadeiro desabafo pela grande maioria do público que vem assistindo o vídeo divulgado em diversos blogs e nas redes sociais como Facebook e Twitter.

Por meio dos comentários ao vídeo, essa maioria se diz representada por esta mãe brasileira que criticou a submissão de organizações de mulheres por seguir uma agenda ditada por fundações internacionais, que deu um novo giro à discussão sobre a despenalização do aborto no Brasil ao denunciar interesses estrangeiros de lucro no negócio de abortar crianças brasileiras, ferindo ademais a soberania do país que não deve estabelecer suas políticas de saúde das mulheres baseando-se em agendas ditadas por organizações internacionais.

O vídeo pode ser visto no canal da ACI Digital no Youtube em: http://www.youtube.com/watch?v=dRD-3ZcoxxY


SÃO PAULO, 22 Mar. 12 / 03:31 pm (ACI)



Nenhum comentário:

Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...