Blog Católico, para os Católicos

BLOG CATÓLICO, PARA OS CATÓLICOS.

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

segunda-feira, 30 de março de 2020

Proibi-me a Reta Razão, de Ser Livre Pensador.


Livre Pensamento
ou Liberalismo em
Matéria de Religião

Pretendem os livres pensadores, que cada qual tem liberdade de pensar e crer o que lhe aprouver com referência às questões religiosas; que, em consequência disto, cada um pode ser ateu, panteísta, materialista, darwinista, positivista, fatalista ou cético ou qualquer outra coisa. Vai-se mais adiante, e diz-se, que cada um tem o direito de dizer o que pensa e crê, podendo manifestar as suas opiniões de viva voz ou por escrito, e que, em toda a sociedade regularmente constituída, o direito de liberdade de consciência e de cultos deve ser reconhecido e garantido pela lei.

Este sistema vai esbarrar-se com as contradições já apontadas,1 mas além disto envolve outras próprias.

§ 1º

Contradições Relativas ao Livre Pensamento

I

Em uma questão, que interessa a minha felicidade e a de minha família, a minha felicidade pessoal e a dos que me são caros, horrorizar-me-ia pensar e dizer que tenho a liberdade de tomar o partido que me aprouver, sem me importar com a opinião e convicção dos homens mais sensatos e respeitáveis. Mas sendo livre pensador, eu poderia em plena independência tomar o partido, que me conviesse, com referência às questões religiosas, sem me importar com a opinião e convicção racional dos homens que com maior seriedade a aprofundaram, os mais competentes para julgá-la. Primeira contradição.

II

A minha razão e a minha consciência repelem com toda a energia a liberdade de fazer tudo, como princípio execrável, o qual tornaria a terra o receptáculo imundo de todas as malversações.2

Mas, como livre pensador, deveria admitir a liberdade de fazer tudo, consequência lógica e irresistível da liberdade de pensar. Segunda contradição.

III

Nas artes, nas ciências físicas, em literatura, direito, medicina, o livre pensamento é aos olhos da minha razão verdadeira loucura.

Mas, sendo livre pensador, eu deveria, nas questões religiosas, que sem dúvida, são muito mais importantes a todos os respeitos, dar a esse sistema o nome de verdadeira filosofia. Terceira contradição.

IV

Assim como a minha vontade não é soberana, porque, quer queira, quer não, depende mais ou menos dos meus semelhantes, e até dos seres inanimados, também a minha inteligência o não é, porque em grande número de ocasiões sou forçado a reconhecer que ela precisa do auxílio de outrem, ou até que, entregue a si mesma, se enganou.

Mas, como livre pensador, eu havia de reconhecer-lhe o direito de não precisar de ninguém para atingir a verdade; e até a declararia independente de Deus, cuja existência e soberania absoluta eu tenho demonstrado invencivelmente. É a quarta contradição.

§ 2º

Contradições Relativas à Manifestação do Livre Pensamento

I

Não posso abster-me de reconhecer que o direito, atribuído a cada um de manifestar pela palavra e pela pena os seus pensamentos e opiniões quaisquer, é princípio cuja aplicação daria livre curso a todos os erros, ainda os mais monstruosos; aos vícios mais abjetos; às devassidões do espírito, do coração e dos sentidos; destruiria a sociedade, a família, legitimaria todas as desordens possíveis, e arrastaria a humanidade à última degradação.

Este princípio é pois essencialmente falso em si mesmo, e, aplicado às questões religiosas, fica falso e detestável, como por natureza o é.

Mas, sendo livre pensador, deveria sustentá-lo apesar de tudo, e afirmar que a árvore é sempre boa, embora os frutos sejam essencialmente maus e pestilentos. Quinta contradição.

II

O erro é o mal da inteligência, como o vício é o mal da vontade; não posso pois admitir racionalmente o direito de semear o erro, como não posso aceitar o direito de fomentar a imoralidade ou a injustiça; só me cumpre proclamar como absurda e abominável a liberdade de corromper as inteligências por falsas doutrinas, e de cometer assim um crime igual ao envenenamento das fontes públicas e ainda outros mais odiosos; porque, segundo o profundo pensamento de Santo Agostinho, “a morte das almas pela liberdade do erro é o pior dos envenenamentos”.

Mas, como livre pensador, eu só poderia autorizar e preconizar essa liberdade sacrílega, e chamá-la direito inviolável. Sexta contradição.

III

Se algum espírito extravagante se propusesse proclamar o direito universal de publicar teorias falsas e funestas à indústria, ao comércio, à agricultura, à economia, à saúde pública, diria logo, com toda a energia do mais simples bom senso revoltado, indignado: é absurdo, insensato e criminoso.

Mas, o livre pensador, seria forçado a dizer, para ser consequente, que é um direito tão legítimo como o de publicar livremente e sem reserva em matéria de religião, opiniões quaisquer. Sétima contradição.

IV

Uma lei contrária à retidão natural do espírito humano e ao bem público, longe de merecer este nome, é uma desordem intelectual e moral, que a razão e a consciência pública repelem como um flagelo para o povo, condenado a suportá-la. Mas querer que a lei reconheça e assegure a liberdade de consciência e de cultos, é querer que se coloque em oposição direta com a sã razão, e que organize a desordem em matéria de religião na sociedade; é querer que o legislador proclame oficialmente, que não há erro nem verdade: ou que ambos tem os mesmos direitos a serem protegidos; e como estas ideias exercem uma influência incontestável sobre os costumes, é querer que as ideias más tenham o direito legal de corromper os costumes.

Todo o meu ser racional e honesto se insurge contra semelhante doutrina.

Mas, o livre pensador é arrastado a defender este absurdo frisante e repugnante. Oitava contradição.

V

Seria razoável o homem, que admitisse em uma sociedade regularmente constituída, que a lei deva reconhecer e assegurar a todas as escolas médicas o direito de praticar indiferentemente todos os sistemas de terapêutica e de higiene, ainda aqueles que fossem prejudiciais ao corpo e comprometessem a vida? Não, por certo, e seria estulta semelhante hipótese.

Mas, o livre pensador deveria admitir que o mesmo cumpria praticar para com todos os cultos e sociedades religiosas; e que as que fossem nocivas à saúde da alma e comprometessem os interesses incomparavelmente superiores da vida eterna, pelos seus dogmas e práticas, tem direito para serem reconhecidas e protegidas exatamente como aquelas cujos efeitos sejam contrários. Nona contradição.3


Fonte: Cônego E. Barthe, “Motivos da Minha Fé Religiosa”, 1ª Parte, Cap. VIII, pp. 137-143. 2ª Edição, J.J. de Mesquita Pimentel – Editor, Porto, 1882.

___________________
1Ateísmo, Panteísmo, Materialismo, Darwinismo Positivismo Fatalismo Ceticismo religioso...
2Corrupções, más gerências, más administrações.
3Não deve concluir-se desta discussão em oposição ao liberalismo em matéria de religião, que o Catolicismo receia a luta e a discussão. Bem pelo contrário, onde esta se travar entre o Catolicismo e qualquer Seita filosófica ou religiosa, o triunfo é certo para aquele. Nem essas discussões devem assustar, quando temos a certeza absoluta da vitória. Já Pascal dizia: “Pode assustar a violência da tempestade quando estamos em um navio que pode naufragar; mas é até um espetáculo imponente quando temos a certeza de ser impossível que o nosso navio sossobre”. Ate o liberalismo em matéria religiosa deixará de existir desde que se separe a questão pertinente à religião das questões que interessam aos partidos. Nos Estados Unidos da América, onde o Catolicismo aparece expurgado de tudo quanto é obra do homem, da sua ingerência na esfera dos partidos, ele progride a olhos vistos, sem embargo de não ter proteção direta da parte do Estado. Não podem ser iguais os direitos do bem e do mal, da verdade e do erro, da virtude e do vício; mas não se conclua daqui que o Catolicismo está ameaçado pela discussão e pelas oposições, que se levantem contra ele. Em seu abono tudo conspira: o sentimento, a razão, a história, a manifesta proteção que vem do Céu, fazendo resplandecer mais e mais as eternas verdades que foram reveladas aos homens.


Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...