Blog Católico, para os Católicos

BLOG CATÓLICO, PARA OS CATÓLICOS.

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

quinta-feira, 25 de novembro de 2021

O Rosário, Louvado pelos Demônios.


O poder da Bem-aventurada Virgem estende-se até os Infernos. Maria reina como Soberana sobre os próprios Demônios e os subjuga”, diz São Bernardino de Sena. Esta prerrogativa da divina Mãe foi anunciada desde o princípio do mundo, quando Deus predisse à Serpente infernal a vitória e o império que Maria, nossa Rainha, teria sobre ela. Maria é tão terrível aos Demônios como um exército disposto em ordem de batalha. Eles próprios são forçados muitas vezes a confessar e proclamar o poder de Maria e a excelência da devoção do Rosário.

Quando São Domingos pregava esta devoção em Carcassone, um herege albigense surgiu do meio da multidão caluniando e ofendendo o Santo pregador, numa contradita violenta, que evitou a conversão de muitos. Deus, por um justo castigo, permitiu que os Demônios em grande número se apoderassem do herege e o deixassem em um estado de loucura furiosa. Rasgava roupas, debatia-se, urrava, blasfemava, contava os pecados ocultos dos que o rodeavam. Seus pais querendo contê-lo, só a muito custo puderam prendê-lo em cadeias de ferro.

Dias depois, pregando São Domingos em uma praça pública, levaram-lhe este endemoniado, que se debatia e resistia com todas as suas forças. Perguntados os Demônios pelo Santo, porque haviam entrado no corpo desse homem, responderam-lhe que era por causa das suas irreverências para com a Santíssima Virgem e por causa de sua incredulidade. “Há um mês que este herege vos está ouvindo pregar sobre o culto da Virgem; não quis crer em vossa palavra e ao contrário, vos tem feito todo mal que pode. Eis porque, obrigados por um justo juízo de Deus, a quem não podemos resistir, entramos no corpo deste blasfemador. É bem contra nossa vontade: não queríamos atormentá-lo, pois ele nos ganhava muitas almas”.

Então São Domingos perguntou-lhes, se tudo o que havia dito da sua Augusta Rainha era verdade. Dando horrorosos gritos, disseram-lhe: “Maldita seja a hora em que entramos neste lodo impuro! Infelicidade para nós eternamente! Porque não matamos a este miserável antes de o trazerem aqui? Agora é tarde: cadeias de fogo nos obrigam a publicar a verdade, apesar das perdas certas que vão daí resultar para nós. Cristãos e Cristãs! Escutai logo e ficai sabendo: tudo o que Domingos tem pregado sobre Maria e seu culto é inteiramente conforme à verdade”.

Depois de outras perguntas, São Domingos lhes disse ainda: “Qual é no Céu a criatura mais terrível para vós, e ao mesmo tempo a mais digna do amor e do culto dos homens aqui na terra?” A esta pergunta os Demônios deram um grito agudo que espantou a todos os assistentes. Mas o Santo, impondo silêncio aos espíritos malignos, deu coragem ao povo consternado; obrigava todavia os Demônios a responder. “Ó homem de Deus”, gritaram eles, “porque vos agradam os tormentos que sofremos?!… Contentai-vos com as penas que sofremos no Inferno, e deixai-nos tranquilos!”

O Santo tornou: “Eu cessarei de vos atormentar quando tiverdes satisfeito à minha pergunta”. – “Ao menos”, responderam eles, “deixai-nos falar-vos em segredo e não diante desta multidão de homens e mulheres, porque senão perderemos muitos”. O Santo respondeu: “Isso é inútil, tendes de falar em alta voz e com voz clara e inteligível”.

Porém, estes espíritos rebeldes se calavam sempre e se estregavam a tristes lamentações. Vendo-os obstinados, São Domingos prostrou-se e exclamou: “Ó Maria, Virgem Santíssima! Pela virtude do vosso Rosário, obrigai os Inimigos do gênero humano a responder à minha pergunta”. Falava ainda e viam-se sair chamas dos ouvidos, do nariz e da boca do endemoniado. O povo tremendo de medo fazia o Sinal da Cruz. Entretanto, os Demônios diziam: “Ó Domingos, nós vo-lo rogamos, deixai-nos ir embora; quando quiserdes, os Anjos vos ensinarão. Nós somos mentirosos e enganadores; os cristãos não darão crédito as nossas palavras. Portanto, deixai-nos tranquilos”.

O Santo respondeu: “Não mereceis ser atendidos”. Depois, pôs-se de joelhos e exclamou: “Ó digníssima Mãe da Sabedoria encarnada! Este povo conhece já o culto do Rosário. Ah, pela salvação destas almas, eu vo-lo peço, obrigai vossos adversários a dizer claramente a verdade sobre o que lhes perguntei”.

Neste momento apareceu aos olhos de São Domingos uma multidão de Anjos cobertos de armas de ouro e no meio deles a gloriosa Mãe do Salvador. Maria tocou com um cetro de ouro no infeliz endemoniado, e imediatamente os Demônios gritaram: “Oh, nossa Inimiga! Nossa ruína! Oh, nossa confusão! Porque descestes do Céu para nos atormentar aqui? Ah, sois Vós que impedis o Inferno de se encher. Vós rogais pelos pecadores como poderosa Advogada, e sois para eles o caminho do Céu muito seguro e muito certo. É preciso responder-Vos sem tardar. É preciso publicarmos nós próprios o meio e a maneira de nos confundir. Ó necessidade cruel! Ó terrível maldição!… Cristãos, escutai-nos então”, gritaram eles: “a Mãe de Jesus, é toda poderosa para preservar os seus servos do Inferno. Como o sol expulsa as trevas, assim Maria dissipa nossas tramas e nossos laços. Nenhum dos nossos embustes Lhe escapa; inutiliza todos os nossos artifícios. Ai de nós! Somos forçados a confessá-lo: de todos os que se consagram ao culto de Maria e perseveram, nenhum se perde. Um só de seus suspiros oferecido à Santíssima Trindade é superior em excelência e em virtude às orações e promessas dos outros Santos. Assim, tememos mais a Ela só do que a todos os outros reunidos. É impossível vencermos a um só de seus servos fiéis. Infelizmente para nós, um grande número dos que nos pertencem, na hora da morte se salvam, porque invocam a Maria. Se esta Mulher não no-los retirasse e não reprimisse nossos esforços, há muito tempo que teríamos acabado com a Igreja; muitas vezes teríamos feito perder a fé a todas as classes da sociedade cristã. Também somos obrigados a revelar que nenhum daqueles que perseveram na devoção pregada por Domingos, sofrerá os tormentos do Inferno. Maria obterá para seus servos fiéis uma verdadeira contrição de seus pecados e a graça de fazer uma boa confissão”.

Após estas palavras dos Demônios, São Domingos convidou os assistentes a rezarem o Rosário, e a cada uma das Ave Marias que rezavam, viam-se grande número de Demônios saírem do corpo do possesso em forma de brasas de fogo. Maria estava presente ainda que invisível para o povo. Ao terminar o Rosário, o Santo deu sua bênção à multidão. Quanto ao endemoniado, estava são e salvo.

Este acontecimento converteu um grande número de hereges. Tal fato não tem necessidade alguma de argumentos. Notemos, entretanto, como as declarações dos Demônios são conformes à doutrina ensinada pelos Santos sobre o poder, a santidade, a bondade de Maria, sobre sua solicitude em salvar aqueles que A invocam, sejam quais forem os crimes que tiverem cometido, contanto que perseverem em orar à Mãe de Misericórdia com o desejo de se emendarem. Notemos também, quanto custou a Satanás confessar o poder do Rosário. Deixou esta confissão para o último lugar e a fez resumidamente, porque o Rosário é o meio mais fácil e mais eficaz para nos atrair a proteção d’Aquela que não deixa perecer a nenhum de seus filhos.

Os Demônios”, diz São Bernardo, “fogem e desaparecem como a cera no fogo, todas as vezes que estão em presença de uma alma que pensa sempre em Maria, que A invoca com amor e A imita piedosamente”. Ora, pela devoção ao Rosário preenchemos todas estas condições: pensamos na divina Mãe, rezamos, meditamos em suas virtudes e pedimos-Lhe forças para as imitarmos. “Quem é fiel em honrar a Maria deste modo”, diz São Boaventura, “não se perderá eternamente”. “Ficai certos”, acrescenta Santo Afonso, “de que, se perseverardes até a morte na devoção a Maria, vossa salvação é segura”.

Se os Demônios perseguem os servos da Rainha do Rosário, os bons Anjos, de sua parte, não cessam de os defender em nome de Sua amada Soberana. Lê-se na vida da Bem-aventurada Benedita Rencurel, santificada pela devoção do Rosário, que muitas vezes o Demônio a transportava para longe e a colocava sobre um rochedo inacessível. Acontecia então, que o Anjo custódio da Santa a ia buscar. Abria-lhe uma passagem através das rochas, dos gelos e dos abrolhos cobertos de neve, trazia-a dos lugares desconhecidos em que estava perdida pela malícia de Satanás e ajudava-a a transpor a torrente impetuosa que lhe embaraçava o caminho. Viva imagem do que fazem todos os dias nossos bons Anjos, para nos preservarem ou livrarem das astúcias de nossos Inimigos invisíveis, que procuram sem cessar fazer-nos cair no pecado e conduzir-nos à nossa perda eterna! Quando a Santa camponesa era levada pelo Demônio sobre o teto de certa igreja, o que aconteceu por mais de vinte vezes, um Anjo ajudava-a a descer, e abrindo a porta da igreja, rezava com ela o Rosário. Quando as perseguições do Demônio contra esta santa criatura chegavam a seu auge, os Anjos, sob a forma de passarinhos, vinham, rezando e cantando, assistir aos seus sacrifícios e provas. Ela os via, ora brancos, ora vermelhos, e sempre luminosos. Outras vezes, as duas cores alternavam-se na coroa que eles formavam voando sobre sua cabeça. O branco, sem dúvida, significava a virgindade tão perfeita desta Santa donzela, e o vermelho, o martírio causado pelas perseguições que sofria. Mas, o que podia representar a coroa, senão essa coroa mística de Ave Marias, que Benedita oferecia vinte vezes ao dia à Rainha do Santo Rosário?

Eis como os Anjos se comprazem em proteger, fortificar e consolar os verdadeiros servos e fiéis servas da Sua amável Soberana, especialmente aqueles e aquelas que põem todos os dias em Sua fronte o místico diadema do Terço ou do Rosário, e se esforçam para caminhar sobre Seus passos no caminho das virtudes.

Ó Rainha cheia de poder e misericórdia! Quantas vezes me esqueço e separo de Vós por minhas inúmeras faltas! Refúgio dos pobres, doce Alegria dos que sofrem! Todos esperam em Vós! Livrai-nos dos males que nos cercam, Vós que concedeis, com tanta profusão, os meios de salvação a todos aqueles que quereis salvar. Permanecei conosco, ò Virgem Santíssima, e não nos abandoneis. Livrai-nos das trevas e sombras da morte. Conduzi-nos à glória dos Bem-aventurados. Amém.



Ramalhete Espiritual

Nas tentações, fortalecei-vos contra o Inferno, rezando o Terço e meditando os Mistérios que encerra cada dezena. “O Rosário”, dizia o Papa Adriano VI, “é o flagelo dos Demônios”.


Fonte: Trinta e Uma Meditações, sobre as Excelências do Santo Rosário”, pelo Padre Luiz Bronchain, CSSR, Meditação do 20º Dia, pp. 191-202. Tipografia de B. Herder, Livreiro-Editor Pontifício, Friburgo em Brisgau/Alemanha, 1913.


Nenhum comentário:

Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...