Blog Católico, para os Católicos

BLOG CATÓLICO, PARA OS CATÓLICOS.

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

quinta-feira, 17 de março de 2022

Da Obrigação que Temos em Meditar, na Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo. 5º Dia.


5º Dia


Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.1


Oração ao Espírito Santo2


V. Vinde, Espírito Santo, enchei os corações de vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor.3


V. Enviai o vosso Espírito e tudo será criado!

R. E renovareis a face da terra!


Oremos: Ó Deus, que instruístes os corações de vossos fiéis com a luz do Espírito Santo, concedei-nos que pelo mesmo Espírito conheçamos o que é reto e sempre gozemos de Sua consolação. Por Cristo, Nosso Senhor. Amém.


V. Imaculada Esposa do Espírito Santo.

R. Rogai por nós.


V. Vinde, ó Deus, em meu auxílio.

R. Apressai-Vos, Senhor, em me socorrer.

V. Glória ao Pai, e ao Filho e ao Espírito Santo.4

R. Assim como era no princípio, agora e sempre e por todos os séculos dos séculos. Amém.

Ato de Contrição5


Meu Senhor Jesus Cristo, Criador, Pai e Redentor meu, em quem creio e espero, e a quem amo e desejaria ter amado sempre sobre todas as coisas; pesa-me uma e mil vezes de Vos haver ofendido, por serdes Vós quem sois, bondade infinita; pesa-me também por haver merecido as terríveis penas do Purgatório, e, talvez, ai de mim, as eternas chamas do Inferno. E Vós, cheio de misericórdia, me haveis adiado o castigo. Proponho firmemente nunca mais pecar, e afastar-me das ocasiões de Vos ofender, ajudado pela Vossa divina graça. Concedei-me, ó meu Jesus, a felicidade de me confessar com as devidas disposições, para obter copiosos frutos, emendar a minha vida e perseverar em Vosso santo serviço até a morte. Eu Vo-lo peço, Senhor, pelo Vosso preciosíssimo Sangue, pelas dores de Vossa aflita Mãe e pela intercessão do glorioso Patriarca São José. Assim seja.



Oração a Jesus pelo Merecimento Particular,

de Cada uma das Penas que Ele Sofreu na Sua Paixão.6


Meu Jesus, pela humilhação a que Vos dignastes submeter lavando os pés dos vossos Discípulos, concedei-me a verdadeira humildade, de sorte que me abata diante de todo o mundo, e particularmente diante daqueles que me desprezam. Meu Jesus, misericórdia.

Meu Jesus, pela tristeza mortal pela qual fostes acabrunhado no Jardim das Oliveiras, preservai-me da tristeza do Inferno, onde devia estar para sempre longe de Vós e sem Vos poder amar. Meu Jesus, misericórdia.

Meu Jesus, pelo santo horror que tivestes dos meus pecados, sempre presentes aos vossos olhos, dai-me verdadeira dor de todas as ofensas que contra Vós tenho cometido. Meu Jesus, misericórdia.

Meu Jesus, pela pena que Vos causaram a traição de Judas e o seu pérfido ósculo, dai-me Vos seja fiel e não atraiçoe mais como fiz no passado. Meu Jesus, misericórdia.

Meu Jesus, pela dor que sentistes vendo-Vos amarrado como um malfeitor para serdes conduzido à presença dos juízes, atai-me com as doces prisões do vosso amor, de sorte que não me separe mais de Vós, que sois o meu único bem. Meu Jesus, misericórdia.

Meu Jesus, pelos desprezos, escarros, que recebestes durante toda a noite na casa de Caifás, dai-me a força de sofrer com paciência, pelo vosso amor, todas as afrontas que receber dos homens. Meu Jesus, misericórdia.

Meu Jesus, pela irrisão que Herodes Vos fez sofrer, tratando-Vos como um louco, dai-me a graça de suportar com paciência todas as injúrias que me vierem dos homens, ainda quando me tratem de vil, louco e mau. Meu Jesus, misericórdia.

Meu Jesus, pelo ultraje que Vos fizeram os judeus quando a Vós preferiram Barrabás, dai-me a graça de sofrer com paciência que os outros me sejam injustamente preferidos. Meu Jesus, misericórdia.

Meu Jesus, pela dor que sofrestes no vosso Santo Corpo, quando foi tão cruelmente flagelado, dai-me a força de suportar com paciência tudo o que tiver de sofrer nas enfermidades e especialmente na morte. Meu Jesus, misericórdia.

Meu Jesus, pela dor que Vos causaram os espinhos transpassando a vossa adorável Cabeça, concedei-me a graça de jamais dar consentimento a pensamentos que Vos desagradam. Meu Jesus, misericórdia.

Meu Jesus, pela bondade com que aceitastes a morte de Cruz, à qual fostes condenado por Pilatos, fazei-me aceitar com resignação a morte que me espera, e todas as penas que têm de acompanhá-la. Meu Jesus, misericórdia.

Meu Jesus, pelas penas que sofrestes em levar a Cruz pelo caminho até o Calvário, dai-me a graça de sofrer com paciência todas as cruzes da minha vida. Meu Jesus, misericórdia.

Meu Jesus, pela dor que sentistes quando cravaram as vossas mãos e pés na Cruz, peço-Vos, cravai aos vossos pés a minha vontade, a fim de que não queira mais nada fora do que quereis. Meu Jesus, misericórdia.

Meu Jesus, pela amargura inferior com que consentistes ser abeberado de fel, concedei-me a graça de não mais Vos ofender pela intemperança no comer e beber. Meu Jesus, misericórdia.

Meu Jesus, pela pena que padecestes quando Vos despedistes de vossa Mãe Santíssima, do alto da árvore da Cruz, livrai-me dos afetos desordenados para com os meus parentes, ou outras criaturas sejam quais forem, para que o meu coração seja todo inteiro e para sempre vosso. Meu Jesus, misericórdia.

Meu Jesus, pela desolação da vossa última hora, quando Vos vistes abandonado até pelo vosso Pai Eterno, dai-me a graça de sofrer com paciência todas as minhas aflições sem nunca perder a confiança na vossa bondade. Meu Jesus, misericórdia.

Meu Jesus, pelas três horas de tormento e agonia de que foi precedida a vossa Morte na Cruz, concedei-me a graça de suportar com resignação, e pelo vosso amor, as penas da minha última agonia… Meu Jesus, misericórdia.

Meu Jesus, pela extrema dor que sentistes, quando a vossa Santa Alma se separou do vosso Corpo adorável, fazei que, no momento da minha morte, renda o espírito oferecendo os meus sofrimentos com um ato de amor perfeito, para ir logo no Céu Vos ver face a face e amar com todas as minhas forças durante toda a eternidade. E a Vós, ó Maria, minha Mãe, pela espada de dor que Vos transpassou o Coração, quando vistes o vosso Filho amadíssimo inclinar a Cabeça e expirar, peço me assistais na hora da minha morte, para que vá bendizer-Vos e dar as graças no Paraíso por todos os bens que me houverdes alcançado de Deus. Amém.


Oração para Antes da Meditação7


Meu Senhor Crucificado, iluminai a minha mente e compungi-me o coração enquanto entrego-me à meditação da vossa dolorosa Paixão. Concedei-me por intercessão de vossa Mãe Dolorosa, Maria Santíssima, o desejo e a força de imitar os vossos luminosos exemplos de virtudes. Amém.



QUINTA MEDITAÇÃO8


Jesus Crucificado


1.

Considera, como para crucificar ao nosso Redentor, Lhe tiraram os cruéis verdugos a túnica com tanta violência e força, que com ela Lhe tiraram a coroa de espinhos, a qual com impiíssima crueldade Lhe tornaram a pôr, abrindo-Lhe feridas sobre feridas. A todas estas penas se juntou a dor de estar nu na presença de Sua Mãe Santíssima, e das devotas mulheres, que O acompanhavam, e da multidão de gente, que ali estava. Para fazerem os buracos na Cruz, onde haviam de entrar os cravos, mandaram os verdugos com imperiosa soberba ao Senhor que se estendesse nela. Obedeceu sem resistência o Mestre da humildade. Porém, eles com desumana crueldade, fizeram os buracos, não iguais ao Sagrado Corpo, mas sim, mais largos para depois O crucificarem com mais crueldade.

2. Considera, como estando feitos os buracos na Cruz, mandaram os verdugos ao humilíssimo Jesus, que se estendesse sobre ela para cravá-lO. Obedeceu o Supremo Artífice da paciência, e se pôs na Cruz, estendendo os braços sobre o feliz madeiro à vontade dos ministros cruéis de Sua morte; e pegando-Lhe da mão um deles, outro a cravou com um cravo esquinado e grosso, penetrando com as marteladas a palma do Senhor, com o que se desconsertaram os ossos daquela mão sagrada, que fabricou os Céus e tudo quanto tem ser. Para cravar a outra mão, a prenderam com uma forte cadeia e tirando dela com inaudita crueldade, a fizeram chegar ao furo da Cruz, que por malícia tinham feito mais distante, em que a cravaram com outro cravo. Passaram aos pés; e posto um sobre o outro os prenderam com a mesma cadeia; e tirando dela com grande força e crueldade, os cravaram juntos com outro cravo. Ficou aquele Sagrado Corpo tão solto e desalinhado, que se podia contar os ossos, porque todos ficaram fora de seu lugar natural. Não cabe em língua, nem em discurso a ponderação das dores, que o Senhor padeceu neste tormento; e só no dia do Juízo se conhecerá mais, para justificar sua causa contra os réprobos e para que os Santos O louvem dignamente.

3. Considera, como tendo crucificado ao nosso Salvador Jesus, levantaram a Cruz diante de inumerável povo os cruéis ministros. Os Judeus blasfemavam, os Pontífices e Fariseus, movendo as cabeças com escárnio e zombaria, lançavam pedras e pó contra a Cruz do Senhor, e contra Sua Real Pessoa, dizendo-Lhe muitas injúrias, opróbrios e afrontas; e compassivos, simplesmente se lamentavam.

O Sagrado Corpo derramava muito sangue das feridas dos cravos, e com o peso e golpe da Cruz quando a levantaram em alto estremeceu todo o Sagrado Corpo e se abriram de novo as Chagas, ficando mais patentes as fontes, a que nos convidou por Isaías, para que fossemos a colher delas com alegria as águas, com que se podem apagar a sede e lavar as manchas de nossas culpas.

Ouve, ó alma, a Cristo crucificado, que te diz: Vê se eu podia fazer mais por ti, que chegar a dar a vida, para te salvar, nesta Cruz. Pois é possível, que quanto mais eu me empenho em usar contigo piedades, mais cuides tu em me ofenderes! Se eu te castigasse todas as vezes que pecasses, por ventura atrever-te-ias tu a pecar de novo? Pois então, porque eu tenho tanta paciência, por isto tu te hás de portar com tanta ingratidão? Dize-me, filho, não empregaste até agora a vida nos teus gostos? Pois que grande coisa farás tu agora em me servires a mim o restante da vida? Ó alma, olha para teu Deus, verás como Seu imenso amor Lhe fez inclinar a cabeça para se ver prender as mãos para não te castigar, os pés para não fugires. Deita-te àqueles pés, põe-te naquelas mãos, e roga-Lhe que não afaste de ti Seus olhos de misericórdia; e pois se inclina para ti, que és a mesma culpa, inclina-te para teu Deus, que é a mesma graça.


Oração para Depois da Meditação9


Eu Vos agradeço, ó meu Jesus Crucificado, os bons pensamentos e afetos que em mim haveis suscitado, durante a meditação da vossa Paixão. Rogo-Vos humildemente a graça de conservar sempre o fruto espiritual conseguido. Amém.



A Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo10


Meu doce Jesus,

Que extremos obrais;

Quem não Vos dirá:

Bendito sejais!


Meu doce Jesus,

Que no Horto entrais

Com vossos discípulos:

Bendito sejais!


A vossa oração

Vós a começais,

Prostrado por terra:

Bendito sejais!


Aos três Apóstolos

Vós mesmo chamais;

Pois todos dormiam:

Bendito sejais!


Eis Judas, traidor,

E todos os demais,

Que vêm a prender-Vos:

Bendito sejais!


O ósculo Vos dá,

Vós o abraçais,

Aí Vos entrega:

Bendito sejais!


Quem buscais, amigo?

Vós lhe perguntais,

Eu Sou, lhe dizeis:

Bendito sejais.


Toda a cruel tropa,

Meu Deus, derribais,

Dizendo quem sois:

Bendito sejais.


Fogem os Discípulos,

Vós não estranhais;

Pois já estava escrito:

Bendito sejais.


Atado e preso,

Opresso ficais,

Sois manso cordeiro:

Bendito sejais.


Por Jerusalém,

Deste modo entrais;

Ludíbrio de todos:

Bendito sejais.


Anás Vos pergunta,

E ali suportais

Uma bofetada:

Bendito sejais.


Uma bofetada!

Oh! Céus! Que esperais?

Uma bofetada!

Bendito sejais.


De Anás à Caifás

Levar-Vos deixais,

Por tantas afrontas:

Bendito sejais.


No rosto Vos cospem,

Não pode ser mais!

Os olhos Vos cobrem:

Bendito sejais.


Pedro assustado

De medos mortais,

De longe Vos segue:

Bendito sejais.


Nessa triste noite,

Vendo o que passais,

Três vezes Vos nega:

Bendito sejais.


Em casa de Herodes

Por louco passais,

Tornais a Pilatos:

Bendito sejais.


Atado à coluna,

Meu Deus suportais

Milhares de açoites:

Bendito sejais.


Ó Anjo do Céu,

Porque O não vingais?

Amor de meu Deus:

Bendito sejais.


Vós, supremo Rei,

Que tudo imperais

Coroado de espinhos:

Bendito sejais.


Com púrpura irrisória,

Por cetro empunhais

Uma frágil cana:

Bendito sejais.


Vendo enfim Pilatos,

Que inocente estais,

Ao povo Vos mostra:

Bendito sejais.


Clamam os judeus,

Dragões infernais,

Que sois, réu de morte:

Bendito sejais.


O injusto juiz,

Qual houve jamais,

Vos condena à morte:

Bendito sejais.


Por praças e ruas

Então caminhais

Com a Cruz às costas:

Bendito sejais.


Mas, ah! Meu Jesus,

Que não podeis mais;

Por terra caís:

Bendito sejais.


Por terra, ó meu Deus,

Ó culpas mortais!

Meu Deus de minha alma:

Bendito sejais.


Ó boca divina,

Que a terra tocais;

Dizei, pedras duras:

Bendito sejais.


Que dor! Que ternura!

Quando encontrais

Vossa aflita Mãe:

Bendito sejais.


Simão Vos ajuda,

Senão expirais

Debaixo da Cruz:

Bendito sejais.


A santa mulher,

Sem medo dos mais,

O rosto Vos limpa:

Bendito sejais.


Às pias mulheres

Vós recomendais,

Que sobre si chorem:

Bendito sejais.


No monte Calvário

Assim que chegais,

Vos despem de todo:

Bendito sejais.


Estando na Cruz

Com dores mortais,

Três cravos Vos pregam:

Bendito sejais.


Sacrílegas mãos…

Que O crucificais,

Não fostes tolhidas?

Bendito sejais.


Ó raios das nuvens

Que não disparais?

Meu Deus, não quereis:

Bendito sejais.


No Santo Lenho

Pendente ficais,

Entre dois ladrões:

Bendito sejais.


Em tal desamparo

Ao Pai clamais.

Ninguém Vos acode:

Bendito sejais.


A Mãe ao Discípulo

Vós encomendais,

E o Discípulo à Mãe:

Bendito sejais.


Na última hora

Então Vos lembrais,

Da sede que tendes:

Bendito sejais.


O fel e o vinagre,

Senhor, tolerais

Na maior amargura:

Bendito sejais.


Baixando a cabeça,

Meu Deus, expirais!

Tudo é consumado:

Bendito sejais.


Mas não se acabaram

Os ódios mortais;

O peito Vos rasgam:

Bendito sejais.


Ainda Sangue e Água

Do peito lançais,

Para nosso remédio:

Bendito sejais.


Este é o preço,

Porque resgatais,

Os filhos de Adão:

Bendito sejais.


O sol se escurece,

Ó quantos sinais

Clamam que sois Deus:

Bendito sejais.


As pedras se quebram,

Mostram sentir mais,

Abrem-se os sepulcros:

Bendito sejais.


José e Nicodemos,

Os dois principais

Vos descem da Cruz:

Bendito sejais.


Nos braços da Mãe

Do modo que estais,

Assim Vos puseram:

Bendito sejais.


Ó Mãe transpassada

Que o Filho abraçais!

Ó Filho chagado:

Bendito sejais.


Que triste espetáculo!…

Mas Vós a alentais

Com forças do Céu:

Bendito sejais.


Notai e atendei,

Ó vós que passais,

Se há dor como a sua:

Bendito sejais.


Mas já se Vos forma

Qual se viu jamais,

O enterro solene:

Bendito sejais.


Que tem já que ver

As pompas reais?

Vós sois Rei dos reis:

Bendito sejais.


Lágrimas são honras,

Suspiros sinais;

Porém, Vós sois tudo:

Bendito sejais.


No virgem sepulcro

Ungido ficais,

Coberto da campa:

Bendito sejais.


Ó vós, Querubins

Dizei-lhe também;

Do Céu que O louvais:

Bendito sejais.



Ladainha da Paixão11


Senhor, tende compaixão de nós.

Jesus Cristo, tende compaixão de nós.

Senhor, tende compaixão de nós.


Jesus Cristo, ouvi-nos.

Jesus Cristo, atendei-nos.


Deus Pai dos Céus, tende compaixão de nós.

Deus Filho, Redentor do mundo, tende compaixão de nós.

Deus Espírito Santo, tende compaixão de nós.

Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende compaixão de nós.


Jesus, Rei da Glória, que fizestes a vossa entrada em Jerusalém para consumar a obra da nossa Redenção, tende compaixão de nós.

Jesus, prostrado no jardim das oliveiras, diante de vosso Pai, e carregado com os crimes do mundo inteiro, tende compaixão de nós.

Jesus, acabrunhado de tristeza, reduzido à agonia e abismado num mar de dores, tende compaixão de nós.

Jesus, que de todas as partes do vosso Corpo suastes sangue em abundância, tende compaixão de nós.

Jesus, traído por um Apóstolo pérfido e vendido a vil preço como um escravo, tende compaixão de nós.

Jesus, que abraçastes com amor o traidor Judas, tende compaixão de nós.

Jesus, arrastado por uma corda no pescoço pelas ruas de Jerusalém e coberto de maldições, tende compaixão de nós.

Jesus, injustamente acusado e condenado, tende compaixão de nós.

Jesus, saciado de opróbrios, coberto de escarros e contundido de bofetadas, tende compaixão de nós.

Jesus, vestido com um manto de ignomínias e tratado como insensato na corte de Herodes, tende compaixão de nós.

Jesus, flagelado, rasgado por golpes e alagado no vosso Sangue, tende compaixão de nós.

Jesus, coroado de agudos espinhos, tende compaixão de nós.

Jesus, tratado como um rei de comédia, tende compaixão de nós.

Jesus, que fostes comparado com Barrabás e proposto a ele, tende compaixão de nós.

Jesus, entregue por Pilatos à raiva dos vossos inimigos, tende compaixão de nós.

Jesus, esgotado de sofrimentos e sucumbido sob o peso da vossa Cruz, tende compaixão de nós.

Jesus, pregado na Cruz entre dois malfeitores, tende compaixão de nós.

Jesus, homem das dores, tende compaixão de nós.

Jesus, obediente até a morte, e morte horrorosa da Cruz, tende compaixão de nós.

Jesus, cheio de doçura para aqueles que Vos davam a beber fel e vinagre, tende compaixão de nós.

Jesus, que pedistes perdão pelos vossos algozes, tomando a defesa deles ante o vosso Pai, tende compaixão de nós.

Jesus, que pela nossa Redenção sacrificastes honra e vida, tende compaixão de nós.

Jesus, que expirastes na Cruz por amor de nós, tende compaixão de nós.


Sede-nos propício, perdoai-nos, Senhor.

Sede-nos propício, escutai-nos, Senhor.


De todo o mal, livrai-nos, Senhor.

De todo o pecado, livrai-nos, Senhor.

Da morte em mau estado, livrai-nos, Senhor.

Da condenação eterna, livrai-nos, Senhor.

Pela vossa agonia e suor de sangue, livrai-nos, Senhor.

Pela vossa cruel flagelação, livrai-nos, Senhor.

Pela vossa coroa de espinhos, livrai-nos, Senhor.

Pela vossa Cruz e sofrimentos, livrai-nos, Senhor.

Pela vossa sede e suspiros, livrai-nos, Senhor.

Pelas vossas cinco Chagas, livrai-nos, Senhor.

Pela vossa morte, livrai-nos, Senhor.

Pela vossa Ressurreição, livrai-nos, Senhor.

No dia do Juízo, livrai-nos, Senhor.


Ainda que muito pecadores, nós Vos pedimos, atendei-nos.

Que pela vossa Paixão aprendamos a conhecer a enormidade do pecado por cuja causa sofrestes, nós Vos pedimos, atendei-nos.

Que pela lembrança das vossas dores e sofrimentos, possamos suportar com paciência todas as penas, adversidades e doenças, nós Vos pedimos, atendei-nos.

Que em todas as nossas aflições, tristezas e tribulações, nos voltemos para Vós para obtermos paciência, nós Vos pedimos, atendei-nos.

Que recebamos da vossa mão sem murmurar as humilhações, desprezos, ultrajes, perseguições, nós Vos pedimos, atendei-nos.

Que suportemos a vosso exemplo as falsas acusações e juízos injustos, nós Vos pedimos, atendei-nos.

Que Vos digneis de nos tornar participantes dos frutos da vossa Cruz, nós Vos pedimos, atendei-nos.

Que, pela virtude da vossa Cruz, triunfemos do Demônio, do mundo e da carne, nós Vos pedimos, atendei-nos.

Que possamos ser purificados de todo o pecado no vosso Sangue, nós Vos pedimos, atendei-nos.

Que possamos todos os dias levar a nossa cruz e seguir-Vos, nós Vos pedimos, atendei-nos.

Que pensemos muitas vezes com amor e reconhecimento na vossa Paixão, nós Vos pedimos, atendei-nos.

Que, lembrando-nos de que morrestes pelo nosso amor, Vos amemos de todo o nosso coração, e só para Vós vivamos, nós Vos pedimos, atendei-nos.

Que, na hora da nossa morte, Vos digneis de nos fortalecer pela vossa Cruz e Morte, nós Vos pedimos, atendei-nos.

Que, pela vossa Cruz, Vos digneis conduzir-nos a glória eterna, nós Vos pedimos, atendei-nos.


Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Jesus.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, ouvi-nos, Jesus.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós, Jesus.


Oremos: Senhor Jesus, que, descido do Céu e do seio de vosso Pai, derramastes o vosso precioso Sangue para remissão dos nossos pecados, humildemente Vos pedimos, que sejamos no dia do juízo colocados a vossa direita e mereçamos ouvir da vossa boca estas palavras: Vinde, benditos de meu Pai. Amém.


_______________________

1.  Concede-se indulgência parcial ao fiel que faça devotamente o Sinal da Cruz, proferindo as palavras costumeiras: Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém. (Manual das Indulgências, ob. cit., n. 55).

2.  “Vademecum” – Orações Cotidianas para Uso Comum das Educandas das Missionárias “Servas do Espírito Santo” e Membros da “Obra Auxiliar do Espírito Santo”, Editada pela Direção Geral da mesma Congregação; Primeira Parte, Cap. “Orações Cotidianas”, p. 18. Tipografia do “Lar Católico”, Juiz de Fora/MG, 1958.

3.  Indulgência Parcial. (Manual das Indulgências, ob. cit., Cap. “Concessões”, n. 62).

4.  Indulgência parcial. (Manual das Indulgências, ob. cit., “Apêndice”, p. 78).

5.  *Extraído da Obra intitulada “A Sagrada Família”, por um Padre Redentorista, Sexto Exercício, pp. 509-511. Tradução do Espanhol pelo Cônego Manuel Moreira Aranha Furtado de Mendonça, Estabelecimentos Benzinger & Co. S.A., Tipógrafos da Santa Sé Apostólica, Einsiedeln/Suíça, 1898. **Concede-se indulgência parcial ao fiel que recitar atos de virtudes teologais e de contrição, nestas ou em outras fórmulas válidas. Cada ato recebe a indulgência (Manual das Indulgências, ob. cit., n. 2).

6.  “As Mais Belas Orações de Santo Afonso de Ligório”, pelo Pe. Saint-Omer, C.Ss.R., Parte IV, Art. 2, § 3, Cap. “Devoção à Paixão”, pp. 497--500. Imprimé par les Etablissements Casterman, S.A., Tournai/Bélgica, 1921.

7.  Pe. Luiz de S. Carlos, C. P., “A Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo – Narrada ao Povo Conforme os Santos Evangelhos e a Tradição”, p. 23. Traduzido da Nona Edição Italiana pelo Pe. Gabriel, Passionista, Tipografia “O Calvário”, São Paulo, 1952.

8.  “Manual das Missões e Devocionário Popular”, por um Presbítero da Congregação da Missão, Cap. Orações e Meditações, pp. 202-204. Editores Católicos Benziger & C., Einsiedeln, Suíça, 1908.

9.  Pe. Luiz de S. Carlos, C. P., ob. cit. p. 23.

10.  “Goffiné – Manual do Cristão”, pp. 456-458. Traduzido da 14ª Edição Francesa, por um Padre da Congregação da Missão, Rio de Janeiro, 1940.

11.  “As Mais Belas Orações de Santo Afonso de Ligório”, pelo Pe. Saint-Omer, C.Ss.R., Parte IV, Art. 2, § 3, pp. 514-516. Imprimé par les Etablissements Casterman, S.A., Tournai/Bélgica, 1921.


Nenhum comentário:

Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...