Blog Católico, para os Católicos

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

sábado, 23 de novembro de 2013

Beato João Paulo II: O Homem das Dores e dos Milagres.


Depois do atentado de 1981, soube que lhe foi fornecido sangue infectado por um vírus não descoberto. O Papa teve que lutar durante meses contra o vírus. Eu tentava me lembrar se o Papa parecia sofrer, especialmente nas últimas semanas e nos últimos dias, mas eu sabia que era um esforço sem esperança. Karol Wojtyla nunca deixava transparecer o sofrimento. Eu me lembro de uma recepção na Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO). O Papa proferiu um discurso, depois desceu as escadas e caiu no chão. Parecia mal, seu Secretário, D. Stanislaw Dziwisz queria levá-lo imediatamente ao hospital, mas o Papa se recusou. Ele insistiu em cumprimentar pessoalmente todos os aproximadamente duzentos Delegados da FAO, apertar a mão de cada um. Somente depois deixou que o levassem ao hospital. E se revelou que ele dera a mão aos Delegados com um braço quebrado. O Papa João Paulo II não era homem inclinado a reclamar.

“Esse Karol Wojtyla sofredor se tornou uma potência. Desde a operação no intestino, em 1992, dizem que sempre tem febre, e desde a operação nos quadris, em abril de 1994, parece que nunca mais ficou sem dores, ele não consegue sentar, nem andar, nem ficar em pé sem sentir dores”.

“Eu sei”, disse eu, “ninguém pode dizer, mas todos sabem que a operação nos quadris foi um erro, alguém cometeu um engano aí”.

“Mas exatamente esse Papa sofredor e lutador”, completou meu interlocutor; “se tornou uma incrível potência. Pense! Hoje as coisas acontecem como antigamente seria inconcebível. Mesmo a Ortodoxia, que nos odeia há quase mil anos, de repente quer se reconciliar com Roma, os Chefes de Estado aparecem no Vaticano, novamente temos a juventude ao nosso lado. Pela primeira vez desde séculos somos alguém no cenário político mundial, e isso graças a um homem e seu sofrimento, porque ele é tão infinitamente convincente, um lutador que mostra algo único: que a Religião pode fazer bem, que Papas podem fazer mais do que se deixar carregar numa cadeira na Basílica de São Pedro, que podem criar paz sem possuir um exército. Os soviéticos passaram por isso”...

… A mídia, naturalmente eu também tinha rido dele. Tinha rido de sua tentativa de alcançar os jovens. Parecia uma piada sem graça que um homem velho quisesse ser aceito em todo o mundo por milhões de jovens, e com algo tão antigo como a mensagem da Igreja Católica. Nem mesmo a  indústria do entretenimento consegue alimentar os jovens do mundo com modas constantemente novas. A moda muda a cada semana, os brinquedos eletrônicos já parecem antigos quando chegam ao mercado, e esse homem da Polônia queria vender a mensagem com dois mil anos de idade de um filho de marceneiro de Nazaré? E quando conseguiu, o mundo não compreendeu que vários milhões de jovens não só iam à Love Parade, mas também peregrinavam para o Papa. Cada um que esteve presente naqueles anos sabe por que Karol Wojtyla conseguiu conquistar os jovens, entusiasmá-los. Ele levava a sério o que dizia. Ele não fazia tudo aquilo para ganhar dinheiro ou ser reeleito; ele não queria ensinar as pessoas. Ele acreditava no que dizia e estava pronto a dar tudo por isso. E ele também sabia que muitos no Vaticano lhe davam as costas exatamente quando era necessário.

Nunca tinha visto isso de maneira tão drástica como no dia 8 de novembro de 1999. A delegação do Vaticano chegou da Índia e todos tinham se intoxicado com a comida na nunciatura em Nova Délhi. Os Cardeais sofriam de dores de barriga, arrepios, febre alta e depois do pouso em Tiflis, na Geórgia, todos fugiram o mais rápido possível para o hotel ou para a nunciatura, para quartos e camas confortáveis. Eles deixaram Karol Wojtyla voar sozinho para a antiquíssima catedral em Mtskheta para um encontro com os Bispos da Geórgia, o Papa que estava igualmente doente, que tremia tanto que não conseguia segurar uma vela. Na época eu temia que ele perdesse a consciência.

Às vezes eu me envergonho por todos esses anos, me envergonho de tê-lo olhado durante duas décadas, de não tê-lo perdido de vista, mesmo quando ele simplesmente não podia mais. Ele não só o suportou como ele assim o quis. Essa era sua mensagem. Teria sido tão fácil para ele dizer simplesmente: agora chega! Eu não posso mais. Eu fico no Vaticano e não quero mais essas centenas de câmeras, mas ele não o fez. Ele queria até o fim ser um pescador de homens, como Pedro. E para mim é muito difícil acreditar que Deus não existe quando me lembro como o vento folheou a Bíblia sobre seu caixão.

Como ele disse no dia 29 de maio de 1994: “Quando estou diante dos poderosos do mundo...” e já essa parte da frase era incrível. Todos os poderosos do mundo, Mikhail Gorbachev, Ronald Reagan e Helmut Kohl e muitos outros já tinham reconhecido que ele era um dos homens mais influentes do mundo. Mas ele mesmo não via a coisa assim, ele não se contava entre os homens poderosos do mundo, ele se via diante dos poderosos como um mendigo. Então, na época, ele disse: “Quando estou diante dos poderosos do mundo, então o que posso dizer a não ser falar sobre o sofrimento? Eu quero lhes dizer: compreendam por que o Papa precisa ir novamente ao hospital, porque ele precisa sofrer, compreendam, pensem sobre isso”. A debilidade do homem Karol Wojtyla tornou-se uma parte importante de sua mensagem, ele parecia ser um montezinho de miséria, mas acompanhado por um Deus todo poderoso. “O Papa escreveu quatorze Encíclicas, e uma, a mais importante e última, ele não escreveu, viveu-a. Seu sofrimento se tornou parte de sua mensagem”. Assim descreveu o então porta-voz do Papa Joaquín Navarro-Valls depois da morte de Karol Wojtyla.

E agora, aparentemente, esse Papa estava novamente doente, tão doente que examinavam em segredo seu sangue. Será que Deus deixava esse homem sofrer para mostrar que o homem era seu instrumento e falava em Seu Nome? Era nisso que o Papa acreditava...

“Quem esquecerá sua última aparição na janela de seus aposentos? Esforça-se para falar, mas não lhe sai a voz. Com um último esforço, então, lança o Sinal da Cruz sobre a multidão reunida na praça e abençoa a todos. Retira-se, mais curvado ainda, como que pedindo desculpas por não poder falar aos seus amados filhos. Mas não se entrega. Precisa deixar sua última mensagem. É seu secretário particular por quase 40 anos que nos conta:

            - Ao deixar a janela, escreve em um papel pela última vez: Totus Tuus.[1][2]

Totus Tuus


Fonte: Andreas Englisch, “O Papa dos Milagres – João Paulo II”, Cap. “O Poder do Papa Sofredor”, pp. 74-82; Universo dos Livros Editora Ltda, São Paulo, 2011.




[1]   Totus Tuus = “Todo Teu”. Esse último Totus Tuus foi escrito a Maria, a Jesus e a todos nós. Expressando que o Papa tinha dado tudo o que poderia ser dado.
[2]   Extraído do Prefácio, p. 11.

Nenhum comentário:

Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...