Blog Católico, para os Católicos

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

domingo, 31 de dezembro de 2017

Exercícios de Ação de Graças para o Último Dia do Ano


Reflexão[1]

Mais um ano a cair no oceano da eternidade. Estará essa gota de tempo pura de todo pecado meu? Que coisa fiz por Deus, por minha alma? Serei porventura melhor no fim deste ano do que era quando principiou? Qual seria hoje a conta dos meus méritos em vista das graças que recebi?

Mui bem lembrados andam alguns que, nos extremos do ano, se confessam e recebem a Sagrada Comunhão, como se fosse em viático. Depois de suficiente exame de consciência, rezam as orações da Agonia, preparam-se para morrer, ajustam as contas da alma, como acertam as suas os negociantes na mesma época.

Até quando, ó Deus meu! Serão mais prudentes os filhos do século do que os filhos da luz?! 

Oração para o Fim do Ano[2]

V. Ao findar este ano, ó Deus Trino e Uno, venho prestar-Vos contas sobre esse período de vida que em Vossa graça e misericórdia me concedestes. Lançando um olhar retrospectivo sobre o ano findo, meu primeiro sentimento é de uma gratidão sincera para conVosco, meu divino Benfeitor.

R. De todo o coração vos agradeço por me terdes dado a vida e preservado da morte imprevista e má. Graças vos rendo por todos os benefícios corporais e espirituais que me concedestes, por vossa proteção e assistência, pelas alegrias, consolações e sofrimentos, sobretudo pela recepção dos Santos Sacramentos e por todas as graças de que me cumulastes.

V. Também vos suplico perdão de minhas numerosas infidelidades e pecados que cometi no ano findo e em toda a minha vida. Fostes sempre tão bondoso para comigo e eu tão infiel, contristando-Vos tantas e tantas vezes.

R. Pesa-me de todo o coração por ter sido tão ingrato para conVosco, ó meu Celeste Benfeitor! Arrependo-me ainda de ter aproveitado mal o tempo precioso que me destes para trabalhar por vossa glória e pela salvação de minha alma. Tende piedade de mim e reparai os prejuízos que causei a vossa glória, à minha alma e à de meu próximo.

V. O fim do ano lembra-me quão breve é a vida terrena, para cujo termo caminho rapidamente. Meu Deus, dentro em pouco, minha peregrinação terminará. Então há de chegar o momento em que deverei prestar contas diante de vosso Tribunal, a hora em que se decidirá minha sorte eterna.

R. Deus Onipotente e Eterno, só Vós sois imutável e imortal, meu único repouso, minha verdadeira finalidade, minha consumação bendita. Multiplicai em mim os efeitos de vosso auxílio, para que aproveite melhor o tempo que ainda me resta para viver, para vossa glória e minha salvação. Fazei com que todo o meu ser se dirija somente para Vós.

V. Ó Maria, minha querida Mãe, meu Santo Anjo da Guarda, São José e todos os meus Santos Padroeiros, graças vos dou, por me haverdes protegido e intercedido por mim no decorrer do ano que ora termina.

R. Acompanhai-me através de novo ano e auxiliai-me, a fim de que ele seja realmente um ano de graças e de salvação. Amém.

Glória ao Pai...

No Dia de Ano Bom


Reflexão[3]

Neste dia 1º de Janeiro, começa o ano civil, como o Eclesiástico na 1ª Dominga do Advento. agradeçamos a Deus o ter-nos concedido iniciar mais este ano que é de graça e de misericórdia, como todos os da presente vida nossa; ponderemos que talvez não lhe vejamos o fim, e firmemos a resolução de reparar o passado e preparar o futuro, fazendo todo bem que está em nossas mãos, fugindo do pecado e das ocasiões de pecado, conforme a experiência adquirida, talvez bem cara, nos anos passados.

São louváveis os cumprimentos e votos que se costumam oferecer mutuamente os Cristãos neste dia, com tal, porém, que sejam cordiais e sinceros sinais de afeto e caridade, sem o que não passariam de cerimônia pagã, sem préstimo algum.

Oração para o Início do Ano[4]

V. Deus Trino e Uno, sois meu Criador, Redentor e Santificador. Adoro-Vos humildemente e confesso que sois meu Senhor Supremo. Consagro-Vos este novo ano: sou todo vosso; para Vós vivo, só vosso quero ser para sempre.

R. Ó Santíssima Trindade, graças vos rendo por todos os vossos benefícios e em particular pela graça de poder iniciar este novo ano. Acrescentai ainda a este favor o de saber aproveitar-me bem desta dádiva.

V. Ó Jesus, que no dia de hoje derramastes as primeiras gotas de vosso Sangue, proponho-me viver muito fielmente durante este novo ano. Espero que seja verdadeiramente um ano bom e assim vos possa preparar muitas alegrias.

R. Ofereço-Vos tudo o que este novo ano consiga trazer; ponho em vosso Coração adorável todos os meus trabalhos, orações, fadigas, penas e alegrias. Abençoai cada uma de suas horas e cada um de seus dias, preservai-me do pecado e aumentai em mim o amor e o zelo por vossa glória.

V. Dai-me todas as graças corporais e espirituais que me forem necessárias, a fim de que possa aproveitar conscienciosamente este ano.

R. Abençoai meu corpo, conservai-me puro e casto em vosso santo serviço. Abençoai minha alma com todas as suas potências; iluminai meu entendimento, dirigi minha vontade e dai-me zelo e fidelidade na prática do bem.

V. Rogo-Vos também por toda a humanidade: por meus parentes, por todos os membros da Congregação, tanto os que se acham aqui como os que trabalham nas Missões, por todos os nossos benfeitores, amigos e inimigos, pelos gentios e pelas Almas do Purgatório. Que este ano seja rico em bênçãos para todos!

R. Finalmente, me coloco e a todos os que vos recomendei sob o patrocínio da Santíssima Virgem Maria, Mãe de Deus, de São José, nossos Santos Padroeiros e de todos os Anjos e Santos do Céu. Amém.

Glória ao Pai…


Te Deum Laudamus

A Vós, ó Deus, louvamos; a Vós por Senhor confessamos.
A Vós, ó eterno Pai, adora toda a terra.
A Vós todos os Anjos; a vós os Céus e todas as potestades.
A Vós os Querubins e Serafins proclamam com incessantes vozes:
Santo, Santo, Santo é o Senhor, Deus dos Exércitos.
Cheios estão os Céus e a terra da Majestade de vossa glória.
A Vós o glorioso coro dos Apóstolos.
A Vós o louvável número dos profetas.
A Vós confessa a Santa Igreja por toda a redondeza da terra.
Pai de imensa Majestade.
Ao vosso adorável, verdadeiro e único Filho.
E também ao Espírito Santo Consolador.
Vós. ó Cristo, Rei da glória.
Vós sois eterno Filho do Pai.
Vós, para remirdes o homem, havendo de tomar sua carne, não duvidastes entrar no Ventre de uma Virgem.
Vós, triunfando da espada da morte, abristes aos fiéis o reino dos Céus.
Vós estais sentado à Mão direita de Deus, na glória do Pai.
Cremos que haveis de vir como Juiz.

Por isso, Vos rogamos, socorrais a vossos servos, remidos com o Vosso precioso Sangue. (diz-se de joelhos)

Fazei com que sejamos do número dos vossos Santos na glória eterna.
Salvai, Senhor, o vosso povo e abençoai a vossa herança.
E governai-os e exaltai-os eternamente.
Todos os dias vos bendizemos.
E louvamos vosso Nome sem fim, pelos séculos dos séculos.
Dignai-vos, Senhor, preservar-nos de todo o pecado neste dia.
Tende misericórdia de nós, Senhor, compadecei-vos de nós.
Venha, Senhor, a vossa misericórdia sobre nós, segundo temos esperado em Vós.
Em Vós, Senhor, esperei, não seja eu confundido eternamente.

V. Salvai o vosso servo.
R. Que espera em Vós, meu Deus.
V. Ouvi, Senhor, a minha oração.
R. E chegue a Vós o meu clamor.
V. O Senhor seja convosco.
R. E com o vosso espírito.

Oremos: Ó Deus, cuja misericórdia não tem limites e cujo tesouro de bondade é infinito, nós redemos graças a vossa piíssima Majestade pelos benefícios que nos haveis concedido, suplicando sempre a vossa clemência, para que, aos que concedeis o que pediram, não desampareis jamais, e os disponhais para receberem os prêmios eternos. Por Cristo nosso Senhor. R. Amém.


[1]     Goffiné – Manual do Cristão, traduzido da 14ª Edição francesa, por um Padre da Congregação da Missão, pp. 275-276. Colégio da Imaculada Conceição (Botafogo), Rio de Janeiro, 1940.
[2]     “Vademecum”, 3ª Parte, Cap. “Tempo do Natal”, pp. 290-292; Editado pela Direção Geral das Missionárias “Servas do Espírito Santo”, Tipografia do “Lar Católico”, Juiz de Fora-MG, 1958.
[3]     Goffiné… ob. cit., pp. 272-273.
[4]     “Vademecum”… ob. cit., pp. 292-293.

Nenhum comentário:

Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...