Blog Católico, para os Católicos

BLOG CATÓLICO, PARA OS CATÓLICOS.

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

sábado, 18 de junho de 2022

Novena em Honra do Sagrado Coração de Jesus. 5º Dia.


Sinal da Cruz


Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.1


Invocação ao Divino Espírito Santo2


Vinde, ó Espírito Santo, enchei os corações de vossos fiéis e acendei neles o fogo de vosso amor.

V. Enviai o vosso Espírito e tudo será criado.

R. E renovareis a face da terra.

Oremos: Ó Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com a luz do Espírito Santo, concedei-nos que pelo mesmo Espírito, conheçamos tudo o que é reto e sempre gozemos de Suas consolações. Por Cristo Nosso Senhor. Amém.



Ato de Contrição


Prostrados perante o Sacrário ou diante de uma imagem de Nosso Senhor, persignar-se e rezar:


Meu Senhor Jesus Cristo. Deus e homem verdadeiro, Criador e Redentor meu, por serdes Vós quem sois, sumamente bom e digno de ser amado, e porque Vos amo e estimo sobre todas as coisas, pesa-me, Senhor, de todo o meu coração de Vos ter ofendido, pesa-me também, por ter perdido o Céu e merecido o Inferno, e proponho firmemente ajudado com o auxílio de vossa divina graça, emendar-me e nunca mais Vos tornar a ofender, espero alcançar o perdão de minhas culpas, pela vossa infinita misericórdia. Amém.


V. Vinde, ó Deus , em meu auxílio.

R. Apressai-Vos, Senhor, em me socorrer.

V. Glória ao Pai, e ao Filho e ao Espírito Santo.3

R. Assim como era no princípio, agora e sempre e por todos os séculos dos séculos. Amém.



NOVENA4


5º Dia


Consideração: O Coração de Jesus foi formado para nós no seio de Maria, palpitou, orou, e sofreu pela nossa salvação, foi quem ditou as páginas tão tocantes do Evangelho, e também a origem dos Sacramentos; foi este Coração, por sua Chaga misteriosa, quem deu princípio à Igreja primitiva, como ensinam os Santos Padres; é este Coração quem do Santo Tabernáculo a sustenta, e dirige e a consola; é este Coração quem inspira toda a submissão que santifica as nossas dores, e gera todas as nossas virtudes; é este Coração quem nos perdoa os nossos pecados no Santo Tribunal da Confissão; quem nos fala pelas inspirações interiores da sua graça; é quem na Eucaristia tem suas delícias em habitar entre nós. É, finalmente, este Coração a origem ou canal de todos os dons celestes. De fato, o Verbo Divino, tendo tomado na Encarnação um Coração humano, para fazer dele o órgão do seu amor infinito, lhe confiou por esta razão todo o ministério de bondade e misericórdia; desde então não há uma só graça, um só dom divino, que não dimane do Coração de Jesus.

Súplica: Ó amor, ó amor soberano do Coração de Jesus, qual será o coração que assaz te bendiga devotamente?... Viva pois este Coração sempre em nossos corações (São Francisco de Sales).

Prática: Fazei todas as vossas ações em união com o Coração de Jesus, a fim de chegardes a uma grande pureza de intenção.

Jaculatórias: Doce Coração de Jesus, sede meu amor.

Resoluções: Nunca deixarei de fazer a Comunhão reparadora mensal.



Aprendei de Mim,

que Sou Manso e Humilde de Coração,

e achareis descanso para as vossas almas.


Quanto ao que concerne aos assinalados favores que meu Salvador me fez a respeito da Devoção ao Seu Sagrado Coração, eu não saberia empreender relatá-los pormenorizadamente. Eis a respeito para satisfazer às ordens de minha Superiora. Foi que num dia de São João Evangelista, após ter recebido de meu divino Salvador uma Graça, pouco mais ou menos semelhante àquela que recebeu na noite da Ceia, esse bem-amado Discípulo, este divino Coração foi-me representado como num trono todo de fogo e de chamas, radiando de todo lado, mais brilhante que o sol, e transparente como um cristal. A Chaga que recebeu na Cruz, n’Ele aparecia visivelmente; havia uma coroa de espinhos ao redor deste Sagrado Coração, e uma Cruz em cima; e meu divino Salvador fez-Me conhecer que estes instrumentos de Sua Paixão significavam, que o imenso Amor que teve para com os homens, havia sido a Fonte de todos os Seus sofrimentos, e de todas as humilhações que quis sofrer por nós: que desde o primeiro instante de Sua Encarnação, todos estes tormentos e estes desprezos lhe haviam estado presentes, e que foi desde este primeiro momento que a Cruz foi, por assim dizer, plantada no Seu Sagrado Coração, que aceitou desde então para nos testemunhar Seu Amor, todas as humilhações, a pobreza, as dores, que a Sagrada Humanidade devia sofrer durante todo o curso de Sua Vida mortal, e os ultrajes a que o Amor O devia expor até o fim dos séculos sobre os altares no Santíssimo e Augustíssimo Sacramento.

Fez-me conhecer em seguida que o grande desejo que tinha de ser perfeitamente amado dos homens, Lhe fizera formar o desígnio de Lhes manifestar o Seu Coração, abrindo-lhes todos os tesouros de Amor, de Misericórdia, de Graças, de Santificação e de Salvação que contém, a fim de que todos os que quiserem prestar-Lhe e procurar-Lhe todo o amor e toda a honra que lhes fosse possível, fossem enriquecidos com profusão de Seus divinos tesouros de que este Sagrado Coração é a Fonte, assegurando-Me que tinha um prazer especial em ser honrado na Figura deste Coração de Carne, do qual queria que fosse a Imagem exposta em público: a fim, acrescentou, de tocar com este objeto o coração insensível dos homens, prometendo-Me que derramaria com abundância no coração de todos aqueles que O honrassem, (com) todos os Dons de que está cheio, e que em todas as partes onde esta Imagem fosse exposta para ser especialmente honrada, Ela atrairia toda a sorte de bênçãos: que, aliás, esta Devoção era como um último esforço de Seu Amor, que queria favorecer os Cristãos nestes últimos séculos, propondo-Lhes um objeto e um meio ao mesmo tempo tão próprios para convidá-los amorosamente a amá-Lo, e a amá-Lo solidamente.

Depois disto este divino Salvador me disse pouco mais ou menos estas palavras: “Eis, minha filha, o desígnio para o qual Te escolhi; é por isto que Te fiz tão grandes graças, e que tomei um cuidado tão particular de ti, desde o berço. Tornei-Me Eu mesmo teu Mestre e teu Diretor, só para dispor-te a receber todas estas grandes graças, entre as quais deves contar esta, como uma das mais assinaladas, pela qual Te descubro, e Te dou o maior de todos os tesouros, mostrando-Te, e dando-Te ao mesmo tempo o Meu Coração”. Então, prostrando-me com a face em terra foi-me impossível expressar meus sentimentos de outro modo que pelo meu silêncio, que interrompi em breve com as minhas lágrimas e com os meus suspiros.

Desde aquele tempo as graças de meu Soberano Mestre tornaram-se mais abundantes, o que fez que não podendo conter os sentimentos do ardente amor que sentia para com Jesus Cristo, eu procurava difundi-los pelas minhas palavras em todas as ocasiões, com o pensamento que tinha de que os outros recebendo as mesmas graças que eu, estivessem com os mesmos sentimentos. Mas fui disto dissuadida tanto pelo Reverendo Padre de la Colombière, quanto pelas grandes oposições que a isto encontrei...

O tempo que o meu divino Salvador havia destinado para esta Obra ainda não chegara; entretanto, cuidou Ele mesmo, como Me havia prometido, de me dispor segundo o Seu desejo, às graças que me queria fazer, mas só foi fazendo-Me graças ainda maiores do que aquelas que já me fizera. A primeira, foi que depois de uma Confissão Geral de toda a minha muito criminosa vida, logo após a absolvição, fez-Me ver um vestido mais branco que a neve ao qual chamava o vestido de Inocência, de que Me revestiu, dizendo-Me, parece-me, pouco mais ou menos estas palavras: “Minha filha, de agora em diante as faltas que cometeres, humilhar-te-ão muito, mas não Me obrigarão a afastar-Me de ti”. Em seguida, abrindo-Me pela segunda vez o Seu adorável Coração, acrescentou: “Eis aqui, o lugar de tua morada eterna, onde poderás conservar sem mácula, o vestido de Inocência de que revesti tua alma”. Desde aquele tempo não me lembro de ter jamais saído deste amável Coração. Encontro-me sempre Nele, mas de um modo e com sentimentos que não me é permitido exprimir: tudo o que posso dizer, é que habitualmente me encontro Nele como numa fornalha ardente de puro amor...”5.



Ladainha do Sagrado Coração de Jesus6


Senhor, tende piedade de nós.

Jesus Cristo, tende piedade de nós.

Senhor, tende piedade de nós.


Jesus Cristo, ouvi-nos.

Jesus Cristo, atendei-nos.


Pai Celeste, que sois Deus, tende piedade de nós.

Filho, Redentor do mundo, que sois Deus, tende piedade de nós.

Espírito Santo, que sois Deus, tende piedade de nós.

Santíssima Trindade, que sois Um só Deus, tende piedade de nós.


Coração de Jesus, Filho do Pai eterno, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, formado pelo Espírito Santo no seio da Virgem Mãe, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, unido substancialmente com o Verbo de Deus, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, de Majestade infinita, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Templo santo de Deus, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Tabernáculo do Altíssimo, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Casa de Deus e Porta do Céu, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Fornalha ardente de caridade, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Receptáculo de justiça e de amor, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, cheio de bondade e de amor, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Abismo de todas as virtudes, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, digníssimo de todo o louvor, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Rei e Centro de todos os corações, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, no qual estão todos os tesouros da sabedoria e ciência, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, no qual habita toda a plenitude da Divindade, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, no qual o Pai pôs toda a complacência, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, de cuja plenitude todos nós recebemos, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, o desejado das Colinas eternas, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, paciente e de muita misericórdia, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, rico para todos os que Vos invocam, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Fonte de vida e santidade, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, propiciação por nossos pecados, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, saciado de opróbrios, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, esmagado de dor por causa de nossos pecados, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, feito obediente até a morte, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, atravessado pela lança, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Fonte de toda a consolação, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, nossa vida e ressurreição, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, nossa paz e reconciliação, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Vítima dos pecadores, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Salvação dos que em Vós esperam, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Esperança dos que morrem em Vós, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Delícias de todos os Santos, tende piedade de nós.


Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, ouvi-nos, Senhor.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós.


V. Jesus, manso e humilde de Coração.

R. Fazei o nosso coração semelhante ao vosso.


Oremos: Deus onipotente e sempiterno, olhai o Coração do vosso diletíssimo Filho, e os louvores e reparações que pelos pecadores Vos tem tributado; e aos que invocam vossa misericórdia, Vós, aplacado, sede fácil no perdão, pelo Nome de Jesus Cristo, que conVosco vive e reina pelos séculos dos séculos. R. Amém.


_______________________

1.  Concede-se indulgência parcial ao fiel que faça devotamente o Sinal da Cruz, proferindo as palavras costumeiras: Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém. (Manual das Indulgências, ob. cit., n. 55).

2.  Manual das Indulgências – Normas e Concessões, Cap. “Outras Concessões” – Concessão 62, p. 72. Editora Paulus, 2ª Edição, São Paulo, 1990.

3.  Indulgência parcial. (Manual das Indulgências, ob. cit., Apêndice).

4.  “Manual das Missões e Devocionário Popular”, por um Padre das Missões, pp. 236-246; 1908.

5.  Carta 5, de S. Margarida M. Alacoque ao seu Confessor, o Padre João Croiset, S.J.; cfr. Pe. J. Croiset, S.J., ob. cit., pp. 75-80.

6.  Missal Quotidiano e Vesperal, por Dom Gaspar Lefebvre, O.S.B., pp. 1954-1956; Abbaye de S. André, A.S.B.L. Bruges, Desclée de Brouwer & Cie, Bruges – Bélgica, 1951.


Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...