Blog Católico, para os Católicos

BLOG CATÓLICO, PARA OS CATÓLICOS.

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

terça-feira, 15 de outubro de 2019

Antigas Heresias, que Lembram as Novas.


O Montanismo
(Heresia do séc. II-III)

Uma doutrina de todo ponto contrária ao gnosticismo e tão exagerada como ele, formulou-se no Montanismo. Assim como o gnosticismo tinha substituído aos fatos históricos e às ideias reveladas do Evangelho as extravagâncias do pensamento e as fantasias da imaginação, assim também o Montanismo pretendeu que a objetividade do Cristianismo devia absorver completamente o indivíduo com o seu pensamento e vontade. Só a inspiração pode dar ao homem uma certeza pessoal e verdadeira. Daí o caráter exterior da seita, que ameaçava transformar o Cristianismo num monaquismo exagerado, do mesmo modo como o gnosticismo o convertera em uma teologia mística.


Montano, seu fundador, nascido em Pepusa, na Frígia (pelo ano de 170 d.c.), provavelmente, antigo sacerdote de Cibele, logo que foi recebido no seio do Cristianismo, apresentou-se como inspirado pelo Espírito Santo, como o órgão mais poderoso do Paráclito, que até então aparecera, ameaçando com os castigos mais severos e mais próximos aqueles, que se insurgissem contra ele e o perseguissem. A inspiração, de que Montano se dizia dotado, era só momentânea; eram uns como arrebatamentos passageiros, que lhe roubavam toda a reflexão e consciência de si mesmo. “Eis o Deus, eis o Espírito Santo, que fala”, exclamava Montano nos seus êxtases proféticos (necesse est excidat sensu). Mas o viver do pretendido profeta estava bem longe de se assemelhar à vida pura e celeste dos que, nos tempos Apostólicos, recebiam os dons da visão e da profecia. Suas revelações tinham principalmente por objeto preceitos morais muito rigorosos, cuja realização levaria a Igreja à sua idade madura e viril. Era preciso renunciar a toda a atividade científica, evitar todos os gozos terrestres e procurar o martírio. A impureza, o assassínio, as segundas núpcias excluíam para sempre da Igreja. O espírito de profecia devia ser permanente na verdadeira Igreja do Novo Testamento, assim como o tinha sido na do Antigo; e os discípulos de Montano eram os seus depositários e seus órgãos. Dos Apóstolos, esse dom passara para Ágabo, Judas, Silas, para as filhas do Apóstolo Filipe em Hierápolis, para Ananias de Filadélfia, para Quadrato, para Montano e para as duas santas mulheres Priscila e Maximila. Pretendendo conservar a Doutrina da Igreja Católica (Tertull., de Virginib. Veland., c. 2), Montano dizia: “A moral carece de se aperfeiçoar; deve tornar-se mais rigorosa; o próprio Deus mostrou bem claramente esta gradação, passando do Velho para o Novo Testamento, através das instituições e dos meios de salvação progressivos de um e outro”. Os Bispos católicos reunidos em diversos Sínodos opuseram-se a este espírito de ilusão e de mentira, a este rigorismo moral. Declararam Montano e as duas mulheres “falsos profetas, possessos” e quiseram submetê-los aos exorcismos eclesiásticos. Então, Montano e seus aderentes separaram-se da Igreja Católica, e os Montanistas, Perpusianos ou Catafrígios, constituíram uma igreja própria na Ásia e na Frígia, sua sede principal, espalharam-se pelo Ocidente. O altero Tertuliano foi seduzido na África (por volta de 205) pela severidade destes Princípios morais, até o ponto de expor com maior clareza o que Montano entrevia em sua fantástica imaginação, e tornar conhecido o erro dogmático do Montanismo, que negava a cooperação do Espírito Santo na Obra de Jesus Cristo (cfr. Dieringer, Sist. dos fatos divinos, T. II, p. 206; Tillemont, T. III, pp. 211-220). “Cristo, dizia ele, prometendo aos Apóstolos a descida do Espírito Santo, não queria por certo significar por esse modo que a revelação não estava completa n’Ele e por Ele, porque diz positivamente: ‘Ela receberá do que é Meu e vo-lo anunciará (Jo. 16, 13-14; cfr. XIV, 26; XV, 21); Ele vos dará testemunho de Mim e vos fará lembrar tudo o que Eu vos tenho dito’; isto é, que o Espírito Santo devia explicar, desenvolver e acomodar ao mundo o que Jesus Cristo já tinha ensinado”. Mas Tertuliano, interpretando mal as palavras do Salvador: “Ainda tenho muitas coisas que dizer-vos, porém, não as podeis compreender agora” Jo. 16, 12), pretendia que era passando o tempo em que Jesus Cristo tomava em consideração a fraqueza dos homens; que o Espírito Santo tinha descido sobre Montano e as duas profetisas; que tinha completado a revelação interior para elevar a vida humana à sua perfeição, e que por consequência aos fiéis corria o imperioso dever de observarem os novos mandamentos do Espírito Santo.


Os católicos mostraram-se pouco dispostos a abraçar este erro, já condenado por muitos Sínodos reunidos na Ásia Menor desde os tempos Apostólicos. Os Montanistas deram-lhes o nome de ‘carnais’, ao passo que a si próprios se chamavam ‘espirituais’. Apelaram para Roma, confiados nas recomendações dos Confessores de Lião e de Viena. O Papa (Eleutério ou Vítor?), sendo iludido, já se mostrava favorável a esta doutrina, quando o Confessor Praxeas, vindo apressadamente a Roma, lhe descobriu todos os erros, e o obrigou a rejeitá-los. A sua polêmica tornou-se então ilimitada e febril, e chegaram ao extremo de repelir a Autoridade Doutrinal da Igreja Católica (Tertull., de Pudicitia, c. 21, p. 744).

O gnóstico egípcio Hieracas (Epiph. Haer. 67) desenvolveu princípios de um rigorismo e severidade ainda mais exagerados do que os dos Montanistas, com quem aliás tinham muitas afinidades.

Uma seita contrária ao iluminismo dos Montanistas nasceu da polêmica apaixonada, que eles excitaram. Esta nova seita, menos numerosa, não só negava o dom de profecia dos Montanistas, mas todo e qualquer dom do Espírito em geral. Tão superficial na doutrina, como exagerada na reação, rejeitou o Evangelho e o Apocalipse de São João, porque os Montanistas lançaram mão deles para fundamentar a sua opinião acerca do Espírito Santo e o seu ‘chiliasmo’ chegou a combater a Divindade de Cristo e as relações do Verbo Divino (Logos) com a natureza humana, de onde lhes veio o nome irônico de Aloges (cfr. Hèfélé, Os Aloges e suas relações com os Montanistas – Revista trim. de Tub., 1851, p. 564 ss), dado por Santo Epifânio. Eram anti-montanistas, porém, antes de tudo, inimigos da Divindade do Verbo”.

Fonte: Dr. João Alzog, Professor da Universidade de Friburgo em Brisgau, “História Universal da Igreja”, Tom. I, 2º Período, Part. II, Cap. II, Art. LXXIII, pp. 199-201. Trad. de José Antônio Freitas; Ernesto Chardron, editor. Porto. 1882.


Nenhum comentário:

Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...