Blog Católico, para os Católicos

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Bispo expulso de Cuba por Fidel Castro na revolução comunista está a caminho dos altares.

eduardo_boza_masvidal.jpg

Expulso de Cuba pela revolução comunista em 1961, Dom Eduardo Boza Masvidal, na época Bispo Auxiliar de La Habana, está a caminho dos altares.

O prelado fez parte do grupo de 131 sacerdotes e religiosos que em 17 de setembro de 1961 foram expulsos de Cuba em uma embarcação que os levou até a Espanha. O plano fazia parte da política comunista que visava acabar com a Igreja Católica na ilha.

Posteriormente viajou para a Venezuela, onde trabalhou por mais de quatro décadas, especialmente como Vigário Geral de Los Teques. Fundou movimentos para ajudar e manter unidos aos cubanos da diáspora, aos que visitou em diversos países da América e Europa. Faleceu na diocese de Los Teques (Venezuela) em 16 de março de 2003 aos 87 anos.

“A fama de santidade deste servo de Deus está viva entre os fiéis da Diocese de Los Teques (Venezuela) e em outras partes do mundo, especialmente entre seus conterrâneos, os cubanos da diáspora, para os quais foi um verdadeiro padre e pastor, consolo e alento na amargura do exílio”, expressa a proclamação da causa aberta este ano na Diocese de Los Teques .

Um dos que acompanhou a Dom Boza em sua viagem à Espanha foi o então Padre Agustín Román, posteriormente nomeado Bispo Auxiliar de Miami (Estados Unidos).

Em 15 de maio de 2010, Dom Agustín Román recordou o caso em um artigo publicado pelo “Diario Las Américas” por ocasião dos cinquenta anos da ordenação episcopal de Dom Boza Masvidal.

“Nessa época a perseguição contra a Igreja foi dura da parte do governo. Tínhamos 700 sacerdotes para atender a seis milhões de fiéis. Desde os anos 60 as expulsões de sacerdotes começaram com a desculpa de que eram estrangeiros. O plano era limitar o clero à 200 sacerdotes com os quais, segundo eles pensavam, se debilitaria a Igreja até extinguir-se”.

Segundo o prelado, os sacerdotes eram pegos durante as noites sem passaporte e nem nenhum objeto, apenas com a roupa do corpo.

Quando a embarcação espanhola zarpou, “retiramos a cobertura que nos impedia de ver ao panorama e dali conseguimos olhar Cuba no horizonte que aos poucos ia desaparecendo, assim como a nossa esperança de um regresso rápido”.

Em meio dos incômodos, “o Bispo a cada dia rezava a Missa, e ao comentar as leituras descobríamos a visão de Fé do ‘homem de Deus’ que com sua palavra nos fortalecia (…). Ali conheci melhor ao Bispo cubano” que nos convidava a “servir em qualquer lugar em que nos recebessem, sem esquecermos de Cuba”.

Em 27 de setembro, a Covadonga chegou a Espanha. “Ao sair do barco a imprensa esperava Dom Boza. Um jornalista, assombrado ao ver entre tantos passageiros os 131 sacerdotes expulsos, disse ao Bispo: ‘Parece que Deus se esqueceu da Igreja em Cuba’ e o Bispo respondeu: ‘Não, parece que Deus quer que a Igreja em Cuba seja missionária’”.

“Depois de tantos anos, ao recordar desta frase, creio que no coração do Bispo havia uma resposta ao mandato do Senhor: ‘Ide e fazei que todos os povos sejam meus discípulos’”, concluiu Dom Román. (EPC)

Com informações da ACI.


 

Nenhum comentário:

Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...