Blog Católico, para os Católicos

BLOG CATÓLICO, PARA OS CATÓLICOS.

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

quinta-feira, 30 de junho de 2022

Pequena Consagração, ao Sagrado Coração de Jesus.


Ó Coração dulcíssimo, Templo Augusto da Santíssima Trindade, Fornalha ardente do Supremo Amor, Límpida Nascente de Vida Eterna, prostro-me, eu também, à Tua Presença e consagro-me inteiramente ao Teu serviço, prometendo trazer a Teus pés a quantos puder e tornar-Te conhecido e amado por todos. Comunica, eu Te suplico, ao meu coração uma centelha do Teu Amor ardente, para que ele se consuma em holocausto e só por Vós palpite. Quero viver ao sopro suave da Tua devoção e morrer apertando o Teu Coração contra o meu, dormindo o sono da morte sobre o Teu peito adorável, à imitação do Discípulo amado”. Assim seja.


Autor: Venerável Pe. André Beltrami, S.D.B.


O Sacramento da Penitência é Meio Fácil e Eficaz, para Purificar dos Pecados e Vícios.


1. Jesus. Filho, o Meu Coração, sabendo ser tal a fragilidade dos homens, que não podem viver na terra sem pecar, descobriu um meio salutar, pelo qual alcançam, se dele faze bom uso, não só a remissão do pecado, mas ainda aumento de graça.

Deus, segundo sua palavra, é fiel em perdoar os pecados aos que se confessam, e concede a graça aos que a pedem e procuram viver melhor.1

Que seria da maior parte dos homens, se não houvesse a Confissão? Quão poucos se salvariam! Quantos dos que gozam no Céu ou um dia lá chegarão, estariam condenados!

2. Eis por que dei à Igreja tal poder que àqueles a quem Ela perdoar os pecados, ser-lhes-ão perdoados, e àqueles a quem os retiver, ser-lhes-ão retidos.2

Por conseguinte, se a inveja, a incredulidade ou qualquer outro pecado penetrarem no coração de alguém, não se envergonhe de confessá-los ao Sacerdote, a fim de ser por ele curado graças à palavra de Deus e ao conselho salutar”.3

Se te afastaste da Confissão, considera em teu coração o Inferno, que em teu favor ela extinguirá. Ciente, portanto, que, após a primeira graça do Batismo, ainda há na Confissão segundo auxílio contra o Inferno, por que abandonas a tua salvação? Imagina antes a grandeza do castigo, para não hesitares em tomar o remédio”.4

Há, pela Penitência, remissão dos pecados embora laboriosa, quando o pecador lava com lágrimas o seu leito e não se envergonha de buscar o remédio a seu pecado, confessando-o ao Sacerdote do Senhor”.5

Para todos é desejável o remédio da Confissão, porque a alma é ameaçada por maior perigo do que o corpo, e aos males ocultos é necessário aplicar pronto medicamento”.6

Confessa-te, expele na Confissão toda a peçonha, e, em seguida, a cura será fácil. Receias confessar-te, quando, mesmo sem fazê-lo, não podes permanecer oculto? Deus onisciente exige a Confissão para libertar o humilde; condena o que não se confessa, a fim de punir o orgulho”.7

Confessa-te de modo que não voltes ao pecado. A Confissão é útil, quando o pecador, já confessado, cessa de praticar o mal que antes fizera”.8

Feita a Confissão, abstenhamo-nos de pecar; porém, a Confissão precede a remissão”.9

A Igreja, fundada por Cristo, d'Ele recebeu o poder de perdoar os pecados”.10

Os que não querem confessar os pecados, terão como justiceiro o mesmo Deus, que agora lhes é testemunha”.11

Não é necessário confessar publicamente os pecados. Basta declarar só ao Sacerdote em Confissão secreta, os delitos da consciência”.12

Portanto, a razão move e Deus obriga o pecador a confessar-se”.13

A Confissão é necessária ao pecador e, não obstante, convém ao justo”.14

De três modos é necessário confessar-se: sem disfarce, sem desculpa, sem demora”.15

O penitente deve acusar-se, perante o Sacerdote, com vivo sentimento de dor e firme propósito de emenda e cumprir as obras que lhe forem ordenadas”.16

Existe o Sacramento da Penitência, cuja matéria são por assim dizer os atos do penitente, que se distinguem em três partes: a primeira e a dor do coração, a segunda, a Confissão oral, a terceira, a satisfação”.17

Eis, filho, como desde o princípio, os fiéis de todos os tempos e lugares do mundo, veneraram e praticaram este doce e salutar Sacramento.

3. Que há de melhor do que confessar-se devidamente? Pela Confissão o homem liberta-se das culpas, reconcilia-se Comigo, recebe a paz do coração. Antes sentia-se torturado pelas angústias, depois vê-se tranquilo e feliz.

O Sacramento da Penitência é o remédio da alma. Cura-lhe os vícios, afugenta as tentações, destrói as ciladas do Demônio, infundi nova graça, aumenta a piedade e consolida sempre mais a virtude.

Pela Confissão a alma readquire seus direitos perdidos pelo pecado, e recupera a beleza deformada pela iniquidade.

4. Acontece, porém, que o pecador, ao aproximar-se deste Sacramento da divina misericórdia, movido pela vergonha ou pelo temor, se precipita no abismo do sacrilégio, e agora não só é pecador, porém, um horrendo monstro de pecado.

Acaso poderás, homem execrando, esconder-te de Mim? Conseguirás impedir que Eu te lance no profundo abismo por ti mesmo cavado?

Tu sacrilegamente ocultas pecados ao Confessor, a quem as mais severas leis divinas e humanas obrigam a eterno e absoluto silêncio! Eu, porém, os manifestarei em tua presença, não a um só homem, nem a uma só nação, porém, ao Céu e à terra e a quantos seres existem. Então, no cúmulo da vergonha, chamarás os montes a cobrir-te e subtrair-te à confusão. Quiseras mesmo esconder-te no Inferno, mas não o poderás e terás de sofrer abertamente toda a merecida confusão e ignomínia.

Homem insensato! Não tiveste pejo de pecar para tua perdição e ignomínia, por que o terás de confessar-te para tua salvação e glória?

Ora, reflete: Por que hás de hesitar em manifestar tua consciência àquele que foi estabelecido por Mim como Meu representante junto de ti?

Quando te apresentas como penitente, deves considerar o Confessor como a Mim mesmo, porque então ele representa Minha Pessoa e possui o Meu poder.

Demais, ele é homem e tem suas misérias que deve igualmente confessar como tu, sendo-lhe esta acusação tanto mais difícil por estar obrigado a maior perfeição, em razão de seu sublime estado.

Por isso, Deus, em sua sabedoria e santidade, decretou que todos, tanto os Sacerdotes como os leigos, fossem obrigados à Confissão, se quisessem livrar-se de pecados graves. É mesmo conveniente que os Sacerdotes, cujas sagradas funções exigem absoluta santidade, se purifiquem das mais leves culpas pela Confissão frequente.

Por esse motivo, também os leigos se confessam com a maior liberdade e confiança aos Sacerdotes, e estes aprendem por experiência a compadecer-se das misérias alheias, a sentir a debilidade dos fracos e a chorar com os que choram.

5. Há pessoas que se confessam com simplicidade, porém, não se corrigem realmente, porque não se esforçam com sinceridade por emendar-se.

Uns aproximam-se do Sacramento da Penitência por necessidade, outros, levados por respeito humano ou por certo hábito. Não é, pois, de admirar que pouco ou nenhum fruto colham.

Tu, Meu filho, tendo em vista tua salvação e Meu beneplácito, faze cada Confissão como se fosse a última da tua vida, e hás de experimentar os seus maravilhosos e suaves efeitos.

6. Todavia, conhecendo-te a ti mesmo, é necessário saberes que muitas vezes serás impelido a cometer os pecados de que te arrependeste com o propósito de evitá-los.

Não desanimes, porém, filho, nem te entristeças em demasia. São efeitos, não da malícia, mas da fragilidade, e constituirão faltas antes indeliberadas do que voluntárias. Nisso, entretanto, aprende a conhecer a benignidade do Meu Coração, sempre pronto a perdoar, e a miséria do teu, sempre propenso a arrastar-te com frequência ao mal. Contudo, não descures a Confissão, por causa destas fraquezas. Quanto mais fraco te sentires, tanto mais a ela deves recorrer.

7. Alguns receiam a Confissão e dela trêmulos se aproximam.

Mas, se tanto os maiores pecadores coo os maiores Santos aí encontram consolação, por que te atormentas com ansiedade? Aí os mortos revivem, e os vivos recebem vida mais abundante. Tu, porém, por que tremes, como se caminhasses para a morte ou ao suplício?

Enganas-te, Meu filho, enganas-te. Não para tormento, mas para consolo, foi instituído este Sacramento salutar.

8. Deixa-te de agitação e ansiedade. Sou o Deus não da perturbação, mas da paz; deleito-Me com a boa vontade e não com a inquietação de espírito.

Faze o que de ti depende, e confessa-te, como podes, com sinceridade. Em seguida, permanece em paz, e não te perturbes com as sugestões do Inimigo ou da imaginação.

Meu Coração, filho, é o refúgio dos pecadores. Quantas vezes alguém recorrer a Ele com humildade e contrição, não o repelirei com desprezo.

Cheio de confiança, mergulha-te com frequência nesta divina fonte em que o Meu Coração lavará tua alma em seu Sangue, até torná-la inteiramente limpa e pura.

Seja-nos permitido citar como exemplo, o fato admirável e consolador, que se lê na vida de Santa Maria Madalena de Pazzi. Certo dia, esta Santa virgem achava-se na igreja do seu mosteiro, à hora das confissões, e expandia o coração perante Jesus presente no Tabernáculo, absorta nas divinas comunicações. Subitamente, notou que o mundo espiritual de algum modo se lhe patenteava. Via o estado de cada alma, ao confessar-se. No momento da absolvição sacramental, porém, contemplava o Sangue divino de Jesus correndo misticamente sobre a alma e lavando-a de tal modo que se tornava extraordinariamente pura e bela. Se tal é o efeito de uma só Confissão, qual não será o da Confissão frequente! Se a alma se torna tão pura e bela, lavando-se uma só vez no Sangue do Coração de Jesus, que lhe é aplicado no Sacramento da Penitência, quais não serão sua pureza e formosura, se com frequência se purificar. Se os tecidos de linho cru e ainda encardidos se tornam, com repetidas lavagens, não só limpos, mas até mesmo, alvos como a neve, acaso a alma purificada constantemente no Sangue divino de Jesus não ficará, por fim, toda pura e inefavelmente bela? Certamente este piedoso pensamento pode aumentar-te o amor pelo Sacramento da Penitência e, ocupando-te suavemente o espírito, consolar-te imensamente ao recebê-lo.

9. Discípulo. Ó Bom Jesus, que invenção salutar e consoladora de Vosso Coração! Que estupenda condescendência e admirável suavidade, fazerdes do Sangue emanante do Vosso Coração, o divino lavacro que nos purifica dos pecados!

Não houvesse Vosso Coração descoberto este segredo, repleto de toda consolação, quem jamais o teria imaginado? Que seria de nós, que seria de mim, se não o houvesses manifestado?

Graças Vos rendam comigo, ó dulcíssimo Jesus, todos os Anjos e Bem-aventurados, a universalidade dos povos e línguas, pela Instituição deste Sacramento de força vital e santificante, que salva os habitantes da terra e enche o Céu de numerosos Santos!

A fim de não abusar de tão grande benefício e dele colher todo fruto desejável, confessar-me-ei não só constantemente, mas com diligência. Como se me preparasse para a morte, farei sempre, antes da Confissão, atos de verdadeira dor e bom propósito, em paz, porém, e ao mesmo tempo com sinceridade. Falarei ao Confessor com a mesma candura com que Vos falaria, se estivésseis visível a meus olhos. Atenta e devotamente cumprirei quanto antes a penitência imposta. Finalmente, esforçar-me-ei por ser grato e viver para Vós com novo fervor e coração mais puro.

Ó Jesus! Quão grande é a consolação e a doçura que experimento quando, neste Sacramento da Vossa misericórdia, minha alma se lava e purifica no Santíssimo e ilibado Sangue do Vosso Coração! Lavai-Me muitas vezes, eu vo-lo rogo, e ficarei completamente limpo. Lavai-Me ainda mais e tornar-me-ei mais alvo que a neve. Assim seja.


_______________________

Fonte: Rev. Pe. Pedro Arnoudt, S.J., “A Jesus os Corações ou Imitação do Sagrado Coração de Jesus”, 1ª Parte, Cap. XII, pp. 59-67; Editora Vozes Ltda, Petrópolis-RJ, 1941.

1.  I Jo. 1, 9; 5, 14.

2.  Jo. 20, 23.

3.  São Clemente, no I século.

4.  Tertuliano, no II século.

5.  Orígenes, no III século.

6.  São Lactâncio, no IV século.

7.  Santo Agostinho, no V século.

8.  São Fulgêncio, no VI século.

9.  Santo Isidoro, no VII século.

10.  São Beda, o Venerãvel, no VIII século.

11.  Halmo, no IX século.

12.  Luitprando, no X século.

13.  São Pedro Damião, no XI século.

14.  São Bernardo, no XII século.

15.  São Boaventura, no XIII século.

16.  Tauler, no XIV século.

17.  Concílio de Florença, no XV século.


O Coração divino a Todos chama, mesmo os Pecadores.


1. Jesus. Vinde a Mim, todos os que padeceis e estais acabrunhados, e Eu vos aliviarei.1

Quem é justo, venha justificar-se ainda mais. Quem é tíbio, venha afervorar-se. Quem é pecador, venha purificar-se e santificar-se.

Ai da fragilidade humana! Qual é o homem que não tenha pecado? Quem disser não ter pecado, ilude a si mesmo, e a verdade não está nele.2

2. Meu filho, se te sentes carregado de pecados ou defeitos, corre ao Meu Coração, onde hás de recuperar liberdade e alento. Não te deixes atemorizar pelo número dos teus males ou pela grandeza da Minha Majestade. Não vim chamar os justos, mas os pecadores à penitência.3

Quanto maiores são as misérias a oprimir-te, tanto mais de ti Me compadeço, pois o que está mais enfermo, mais necessita do médico.

Não Me surpreendem tuas misérias, pois conheço teu coração e a frágil matéria de que és feito. Se não caíste em maiores males, principalmente o deves à Minha graça. Admiro-Me, porém, de que, oferecendo-Me Eu a curar-te, não o queiras, ou, se o queres, pareces duvidar da Minha bondade.

Ah, filho! Não faças tão acerba injúria ao Meu Coração, que se compraz em perdoar e não se cansa de fazê-lo.

Vê com que bondade trato os pecadores verdadeiramente arrependidos, a ponto de ser chamado Amigo dos pecadores!

3. Onde está o coração capaz de amar como o Meu Coração? Não há maior caridade do que dar a vida por seus amigos; Eu, porém, o Filho de Deus, excedi essa caridade, pois dei a vida por Meus inimigos.

Quem jamais foi o primeiro a amar-Me? Quem Me consagrou seus afetos, sem haver antes experimentado os efeitos da Minha dileção?

4. Sendo mui numerosos os que perdem a inocência antes de conhecê-la claramente ou apreciar-lhe o valor, a grande glória do Meu Coração consiste em triunfar dos seus corações e fazer dos pecadores santos.

Oh! Se conhecesses a caridade do Meu Coração, compreenderias com que ternura ama as almas fiéis e com que suavidade busca os pecadores.

Quem sofre, sem que o Meu Coração se compadeça? Quem peca sem causar-lhe mágoa? Quem se acha enfermo, sem que o Meu Coração lhe dê remédio? Quem é infeliz, sem que o Meu Coração o sinta? Quem há, finalmente, neste mundo que não deva benefícios ao Meu Coração?

5. Sou o Bom Pai que aos filhos gerados na Cruz abraço com o amor deste Coração que lhes permanece aberto, para encontrarem em todo tempo, não um asilo qualquer, porém, o próprio centro das Minhas afeições.

Enquanto dormem, vela o Meu Coração para guardá-los. Quando acordados, cuida da sua conservação.

Tão grande amor arde em Meu peito para com eles, que a cada um amo e acaricio como se fosse o único.

Se algum deles, seduzido pelo Inimigo, de Mim se aparta, doi-Me o Coração como pela morte de um filho único. Com amor acompanho o fugitivo; convido, insisto, prometo. Se, porém, não Me quer ouvir, tenho paciência e, permanecendo à porta do seu coração, bato com frequência.

Finalmente, se decide voltar a Mim, corro-lhe ao encontro para estreitá-lo ao peito, e o Meu Coração exulta por ver junto de si, são e salvo, o filho a quem pranteara como morto.

Cheio de alegria, convido todo o Céu a congratular-se e exultar Comigo.

6. Portanto, se queres confortar o Meu Coração, alegrar o Céu e refrigerar tua alma, volta a Mim de todo o coração.

Quer tenhas graves ou leves pecados, vem ao Meu Coração, onde encontrarás remédio para os teus males.

Confiança, meu filho, não temas. Chamo-te não para exprobrar-te, mas, sim, para apagar as tuas iniquidades.

Vem, filho, vem! Espero-te de braços abertos e com o Coração ardente.

7. Discípulo. Corro a Vós, cheio de confiança, ó dulcíssimo Jesus, animado pela imensa bondade do Vosso Coração.

Ao chegar, clamo, suplicante: “Recebei com clemência o filho pródigo que volta de região longínqua, acabrunhado de pecados e repleto de misérias.

Não sou digno de ser chamado Vosso filho, pois que tão indignamente Vos abandonei e com graves ultrajes Vos afligi.

Pequei contra o Céu e perante Vós. Culpado, não ouso lançar-me nos Vossos braços: eis-me a Vossos pés, prostrado no pó, apelando para o Vosso Coração paterno, para obter o perdão.

Vós me chamastes, quando de Vós fugia, buscastes-me, quando perdido, suportastes os abusos que fiz da Vossa bondade, com admirável doçura me incitastes a converter-me. Agora que volto neste mísero estado, não só me recebeis, mas ainda me acolheis nos Vossos braços. Ó Jesus! Não há pai semelhante a Vós!

Regozijem-se e alegrem-se Comigo todos os Anjos e Santos e juntamente louvem e exaltem para sempre Vossa misericórdia! Eis que agora sou perpetuamente Vosso. Com fidelidade Vos amarei, ó Senhor, e por Vosso amor cumprirei todas as Vossas vontades”.


_____________________

Fonte: Rev. Pe. Pedro Arnoudt, S.J., “A Jesus os Corações ou Imitação do Sagrado Coração de Jesus”, 1ª Parte, Cap. X, pp. 51-55; Editora Vozes Ltda, Petrópolis-RJ, 1941.

1.  Mt. 11, 28.

2.  I Jo. 1, 8.

3.  Lc. 5, 32.


terça-feira, 28 de junho de 2022

O coração do Pecador não pode Provar senão, a Amargura da Infelicidade.


1. Jesus. Caríssimo filho, se chegares ao ponto que teu coração nada mais tenha a repreender-te, alegra-te. Ainda mais alegra-te, porque a paz, qual rio de felicidade, te inundará. O bom coração torna a alma ditosa, alegra o Céu, atemoriza o Inferno. Porém, o mau coração enche de infortúnio o pecador, inspira compaixão aos habitantes do Céu, causa aos Demônios iníqua alegria e exultação.

Imagina todas as calamidades possíveis neste mundo, nunca igualarás o número das que os pecadores trazem no coração.

Quão pesada e abjeta é a escravidão do pecador! Quantos laços fortíssimos o prendem sob o poder de vilíssimos senhores: o Demônio e as paixões tirânicas.

Nele a inteligência está ligada por crassa ignorância, que não o deixa conhecer a verdade. Sua vontade acha-se cativa de abominável malícia, que a impede de amar a bondade.

Traz os sentidos presos pelos vínculos da concupiscência, de modo a não seguir a honestidade. Todo oprimido ao peso das cadeias dos maus desejos, não consegue alcançar a suave liberdade da graça.

2. Quem haverá mais insensato que o pecador, sendo ele mesmo a causa da sua extrema miséria?

Se há na terra um inferno antecipado, certamente se encontra no coração perverso que, inflamado no fogo das paixões, padece todos os tormentos da má consciência.

Como pode jamais alegrar-se aquele que sabe que, se o frágil fio da sua existência se quebrar, terá de precipitar-se nas profundezas do Inferno?

Não sei como ousa entregar-se ao repouso noturno o que ignora se não há de despertar como réprobo na eternidade!

3. É impossível ao coração humano não desejar a felicidade. Mas o pecador, arrastado cegamente por inclinações indômitas e desenfreadas, busca a felicidade onde só encontra maior infortúnio.

Alguns parecem julgar que, satisfazendo seus desejos e contemplando-os plenamente, terão a paz, quando os virem realizados. Que grande erro!

Quem apaga um incêndio, lançando novos combustíveis no fogo? Não seria aumentá-lo em vez de extingui-lo?

Embora alguém sacrificasse às suas paixões a salvação da alma e a saúde do corpo, nem por isso estariam estas satisfeitas e clamariam: “Somos tuas, alimenta-nos!”

Oh! Se a todo olhar se patenteasse o coração do pecador, quantas misérias e horrendos objetos aí se veriam! Entretanto, para Mim todas as coisas são abertas e manifestas, e ninguém é capaz de enganar-Me, ainda que possa iludir os homens.

4. A tal ponto chega o coração escravizado aos maus hábitos que nada pensa, nada ama, nada acha delicioso a não ser o que pode contentar-lhe a concupiscência: destarte, sabendo embora que caminha para o abismo da desgraça, pouco lhe importa, e, como estólido animal, corre após seus maus desejos, conculcando não só os bens eternos, mas até a honestidade, a honra e a própria vida. Não carece o pecador de inimigo que o ofenda e atormente, pois ele mesmo é o seu maior inimigo e mais cruel verdugo.

Dos objetos em que busca seus deleites e satisfações, recebe em geral múltiplos tormentos.

5. Como pode gozar de paz, quem fomenta no seu íntimo causa de perturbações? Como pode, uma vez sequer, respirar livremente quem é escravo do Demônio?

Quão infeliz deve ser aquele em cujo coração Satanás tem permissão de dominar e estabelecer o seu trono!

Bem-aventurado quem jamais experimentou a escravidão do Demônio e nunca gemeu sob os grilhões do pecado!

Filho, se ainda não sentiste o infortúnio do estado de pecado, alegra-te com todo o Céu e jamais queiras experimentar o serviço do Diabo.

Se, porém, miseravelmente lhe estás sujeito, compadece-te de tua alma. Com ardor rejeita o ugo do Inimigo, rompe teus laços para gozar a liberdade dos filhos de Deus.

6. Discípulo. Ó Senhor! Quão grande infelicidade é o estado do pecador! Como ele é infeliz neste miserável estado! Qual poderá ser sua paz ou alegria, tendo por inimigo a Vós, o Onipotente, conhecedor de todas as coisas! Não ignora estar banido do Vosso Coração, seu último refúgio, e tem consciência de que a cada momento pode ser lançado no fogo eterno!

Como é infeliz a alma que não pode contemplar o Céu sem lembrar-se de haver perdido o direito de nele entrar! Se lança o olhar em torno de si, parece-lhe ouvir exprobrações e todo acontecimento a enche de terror. Se abaixa os olhos, tacitamente não pode deixar de recordar-se que o Inferno é sua morada.

Como é infeliz, por não poder voltar ao próprio coração, sem aí encontrar Satanás e os tormentos de um inferno antecipado, onde não há algo de alegria ou consolação, porém, só horror e trevas, temores e angústias!

Ó pobre alma! Como estás mudada do estado em que te achavas, quando, adornada com a graça celestial, nobilitada pela adoção divina, eras tão bela, tão sublime que causavas admiração aos Santos e Anjos!

Como o pecado te deformou, tornando-te toda abjeta e vil!

7. Ó Jesus! Quem me dera, mesmo à custa da própria vida, fazer com que tão miserável estado jamais houvesse existido! Oxalá nunca tivesse caído em tal desgraça e antes houvesse perdido a vida do que a tua graça!

Bem-aventurados os que jamais perderam a inocência, nem experimentaram a infelicidade do estado de pecado!

Restituí-me, eu vo-lo rogo, a minha primeira veste. Restaurai-me a inocência, para que Vos sirva em nova vida e a conserve imaculada perante Vós até ao fim dos meus dias.


_____________________

Fonte: Rev. Pe. Pedro Arnoudt, S.J., “A Jesus os Corações ou Imitação do Sagrado Coração de Jesus”, 1ª Parte, Cap. IX, pp. 47-51; Editora Vozes Ltda, Petrópolis-RJ, 1941.


segunda-feira, 27 de junho de 2022

Nosso coração deve estar Puro, mesmo do Mínimo Pecado.


1. Jesus. Filho, purifica teu coração de toda culpa e evita com diligência a mácula, mesmo do menor pecado. Nada há, nada pode haver que nos torne lícito cometer um pecado, embora leve.

Se deste modo pudesses salvar o mundo inteiro, ainda assim seria ilícito ofender-Me mesmo na menor coisa, visto ser eu infinitamente superior ao universo.

Há pessoas que evitam pecados graves, mas sem escrúpulos cometem os leves. O que é sinal evidente de se deixarem governar mais pelo amor-próprio do que pelo Meu amor.

Estes infelizes, porém, hão de conhecer, com prejuízo seu, quanto se iludiram.

2. O que despreza as coisas pequenas, aos poucos cairá nas grandes. Habituado gradualmente a julgar tudo leve, pensará andar bem, quando cometer, sem muito remorso de consciência, culpas maiores. Se apraz ao insensato caminhar à beira do precipício, com justiça acontecerá que, escorregando-lhe o pé, caia no abismo. Evita, por conseguinte, o pecado venial, se não queres cometer o mortal.

Exporás ao perigo tua salvação, enquanto consentires mesmo na mais leve culpa.

3. Muitos parecem sentir profundo horror de renovar a Minha morte com um pecado mortal. Contudo, não cessam de causar acerba amargura ao Meu Coração e afligi-lo com dores contínuas por meio de culpas leves.

Ah! Meu filho! Considera sempre mais e reflete atentamente no que fazes. Querendo causar apenas leve ferimento ao Meu Coração, talvez te enganes, como a muitos acontece, e com golpe mortal O transpasses.

Ó insensatez do coração humano! Muitos receiam mais ofender a um homem do que a Mim, seu Deus e Salvador.

4. Enquanto continuares a pecar, mesmo venialmente, andarás mal e não gozarás a verdadeira felicidade.

Se tens empenho, como convém, em alcançar a perfeição, hás de trabalhar em vão, por mais que a ela aspires, enquanto não evitares todo pecado voluntário.

Pois o pecado venial diminui a caridade, causa tibieza, corrompe os atos de virtude, obstrui a fonte das graças e socorros especiais, enfim, privando aos poucos a alma de todos os bens, deixa-a vazia.

5. Na maioria das vezes, por que se torna o homem culpado de tantos e tão grandes males, senão por causa de algum vão interesse ou prazer?

Reflete, porém, no real prejuízo que daí procede e nas graves penas a sofrer no Purgatório.

Aí se padecem tormentos maiores que todos os suplícios deste mundo e superiores a quaisquer males desta vida. E de lá não sairás, até haveres pago o último vintém.1

Com que veemência então te há de pesar haveres cometido mesmo o menor pecado, que sentirás ser a causa de estares ainda privado do Céu e sofrer severo castigo! Não queiras, meu filho, frustrar os desejos e esforços do Meu Coração para tornar-te feliz. Não sejas tão irrefletido que prefiras, contra a Minha vontade, ser infeliz.

6. Discípulo. Senhor, não é pequeno mal o pecado venial, pois, que ofende Vossa divina Majestade, fere Vosso Coração, priva a alma de graças e socorros especiais, impede o desejável progresso, corrompe o bem, abre caminho para a perdição, expõe a salvação à eterna ruína e fecha o Céu ao culpado.

E eu julguei pequenos tão grandes males! Oh! Que insensatez! E, o que é pior, cometi tais pecados sem número, sem medida, chegando ao excesso as minhas transgressões!

Onde tiveram termo? Quantas são as potências da minha alma, os sentidos do meu corpo, tantos são os gêneros de pecado. Quantos foram Vossos dons e benefícios, tantos foram meus abusos e ingratidões. A cada espécie de ocupação corresponde uma multidão de faltas. Ai, qual a minha ação, mesmo entre os exercícios de religião ou piedade, em que não se encontre defeito?

Ó minha alma! Cometemos tantos pecados por inadvertência, surpresa, fragilidade. Não deveriam bastar? Seria ainda necessário acrescentar a estes outros mais graves, provenientes de negligência, livre vontade, malícia?

Eis o que retribuímos ao Senhor, cuja bondade nos faz viver, a cujo amor devemos quanto somos e possuímos!

7. Ó Senhor Deus, meu Salvador! Se, pela gravidade e multidão de minhas culpas, não me perdi completamente, reconheço devê-lo à benignidade do Vosso Coração. Foram Vossas misericórdias, Senhor, que não me deixaram ser consumido.

Mergulhado no lodo, faltou-me a força, envolveram-me as trevas, desfaleceu-me o coração. Sempre mais me afundo e, em consequência da fraqueza, não consigo libertar-me. Quão grande é a minha miséria!

Oh! Quem me dará lágrimas aos olhos e vigor ao coração para chorar e mover-Vos, Senhor, a socorrer-me!

Tende piedade de mim, ó Bom Jesus, e livrai-Me; purificai-Me e renovai-Me totalmente.

Inflamai o meu coração no amor do Vosso Coração. Neste divino fogo, consumi as minhas faltas e não as reserveis para as chamas do Purgatório. Rogo-Vos seja eu aqui abrasado e purificado no fogo do Vosso doce amor, e não nas chamas expiatórias.

Dulcíssimo Jesus, por Vosso amor farei o que até agora não fiz por temor: por Vosso amor evitarei todo pecado, mesmo o mais leve.


Fonte: Rev. Pe. Pedro Arnoudt, S.J., “A Jesus os Corações ou Imitação do Sagrado Coração de Jesus”, 1ª Parte, Cap. VIII, pp. 43-47; Editora Vozes Ltda, Petrópolis-RJ, 1941.

______________________

1.  Mt. 5, 26.


Nosso coração deve estar puro principalmente do Pecado Grave, que é o Mal Supremo.


1. Jesus. Acautela-te, meu filho, para que não haja em teu coração pecado mortal.

Como podes ou ousas amar ou hospedar em teu coração o Inimigo figadal que, uma vez admitido, indubitavelmente te fará escravo do Inferno, o mais miserável dos homens, mais vil que os próprios seres irracionais?

Muitos dizem: “Oh! Quantos males devastam a terra!” Contudo, há um só mal: o pecado. E fora dele não há outro mal.

Evita o pecado, e tudo o que te acontecer contribuirá para o teu bem.

2. É para admirar que um ser racional espontaneamente cometa o pecado, o qual, por natureza, é tão indigno e abominável que, mesmo se não houvesse Céu nem Inferno, deveria ser evitado por causa da sua fealdade intrínseca. Se considerares a infinita dignidade do ofendido e a imensa baixeza do ofensor, verás que o pecado é um mal em certo modo infinito.

Quem peca mortalmente ataca o próprio Deus e, se possível fosse, o destruiria. Pois não falta ao pecador a vontade de aniquilar o Deus do Céu e da terra.

3. Tão grande mal é o pecado que, para exterminar este monstro infernal e satisfazer à justiça divina, eu, Filho do Altíssimo, desci do trono da Minha Majestade. Fazendo-Me homem, sofri durante a vida contínuo martírio e finalmente expirei na Cruz, consumido de dores.

Homem infeliz! Como te apraz cometer o que tantos sofrimentos Me custou? Como queres, por um prazer momentâneo, renovar todos os Meus trabalhos, dores e morte acerbíssima?

Pelo pecado mortal, tornas-te réu de crime muito mais grave do que o dos judeus, Meus carrascos. Se estes Me houvessem reconhecido como o Senhor de eterna glória, nunca Me teriam condenado à morte. Tu, porém, conheces quem Sou e qual a Minha dignidade, pelos benefícios de Mim recebidos.

4. Não foi só por amor que, além de te haver criado, remido e conservado, sempre, qual o mais terno dos pais, te protegi, vigiei e afaguei?

Tudo o que és e tens, Eu te dei, e, acima de todos os dons, prodigalizei-Me a ti. E é assim que Me retribuis todos esses benefícios?

O animal irracional mostra-se grato pelo bocado de alimento que lhe atiras. Tu, porém, persegues-Me até a morte, embora te haja Eu concedido bens infinitos.

Considera atentamente o que deves pensar a teu respeito.

5. Ó filho da Minha eterna dileção, a quem amei mais que a própria vida, não tornes a pecar!

Se Me amas a Mim e mesmo se te amas a ti verdadeiramente, foge do pecado.

Quando cometes pecado grave, morres à vida sobrenatural, perdes todos os méritos adquiridos, anulas o direito à celeste herança, tornas-te co-herdeiro dos espíritos infernais, antepões a desgraça à Bem-aventurança, o Inferno ao Céu, o Demônio a Mim.

Medita nisso, meu filho, para aprenderes cabalmente, segundo a capacidade da tua inteligência humana, quão grande é a malícia do pecado. Destarte evitarás o único mal que te pode tornar eternamente infeliz.

6. Discípulo. Ó minha alma! O pecado, eis o mal supremo que desonra o homem, colocando-o abaixo dos irracionais, fecha as portas do Céu e abre os abismos do Inferno! Ó monstro abominável, mil vezes mais horrendo que o próprio Demônio! Ó meu Deus, sou obrigado a confessar, coberto de vergonha, que me tornei vil escravo do pecado. Com suma loucura, ingratidão e malícia, insultei frequentemente, pelo pecado, Vossa tremenda Majestade, que os próprios Anjos adoram cheios de temor.

Sinto-me profundamente confuso por me ter tornado mais vil que os seres irracionais, cometendo a iniquidade que a própria razão reprova, e abusando quer de todas as faculdades da alma, quer dos sentidos do corpo.

7. Ó Senhor Deus! Gravastes em mim Vossa amável imagem, e eu deformei-a, cobrindo-a com a hedionda efígie do Demônio, e de muitos modos tornei-me ainda mais horrível do que ele.

Pecou o Demônio por orgulho, quando nenhum castigo precedente o escarmentara. Eu, porém, conhecendo a pena do pecado, por desprezo pequei. Ele, só uma vez, esteve em estado de inocência, enquanto eu inúmeras vezes a recuperei. Ele se rebelou contra seu Criador, e eu contra o meu Redentor.

Mísero pecador, por um nada ou coisa mais vil que o nada, rejeitei espontaneamente a Vossa amizade, a feliz paz da alma, o direito à eterna Bem-aventurança. Entreguei-me como infortunado escravo ao Demônio, compartilhando desde agora sua desgraça e destinado a participar um dia dos seus eternos tormentos, se não me arrepender e encontrar misericórdia no Vosso Coração.

8. Na verdade, Senhor Jesus, não sou digno desta misericórdia, da qual tantas vezes abusei. Não sou digno de Vos servir, já que me escravizei ao Demônio. Se quiserdes tratar-me como mereci, minha morada será o Inferno.

Porém, ó Deus, meu Salvador, infinita é a misericórdia do Vosso Coração, como o provam meus próprios pecados; pois, se não fosse infinita, jamais teria suportado o mal infinito dos meus pecados. Ó Jesus, tende piedade de mim, segundo a Vossa grande misericórdia. Com instância peço indulgência e espero que perdoeis a este mísero pecador. Pesa-me sinceramente dos pecados cometidos e proponho firmemente servir-Vos de agora em diante com fidelidade e amar-Vos com fervor. Amém.


_____________________

Fonte: Rev. Pe. Pedro Arnoudt, S.J., “A Jesus os Corações ou Imitação do Sagrado Coração de Jesus”, 1ª Parte, Cap. VII, pp. 40-43; Editora Vozes Ltda, Petrópolis-RJ, 1941.


domingo, 26 de junho de 2022

Deve purificar o coração, quem deseja imitar o Coração de Jesus.


1. Jesus. Filho, se queres granjear a amizade do Meu Coração e gozar a inefável doçura da sua familiaridade, purifica de todo mal o teu coração.

Teu Amado, puro e sem mácula, compraz-se entre os lírios.

Como poderá haver união entre Meu Coração e o teu, se não o purificares assiduamente?

Ai, meu filho! Que coração é o teu! Nascido no pecado, morada dos Demônios, poluído e deformado por tantas máculas, inclinado com veemência ao mal e tristemente afastado dos bens superiores, fomentando afeições desordenadas, geradoras de pecados, cheio do mundo e de si mesmo, habituado a considerar-se como fim de todas as suas ações!

2. É para admirar que ouses convidar-me a visitar um tal coração, a morar entre tantas imundícies.

O coração perverso me é abominável, o coração impuro provoca-Me náuseas. Como poderia comprazer-Me em tê-lo por morada? Busco um coração puro. Minhas delícias consistem em habitar nele e recrear-Me entre os lírios.

Por conseguinte, quem ama a pureza do coração gozará da Minha Presença e por experiência conhecerá a ternura e divina suavidade do Meu Coração.

3. Não te iludas, filho, julgando andar bem, quando teu proceder exterior é correto, visto ser principalmente o coração que Eu considero.

De que te servirá agradar pelo exterior a todas as criaturas, se no íntimo Me desagradares?

Se teu coração for puro, serás todo puro. Pois do teu íntimo procedem os maus pensamentos, impurezas, fraudes, detrações, enfim, todos os males.

Torne-se puro o teu coração, e nada te impedirá de alcançar suavemente a íntima união Comigo e saborear plenamente a doçura do Meu Coração. Se, porém, te afastares do mal apenas exteriormente e não extirpares do teu coração o pecado, nunca estarás isento de vícios. Mas estes propagar-se-ão dez vezes mais no teu íntimo do que os poderias evitar no exterior. E enquanto tua conduta externa parece irrepreensível, és oprimido sob o peso dos males internos.

4. Eia, meu filho, prepara-Me em teu coração límpida morada, e Eu, a ele vindo, serei todo teu e tu todo Meu. Haverá entre nós admirável intimidade e união só conhecida dos que a experimentaram.

Sê generoso e começa sem detença esta obra de tão grande importância. Não sentirás verdadeira alegria, enquanto não a completares.

A muitos o receio da dificuldade impede a perfeita purificação do coração. É astúcia do Demônio. Este antigo Inimigo da salvação humana, sabendo que da verdadeira e total purificação do coração dependem não só a tua salvação e perfeição, mas também a do próximo e principalmente a Minha glória, envida todos os esforços para impedi-la. Não prestes ouvidos às sugestões do artificioso Inimigo, a quem pouco importa obter o seu fim por meio de verdades ou mentiras.

Reza, porém, pede a graça divina e com ela põe virilmente mãos à obra. Verás todas as dificuldades dissiparem-se diante da tua intrepidez e até ficarás maravilhado, encontrando maiores consolações onde julgavas haver maiores obstáculos.

5. Discípulo. Rogo-Vos com instância, ó Senhor, criai em mim um coração puro e renovai no meu íntimo o espírito de retidão.1

Todo o meu coração está coberto de máculas. Sua infecção contaminou-me as faculdades da alma e os sentidos do corpo. Ai, Senhor! Que há em mim isento de mácula ou absolutamente puro? Enviai, eu vo-lo rogo, a luz da Vossa graça a iluminar-me o espírito, para que conheça e chore todos os males praticados e todos os bens omitidos.

Oh! Quanto me arrependo, ó dulcíssimo Jesus, de ter profanado indignamente a Vossa morada, de Vos ter ofendido, afligindo o Vosso Coração! Lamento, ó meu Sumo Bem, lamento e detesto todos os meus pecados. Confesso minha malícia e ingratidão, implorando a misericórdia do Vosso Coração.

Senhor, se quiserdes, podeis limpar-me. Lavai-Me, eu vo-lo rogo, da minha iniquidade e purificai-Me do meu pecado. E mesmo dos delitos ocultos e das faltas alheias, purificai-Me o coração.

Vinde, Jesus, vinde ao meu coração. Fazei um chicote com as cordas do santo temor, da viva gratidão e do puro amor, e expulsai todos os que profanam essa Vossa morada. A nenhum deles darei jamais entrada. Vossa casa chamar-se-á casa de oração; aí Vos hei de oferecer minhas homenagens e meu amor e entreter-me Convosco.


Fonte: Rev. Pe. Pedro Arnoudt, S.J., “A Jesus os Corações ou Imitação do Sagrado Coração de Jesus”, 1ª Parte, Cap. VI, pp. 36-39; Editora Vozes Ltda, Petrópolis-RJ, 1941.


______________________

1.  Salm. 50, 12.


quarta-feira, 22 de junho de 2022

Novena em Honra do Sagrado Coração de Jesus. 9º Dia.


Sinal da Cruz


Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.1


Invocação ao Divino Espírito Santo2


Vinde, ó Espírito Santo, enchei os corações de vossos fiéis e acendei neles o fogo de vosso amor.

V. Enviai o vosso Espírito e tudo será criado.

R. E renovareis a face da terra.

Oremos: Ó Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com a luz do Espírito Santo, concedei-nos que pelo mesmo Espírito, conheçamos tudo o que é reto e sempre gozemos de Suas consolações. Por Cristo Nosso Senhor. Amém.



Ato de Contrição


Prostrados perante o Sacrário ou diante de uma imagem de Nosso Senhor, persignar-se e rezar:


Meu Senhor Jesus Cristo. Deus e homem verdadeiro, Criador e Redentor meu, por serdes Vós quem sois, sumamente bom e digno de ser amado, e porque Vos amo e estimo sobre todas as coisas, pesa-me, Senhor, de todo o meu coração de Vos ter ofendido, pesa-me também, por ter perdido o Céu e merecido o Inferno, e proponho firmemente ajudado com o auxílio de vossa divina graça, emendar-me e nunca mais Vos tornar a ofender, espero alcançar o perdão de minhas culpas, pela vossa infinita misericórdia. Amém.


V. Vinde, ó Deus , em meu auxílio.

R. Apressai-Vos, Senhor, em me socorrer.

V. Glória ao Pai, e ao Filho e ao Espírito Santo.3

R. Assim como era no princípio, agora e sempre e por todos os séculos dos séculos. Amém.



NOVENA4


9º Dia


Consideração: Há por ventura na ordem natural alguma coisa mais luminosa e mais útil do que o sol? Quid lucidius sole?.5 Este grande planeta com a sua resplandecente luz dissipa as trevas, a fim de podermos andar seguros pelo caminho, com o seu calor faz brotar e crescer ervas, flores, e frutas, doura e esquenta os vales e montes, vivifica e fecunda a natureza toda, inspira-nos alegria e traz-nos abundância. Como também na ordem espiritual, o Coração de Jesus, que é o Sol divino, o Sol de justiça, O qual derrama luzes de verdade de uma parte a outra do mundo, sobre todos os homens que vem a este mundo, em todos os tempos. É por Ele que existimos, vivemos e obramos. Assim como para gozarmos dos benéficos influxos do sol material, basta que encaremos para ele, assim para que o Coração de Jesus derrame sobre nós os seus abundantes dons não carece outra coisa senão apresentar-mo-nos em sua presença e invocá-lO.



Toda a nossa Perfeição consiste

em imitar o Coração de Jesus6


Jesus. Filho, toda a tua perfeição consiste em te assemelhares com o Meu divino Coração. Meu Coração é o Coração do Verbo de Deus, a norma de todas as virtudes, a própria Santidade.

Por conseguinte, quem imita o Meu Coração, imita seu Deus e Salvador, que é a mesma Santidade.

Sendo, portanto, o Meu Coração o Modelo da perfeição e a Fonte de toda graça, dele aprenderás os meios para santificar-te, haurindo ao mesmo tempo a fortaleza para bem proceder.

Se queres, pois, ser perfeito, imita o Meu Coração e, quanto mais lhe fores semelhante, tanto mais perfeito serás.

Meu Coração é humilde, e a humildade é a base da verdadeira santificação. Se não aprenderes do Meu Coração a humildade, jamais possuirás esta virtude e apenas de nome a conhecerás.

Se quiseres colocar sobre outro fundamento o edifício da perfeição, não permanecerá de pé, mas ao sopro do menor vento desabará, sendo grande sua ruína.

Meu Coração também é manso e cheio de caridade: a caridade, porém, é a perfeição da santidade.

Teu coração nunca arderá nas chamas da verdadeira caridade, se não for inflamado por aquele fogo de amor que abrasa o Meu.

Ai de ti, se outro fogo se acender em teu coração, abrasando-te, porém, para tua perdição!

Jamais alcançarás virtudes sólidas, nem atingirás a santidade, a não ser imitando o Meu Coração.

Embora deres sinais de virtude e pareceres Meu devoto, sem que teu coração imite o Meu, toda a tua piedade será apenas mera atitude exterior.

Não há esperança de perfeição, se não tomares por modelo o Meu Coração.

Assim foi desde o princípio do mundo, pois já a Lei Antiga prenunciava quais seriam os sentimentos do Meu Coração, e ninguém foi admitido entre os eleitos, sem ter impressas no seu coração as qualidades do Meu.

Desde o início da Igreja até hoje, sempre foi o Meu Coração a santificação dos Apóstolos, a fortaleza dos Mártires, a constância dos Confessores, a pureza das Virgens, a perseverança dos Justos e a perfeição de Todos os Santos.

Coragem, pois, meu filho! Segue o Meu Coração para onde quer que Ele te conduza. Quanto de mais perto O seguires, tanto mais te aproximarás da perfeição consumada.

Da imitação do Meu Coração provém o cumprimento perfeito da Lei inteira e toda a santidade.

É sinal certo de predestinação o esforço assíduo para imitar o Meu Coração.

Discípulo. Ó doce Jesus, Fonte de vida e graça, animai-me com vosso auxílio a estudar e imitar o vosso Coração, norma de virtude e exemplar da santidade. Libertai o meu coração de toda ilusão ou empecilho. Fazei que Vos procure com afeto puro e simples, revestindo-me de vossos sentimentos interiores e das disposições do vosso Coração e assim assemelhando-me profundamente a Vós.

Ai, Senhor! Quão dissemelhante é o meu coração do vosso! Quão pouco até hoje trabalhei para reproduzir em minha vida a vida do vosso Coração!

Oxalá não me houvesse esforçado por perverter o meu coração e afastá-lo do vosso! Ó cegueira e insensatez da minha alma! Compadecei-Vos de mim, Senhor Jesus, compadecei-Vos de mim segundo a grande misericórdia de vosso Coração!

Quantos homens não viveram tanto tempo como eu, nem tiveram os mesmos meios, e todavia se santificaram, tornando-se fervorosos discípulos do vosso Coração! E eu ainda não possuo sequer o início da santidade, pois sou pecador.

É tempo, Senhor, é tempo que comece a obra da minha santificação até hoje negligenciada. Anima-me e estimula-me o pensamento de que ainda posso santificar-me, tornar-me discípulo do vosso Coração, distinguir-me por esse felicíssimo sinal de predestinação.

Levantai-me o ânimo, ó Bom Jesus, dai-me auxílio e coragem. Eis que agora vou começar.



Maria Santíssima

é o caminho que leva-nos

ao Sagrado Coração de Jesus7


Quem quer o fruto deve ir à árvore; ora, Jesus é o fruto do seio de Maria; para chegar ao Coração de Jesus, ser-nos-á necessário ir a Maria. Ninguém pode vir a Mim, dizia o Divino Salvador, se Meu Pai não o trás8, a princípio por Sua graça, e também, parece ajuntar, se Minha Mãe não o atrai por Suas orações. Com muita razão esta doce Rainha é chamada por São Bernardo a roubadora dos corações, porque Ela arrebatou o Coração de Jesus para o dar aos homens, para os atrair ao Coração de Jesus.

Maria, com efeito, arrebatou o Coração de Seu Deus por Suas sublimes virtudes, principalmente por Sua fé, por Sua humildade e por Sua caridade.

A Ela é que se dirigia o Esposo divino, quando dizia à Sua esposa: Feristes o Meu Coração por um de vossos olhos e por um de vossos cabelos9. Este olho da esposa designa a fé da Santíssima Virgem, que A tornou tão agradável ao Coração do Filho de Deus; e este cabelo simboliza a humilde opinião que Ela tinha de Si, pois, nada mais insignificante que um cabelo. Esta humildade de Maria atraiu o Verbo Divino do Seio do Pai Eterno para o Seu seio virginal. Mas por Sua ardente caridade principalmente, Maria pareceu tão bela aos Olhos Divinos, que o Filho Unigênito de Deus quis descer ao Seu seio para se fazer homem; o que faz São Bernardo soltar dos lábios esta bela exclamação: Eis aqui então uma Virgem que, por Seu amor, feriu e cativou o Coração de Deus!

Maria conduz para este Coração Divino os corações dos homens, que seus atrativos maternais conquistam. O Senhor disse um dia à Santa Catarina de Sena: Eu criei Maria, esta filha muito amada, como um delicioso encanto para tomar e atrair a Mim os corações dos homens, e principalmente os dos pecadores. Este texto dos Provérbios: O coração de seu esposo confia nela, e não lhe faltarão despojos10, pode-se aplicar a Maria: porque Deus pôs o Coração de Jesus nas mãos desta Virgem bendita a fim de que se ocupe com esmero em O fazer amado dos homens; ora, desta maneira Ele não poderia deixar de conquistar despojos, isto é, almas, porque Maria O enriquece com todas as que Sua poderosa proteção arrebata ao Inferno. Oh! Quantos pecadores obstinados são atraídos todos os dias a Deus por este ímã dos corações, como a Si mesma se nomeou a Virgem Santíssima, falando a Santa Brígida: Como o ímã atrai o ferro, diz Ela, assim Eu atraiu os corações mais endurecidos para os reconciliar com Deus.


Súplica: Coração de Jesus, valei-me durante a vida, na morte e por toda a eternidade.

Prática: Neste último dia da novena, consagramos de um modo solene e irrevogável o nosso coração a Jesus Cristo.

Jaculatória: Misericórdia Divina incarnada no Sagrado Coração de Jesus, cobri o mundo e derramai-vos sobre nós. (Indulgenciada).

Resoluções: Não deixarei passar um dia sem fazer alguma coisa em honra do Coração de Jesus.



Ladainha do Sagrado Coração de Jesus11


Senhor, tende piedade de nós.

Jesus Cristo, tende piedade de nós.

Senhor, tende piedade de nós.


Jesus Cristo, ouvi-nos.

Jesus Cristo, atendei-nos.


Pai Celeste, que sois Deus, tende piedade de nós.

Filho, Redentor do mundo, que sois Deus, tende piedade de nós.

Espírito Santo, que sois Deus, tende piedade de nós.

Santíssima Trindade, que sois Um só Deus, tende piedade de nós.


Coração de Jesus, Filho do Pai eterno, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, formado pelo Espírito Santo no seio da Virgem Mãe, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, unido substancialmente com o Verbo de Deus, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, de Majestade infinita, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Templo santo de Deus, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Tabernáculo do Altíssimo, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Casa de Deus e Porta do Céu, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Fornalha ardente de caridade, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Receptáculo de justiça e de amor, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, cheio de bondade e de amor, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Abismo de todas as virtudes, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, digníssimo de todo o louvor, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Rei e Centro de todos os corações, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, no qual estão todos os tesouros da sabedoria e ciência, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, no qual habita toda a plenitude da Divindade, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, no qual o Pai pôs toda a complacência, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, de cuja plenitude todos nós recebemos, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, o desejado das Colinas eternas, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, paciente e de muita misericórdia, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, rico para todos os que Vos invocam, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Fonte de vida e santidade, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, propiciação por nossos pecados, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, saciado de opróbrios, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, esmagado de dor por causa de nossos pecados, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, feito obediente até a morte, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, atravessado pela lança, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Fonte de toda a consolação, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, nossa vida e ressurreição, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, nossa paz e reconciliação, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Vítima dos pecadores, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Salvação dos que em Vós esperam, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Esperança dos que morrem em Vós, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Delícias de todos os Santos, tende piedade de nós.


Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, ouvi-nos, Senhor.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós.


V. Jesus, manso e humilde de Coração.

R. Fazei o nosso coração semelhante ao vosso.


Oremos: Deus onipotente e sempiterno, olhai o Coração do vosso diletíssimo Filho, e os louvores e reparações que pelos pecadores Vos tem tributado; e aos que invocam vossa misericórdia, Vós, aplacado, sede fácil no perdão, pelo Nome de Jesus Cristo, que conVosco vive e reina pelos séculos dos séculos. R. Amém.


_______________________

1.  Concede-se indulgência parcial ao fiel que faça devotamente o Sinal da Cruz, proferindo as palavras costumeiras: Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém. (Manual das Indulgências, ob. cit., n. 55).

2.  Manual das Indulgências – Normas e Concessões, Cap. “Outras Concessões” – Concessão 62, p. 72. Editora Paulus, 2ª Edição, São Paulo, 1990.

3.  Indulgência parcial. (Manual das Indulgências, ob. cit., Apêndice).

4.  “Manual das Missões e Devocionário Popular”, por um Padre das Missões, pp. 236-246; 1908.

5.  Eccl., XVII, 30.

6.  Rev. Pe. Pedro Arnoudt, S.J., “A Jesus os Corações ou Imitação do Sagrado Coração de Jesus”, 1ª Parte, Caps. III ao X, e, XII, pp. 29-55.59-67; Editora Vozes Ltda, Petrópolis-RJ, 1941.

7.  Pe. Saint-Omer, C.Ss.R., “O Sagrado Coração de Jesus segundo Santo Afonso de Ligório”, Introdução, 3º Dia, pp. 25-26; 5ª Edição, Typographia de Frederico Pustet, Ratisbona, 1926.

8.  Jo. 6, 44.

9.  Cânt. 9, 4.

10.  Prov. 31, 11.

11.  Missal Quotidiano e Vesperal, por Dom Gaspar Lefebvre, O.S.B., pp. 1954-1956; Abbaye de S. André, A.S.B.L. Bruges, Desclée de Brouwer & Cie, Bruges – Bélgica, 1951.


Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...