Blog Católico, para os Católicos

BLOG CATÓLICO, PARA OS CATÓLICOS.

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

domingo, 12 de abril de 2020

Jesus Cristo é o Nosso Eterno Aleluia.




ALELUIA

Psalm. 104, 1.
Et soepe in Titulis Psalmorum.


Este nome se atribui a Cristo nos títulos de alguns Salmos que a Ele são dedicados: e em quatro sentidos ou interpretações, todas misteriosas,1 e de grande consolação para as almas, pode competir-lhe. 


A 1ª, é de São Jerônimo, o qual diz que esta palavra Hebraica Alleluia2 significa, Louvai o Senhor. E quem não vê que Cristo em todos os passos de Sua vida sacratíssima nos está convidando aos louvores de Deus? Sua Encarnação, Nascimento, Circuncisão, Apresentação, Batismo, são vozes que nos estão bradando ao coração: Louvai ao Senhor. Seu Jejum, Pregação, Milagres, Instituição dos Sacramentos, Sua Paixão e Morte, Sua Ressurreição e Ascensão, e finalmente tudo o que há neste soberano Senhor, não é outra coisa que um perpétuo louvor de Deus, e manifestação gloriosa de seus Atributos, que a todos nos provoca ao mesmo louvor. Ó minha alma, aprende e faze-te bem capaz desta verdade; que procures em todas tuas obras que Deus seja louvado: não lhe ponhas outro fim, que a glória daquele Senhor, que só é digno de glória; e para que Deus em ti seja louvado, aspira sempre a conformar a tua vida com a de Cristo.


A 2ª, é de São Germão, o qual diz que a palavra Alleluia vale por estas três: Lux, vita, salus:3 Luz, vida, salvação. E quem, senão Cristo nosso bem, é a nossa luz, que nos ilumina com Sua lei, doutrina e inspirações; a nossa vida, que com o espírito de Sua graça nos restituiu da morte do pecado à vida da graça; e a nossa salvação, porque Seus merecimentos nos abriram as portas do Céu, e nos reconciliaram com Seu Eterno Pai? Ó amantíssimo JESUS, luz minha, vida minha, e minha salvação: derramai os tesouros de Vossa bondade, de sorte que todos logremos os raios de Vossa claridade, o espírito de Vossa graça e os bens de Vossa glória.


A 3ª, é de Pedro Altisiodorense, o qual diz que Alleluia, compreende esta sentença: Altissimus levatus est in Cruce: lugebant Apostoli: jam surrexit: O Altíssimo foi arvorado na Cruz: estavam tristes os Apóstolos: já ressuscitou. Pondera aqui, quanta foi a dignação de que o Senhor, que é o Altíssimo, se pusesse por nosso remédio em uma Cruz! Quanto o sentimento e perturbação daquela pequena grei do Apostolado, quando ferido o seu Pastor, se derramou dando balidos pela sua amada presença? E quanta a sua alegria, quando se certificaram de que o Senhor ressuscitara?


A 4ª, se atribui a Santo Agostinho, conforme o qual a palavra Alleluia vale o mesmo que esta Oração: Salvum me fac Domine: Senhor, salvai-me.4 Pondera, como é o Senhor JESUS tão amigo de nos salvar, que a mesma petição, que nós devemos fazer-lhe, de que nos salve, a quer Ele ter por Nome; para mostrar quanto deste ofício se lembra, e estima que lhe peçamos a salvação. Ó breve, mas suavíssimo Nome, que encerras uma breve, mas importante Oração! Alleluia: Salvum me fac Domine: salvai-me Senhor, conforme o desejo sincero que tendes de minha salvação: Alleluia: salvai-me, conforme o valor de Vosso Sangue, que uma gota basta para salvar mil mundos. Alleluia: salvai-me, para que no Céu Vos cante glórias e perpétuas aleluias, unindo meus louvores Convosco, que sois de Deus o louvor mais excelente.




Fonte: Ven. Pe. Manoel Bernardez, “Luz e Calor” - Obra Espiritual para os que Tratam do Exercício de Virtudes e Caminho de Perfeição, 2ª Parte, Opúsculo III, Meditação XXIX, Ponto I, p. 392-393. Nova Edição, Lisboa, 1871.

________________________

1. Vide Rupert. Lib. 4. de Divin. Offic. c. 5.

2. Epist. 137. ad Marcellam.

3. Vide Durand lib. 4. Ration. c. 20. Bernard Bissum in Hierurgia verb. Alleluia. Theoph. Rainabd de attribut. Sect. 2. c. 11. a n. 293.

4. Turrecremata in Regula S. Benedicit n. 72. Al: id est salvum: le: idest me: lu: id est fac: ia: id est, Domine.

Nenhum comentário:

Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...