Blog Católico, para os Católicos

BLOG CATÓLICO, PARA OS CATÓLICOS.

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

quarta-feira, 3 de junho de 2020

Hora Santa do Mês de Junho.



Coração de Jesus
Afligido por Causa dos
Pecado do Mundo


Parece que o Coração de Jesus nos convida ao pio exercício da Hora Santa, por estas palavras do Profeta Jeremias: Ó vós todos que passais pelo caminho, olhai-me e vede se há dor igual à minha dor.1 Para conceber toda a extensão e intensidade dessa aflição, é necessário que meditemos: de um lado, o amor que nos tinha o Coração de Jesus desejoso de nos salvar a todo preço, de outro, o horror que Ele tinha do pecado, causa de nossa perdição. Seria muito, alma fiel, consagrar cada mês uma hora a esta meditação tão salutar?

Jesus trazia todos os homens no seu Coração, por que Ele amava todos. Mas sendo eles todos pecadores, que eram para o Coração amante de Jesus, senão cruéis espinhos que O dilaceravam, segundo o pensamento de Santo Agostinho? É portanto, verdade que nós temos sido os algozes desse Coração amabilíssimo, e algozes mais cruéis do que aqueles que rasgaram o Corpo do Salvador.

Com efeito, procurai no Jardim das Oliveiras, e não achareis nem algozes para O flagelar, nem espinhos, nem cravos, e entretanto o Sangue Divino corre. Ele teve, diz São Lucas, um suor de sangue que corria na terra em forma de gotas de chuva.2 Qual pode ser a causa deste suor? É a previsão de seu suplício que O lança nestas agonias? Não, porque ele se ofereceu espontaneamente a padecê-lo.3 Ah! Não busquemos aqui outra causa que os nossos pecados. Da mesma sorte que o lagar faz correr o vinho da uva, assim nossos pecados fizeram correr o Sangue das veias sagradas de Jesus Cristo. Quantas vezes não temos contribuído para esta aflição aumentando o peso de nossas faltas? Ah! Pesemos aqui a malícia do pecado, a fim de maldizer para sempre o que tanto afligiu o Coração deste bom Senhor.

O pecador aflige o Coração de Jesus, porque desonra a Deus,4 cuja glória o Salvador veio restabelecer. Não renuncia, com efeito, à graça santificante e à amizade divina por uma indigna satisfação? Se o homem consentisse em perder a amizade divina para ganhar um reino, e até o mundo inteiro, certamente faria imenso mal, porque a amizade de Deus vale mais que o mundo e mil mundos. Mas porque o pecador ofende a Deus? Por um pouco de terra, por um movimento de cólera, por um prazer brutal, por um fumo, por um capricho. Quando o pecador se põe a deliberar se consentirá ou não no pecado, toma, digamos assim, a balança na mão, para ver o que pesa mais, o que é preferível, a graça de Deus, ou essa paixão, esse fumo, esse prazer; quando em seguida dá seu consentimento, declara, quanto o pode fazer, que essa paixão, esse prazer, valem mais que a amizade de Deus! Não é isto desonrar a Deus? O pecador aflige também o Coração de Jesus, porque entrega-se ao poder do Demônio, cujo império o Salvador veio destruir. Quando a alma consente no pecado, diz a Deus: Senhor, retirai-Vos de mim.5 Ela não o diz com a boca, mas de fato, porque sabe que Deus não pode ficar com o pecado: pecando, ela O obriga então a separar-se. E expulsando a Deus de seu coração, faz entrar nele imediatamente o Demônio para tomar-lhe posse. Pela mesma porta pela qual sai Deus, entra o Inimigo, que vem estabelecer-se como senhor em lugar de Deus. Quando se batiza um menino, o Coração de Jesus se regozija, porque o Padre intima ao Demônio a ordem de sair dessa alma e dar o lugar ao Espírito Santo. Mas quando o homem consente no pecado, o Coração divino se aflige, porque o pecador diz a seu Deus que saia de sua alma e ceda o lugar ao Demônio. Não é isto restabelecer o império de Satanás, destruído pela Redenção?

Enfim, o que aflige o Coração de Jesus, é que o pecador O obriga a pronunciar sobre sua cabeça a fatal sentença de condenação: Retira-te de Mim, maldito, vai para o fogo eterno.6 Desgraçado daquele que rejeita as graças que Jesus Cristo lhe granjeou por tantos trabalhos e dores! Ah! Seu maior tormento no Inferno, será pensar que Deus, para atraí-lo a Seu amor, deu Sua vida sobre uma Cruz, e que ele, de seu motu proprio, quis se perder, e de modo irreparável para sempre!… durante toda a eternidade!… Ó eternidade!…

Prática

Oferecerei muitas vezes ao eterno Pai as aflições do Coração de Jesus, em reparação de meus pecados e de todo o mundo.

Afetos e Súplicas

Assim, meu Jesus, não foi a vista dos açoites, dos espinhos e da Cruz, que Vos causaram tanta aflição no Jardim de Gethsemani, foi a vista de meus pecados, cada um dos quais acabrunhou Vosso Coração com tanta dor e tristeza, que Vos fez suar Sangue e Vos reduziu à agonia. Eis aqui como respondi ao amor que me testemunhastes morrendo por mim. Ah1 Dai-me parte da dor que sentistes por causa de meus pecados no Jardim das Oliveiras, a fim de que esta dor me conserve em aflição durante todo o resto de minha vida. Ó meu terno Redentor, pudesse eu agora Vos consolar, por meu arrependimento e amor, tanto quanto Vos tenho afligido! Do fundo de minha alma me arrependo, ó amor meu, de ter preferido satisfações miseráveis do que a Vós: disto me arrependo, ó meu Jesus, e amo-Vos sobre todas as coisas. Apesar de meus pecados, sei que me pedis meu amor: Amareis, dizeis, o Senhor Vosso Deus de todo vosso coração e de toda vossa alma.7 Sim, meu Deus, eu Vos amo de todo o meu coração, eu Vos amo de toda a minha alma: dai-me Vós mesmo todo o amor que de mim quereis. Se outrora procurei a mim mesmo, quero agora procurar somente a Vós: conhecendo que me tendes amado mais do que os outros, quero também Vos amar mais que os outros. Atraí-me sempre, meu Jesus, atraí-me cada vez mais a Vosso amor pelo odor de Vossos perfumes, isto é, pelos doces atrativos de Vossa graça. Dai-me, numa palavra, a força de corresponder à ternura de um Deus para com um verme da terra ingrato e infiel. Ó Maria, Mãe de misericórdia, assisti-me com Vossas orações.

Oração Jaculatória

Eterno Pai, perdoai-me pelos merecimentos do Coração de Jesus.

Desposório Místico de Santa Rosa de Lima


Exemplo

Santa Rosa de Lima teve o feliz destino de tornar-se esposa do Coração de Jesus. Um dia em que ela estava cercada de algumas de suas companheiras, veio uma borboleta, que, voando algum tempo à sua esquerda, pousou sobre seu coração. Depois de ter estado aí alguns instantes numa atividade contínua, voou, deixando na roupa da virgem donzela um coração perfeitamente desenhado. Todas as pessoas presentes notaram com surpresa esta pintura misteriosa, mas sem compreenderem sua significação. Rosa também não compreendeu. Somente ouviu uma voz que lhe dizia: Rosa, dá-Me teu coração. Um dia Jesus Cristo lhe apareceu com Sua divina Mãe, e disse-lhe esta palavra, a mais suave e amável que um Deus pode dirigir à Sua criatura: Rosa de Meu Coração, sede para sempre Minha esposa fiel. Para não perder a lembrança de tão grande benefício, ela formou o desígnio de mandar fazer para si um anel nupcial. Rosa comunicou este projeto a seu irmão, sem lhe falar do que sucedera. Este bom irmão, desejando ver logo cumprida a vontade de Rosa, tirou medida no dedo dela e desenhou o anel num papel, ornando-o com um pequeno medalhão representando Jesus Cristo. Restava só tratar-se da divisa que devia cercá-lo. Rosa, com o olhar, consultava a seu irmão; este não fez esperar sua decisão: tomou a pena e escreveu estas palavras: Rosa de Meu Coração, sede Minha esposa. Grande foi o espanto desta santa donzela, vendo seu irmão reproduzir, sem o saber, as mesmas palavras que Jesus Cristo lhe dirigira na maravilhosa aparição com que a honrara. Ela foi esposa fiel, porque, não obstante ficar no mundo, amou a Jesus Menino, a Jesus nos tormentos, e a Jesus na Eucaristia, de um modo superior ao que nos é possível imaginar. Na idade de quatorze anos já ela comungava três vezes por semana. Rosa preparava-se para o Divino banquete, como se cada vez fosse a última de sua vida. “Não há neste mundo, dizia ela, prazer, nem gozo que possa dar uma ideia da alegria que sinto no delicioso festim, em que minha alma faminta come a Carne de meu Deus”. Por um efeito de sua devoção para com o Santíssimo Sacramento, ela assistia cada dia a todas as Missas que se diziam na igreja dos Dominicanos. Nos dias em que havia exposição do Santíssimo, ficava em adoração desde a manhã até a tarde. Quando se nomeava a Santíssimo Sacramento na conversação, ela inclinava a cabeça; um de seus mais deliciosos prazeres era ouvir exaltado pelos pregadores este inefável Mistério. Não contente de ornar os tabernáculos com flores naturais que ela cultivava no seu jardim, fazia artificiais de beleza surpreendente. Uma parte de suas noites era consagrada a esta ocupação, reservando o dia para trabalhar para sua família, que não tinha grande fortuna. A feliz esposa do Coração de Jesus deixou a terra para receber a coroa das Virgens, em 1617.


Fonte: O Sagrado Coração de Jesus, segundo Santo Afonso de Ligório, ou, Meditações para o Mês do Sagrado Coração, a Hora Santa e a Primeira Sexta-feira do Mês; coligidas das Obras do Santo Doutor pelo Padre Saint-Omer, C.Ss.R., “Hora Santa” de Junho, pp. 238-243. 5ª Edição Portuguesa, Tipografia de Frederico Pustet, Impressores da Santa Sé. Ratisbona/Alemanha, 1926.


___________________

1.  Lam. 1, 12.
2.  Luc. 22, 44.
3.  Is. 58, 7.
4.  Rom. 2, 23.
5.  Jó 21, 14.
6.  Mat. 25, 41.
7.  Mat. 22, 37.

Nenhum comentário:

Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...