Blog Católico, para os Católicos

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Vaticano: Menina com Síndrome de Down presa por queimar o Alcorão não pode ler





Roma, 28 Ago. 12 / 03:08 pm (ACI).-  Cardeal Jean Louis Tauran, presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso no Vaticano defendeu a menina cristã com Síndrome de Down depois de ser presa e acusada de queimar textos com passagens do Alcorão, no Paquistão, e disse que a pequena "não sabe ler nem escrever.

"Em uma entrevista transmitida em 25 de agosto pela Rádio Vaticano, o cardeal disse que "antes de um texto sagrado, disse que era o objeto de escárnio, os fatos devem ser verificados". Alguns relatórios de organizações humanitárias que trabalham na área, disseram que a menor Rimsha Masih havia queimado documentos coletados de uma pilha de lixo, com a intenção de fazer fogo para cozinhar. Naquele momento, alguém entrou na casa e a acusou com sua
família de queimar páginas contendo versículos do Alcorão.

Falando à CNN, um oficial da polícia local, Qasim Niazi disse que havia cerca de 150 pessoas reunidas na sexta-feira onde vive a população cristã e ameaçaram incendiar suas casas. "A multidão queria queimar a menina, a dar-lhe uma lição", disse ele.

Rimsha é "uma menina que não sabe ler ou escrever, que coleta lixo para sobreviver , e que reuniu os fragmentos deste livro na sujeira", disse o arcebispo sobre este caso, que mostra o grau de intolerância dos muçulmanos para os cristãos. "Como a situação se agrava e se torna tensa, mais diálogo é necessário", acrescentou.

"Parece impossível que a menina tenha mostrado desprezo pelo livro sagrado do Islã", disse então o cardeal Tauran. Esta não é a primeira vez que o Vaticano se pronuncia diante deste tipo de caso. Ele também pediu a libertação de Asia Bibi, uma mãe católica de cinco filhos que ainda está na cadeia acusada de blasfêmia contra o Alcorão e condenada à morte, por uma acusação a qual ela sempre se declara completamente inocente. Neste caso, as esperanças de sair da prisão foram muito reduzidos após o assassinato do governador de Punjab, Salman Taseer, em seguida, o ministro das Minorias, o católico Shabbaz Bhati, quem lhe havia oferecido ajuda.

A lei de blasfêmia no Paquistão e outros países muçulmanos agrupa várias normas contidas no Código Penal diretamente inspirada na Sharia, a lei religiosa islâmica para sancionar qualquer ofensa de palavra ou obra contra Alá, Maomé e ao Alcorão. A ofensa pode ser denunciada por um muçulmano sem testemunhas ou provas adicionais, e a punição envolve julgamento imediato e posterior condenação à prisão ou morte dos acusados. A lei é usada com frequência para perseguir a minoria cristã, que normalmente é explorada no trabalho e discriminada no acesso a educação e nos postos públicos.

 Em várias partes do Paquistão e na Europa já deram várias demonstrações para tentar salvar a menina, cujo caso será levado ao tribunal na terça-feira 28 de agosto. Paquistaneses na Itália prepararam um abaixo assinado (ou uma revindicação) afim de ser enviada ao presidente Ali Zardari, para que liberte Rimsha Masih. Para participar pode escrever para :
salviamorimshamasih@gmail.com



Nenhum comentário:

Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...