Blog Católico, para os Católicos

BLOG CATÓLICO, PARA OS CATÓLICOS.

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2022

Sobre o Pecado Venial


Adoremos Nosso Senhor – o Pontífice Santo, puro, inocente, segregado dos pecadores: Sanctus, innocens, impollutus, segregatus a peccatoribus (Heb. 7, 26). Sua santidade era tão manifesta que Ele não temia dizer a seus inimigos: “Quem de vós me acusará de pecado? – Quis ex vobis arguet me de peccato (Jo. 8, 46)?

Ele preservou sua Santa Mãe da mancha da menor falta venial e repetia a seus discípulos: “Quem no pouco é iníquo, também nas coisas maiores é iníquo: Qui in modico iniquus est, et in maiori iniquus est” (Luc. 16, 10). Agradeçamos a este bom Mestre as lições que nos deu, e supliquemos-Lhe que imprima em nosso coração profundo ódio ao pecado venial.

1º. Ponto. O mal do pecado venial. O pecado venial é uma ofensa a Deus; cometendo-o, eu desgosto a Deus; não extingo em mim o Espírito Santo, mas O contristo. Ora, o menor mal feito a Deus é infinitamente maior que todos os males feitos à criatura. Nenhuma razão posso imaginar que me autorize a cometer o pecado venial. Por mais venial que eu o imagine, é de fé que jamais entrará comigo ou eu com ele no Reino dos Céus.

Deus o castiga muitas vezes neste mundo com as funções mais terríveis e, após a morte, as chamas do Purgatório esperam as almas culpadas com algum pecado venial.

2º. Ponto. Consequências do pecado venial. O pecado venial resfria a amizade de Deus para conosco e é um obstáculo à familiaridade do Senhor; priva-nos de uma multidão de graças; conduz-nos lentamente ao pecado mortal: “Quem no pouco é iníquo, também nas coisas grandes é iníquo”.

É pelo pecado venial que se perde insensivelmente o horror ao pecado mortal. A princípio basta o nome de pecado mortal para nos fazer estremecer, pouco a pouco se contrai o hábito e a familiaridade com ele. Entre o pecado venial e o pecado mortal, há muitas vezes pouca diferença, a distância é quase imperceptível. Percebo eu sempre bem essa diferença? E, ainda quando eu confie plenamente em minhas luzes, posso ignorar que sou fraco, que sou a mesma fraqueza?

Terei eu sempre força para me deter, para não cair, nunca, em pecado mortal – já que o pecado venial e o mortal se tocam? Diz São Gregório: “Quando nos deixamos levar a pecados veniais, chegamos a não temer cair em pecados mais graves”.

O que o faz concluir: A lei da virtude que havemos de seguir é: foge dos vícios por mais leves que sejam e evita todas as negligências.

 

Exemplo

O Reverendo Pe. Peillon, que morreu como diretor do grande Seminário de Clermont, fugia de sua pátria para evitar a perseguição. No momento em que ia passar a fronteira espanhola com um de seus confrades, esteve para ser preso e condenado à morte, por não se ter submetido ao juramento. Achava-se em uma hospedaria, quando lhe dão a notícia da chegada dos “azuis” para a visita da hospedaria. O Rev. Pe. Peillon e seu companheiro, vendo fechadas todas as saídas, dispõem-se a buscar esconderijo debaixo da cama. Antes, porém, ele se dirige à hospedeira e lhe diz: “Não minta, porém; se lhe perguntarem se há Padres em casa, diga que há dois escondidos debaixo da cama”. A hospedeira cumpre a ordem que lhe fora imposta; mas os soldados entenderam que ela estava a zombar deles. Zangam-se, blasfemam e se retiram; nem ousam olhar para aquele lado, tal era o receio de serem burlados.

Resolução: Evitar com cuidado as menores faltas.

Ramalhete Espiritual: Foge do pecado como da serpente: “Quase a facie colubri fuge peccata” (Eccl. 21, 2).

 

Fonte: D. Antônio de Almeida Lustosa, Arcebispo do Pará, “Meu Livro Inseparável”, 1ª Meditação, pp. 7-9. Rio de Janeiro, 1940.

Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...