Blog Católico, para os Católicos

BLOG CATÓLICO, PARA OS CATÓLICOS.

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

segunda-feira, 10 de janeiro de 2022

Martinho Lutero, o Orgulhoso Mestre da Mentira.


Lutero, para refutar tudo o que se lhe objetava contra o perigo da leitura da Bíblia concedida a todos, diz: “Se alguém vos atacar, e pretender, que a Escritura é obscura, e que é necessário pedir auxílio aos comentários dos Padres, respondei: Não é verdade; jamais se escreveu na terra livro mais claro do que a Bíblia”.1

Reconhecera, antes de morrer, que a Escritura Sagrada tem mistérios e profundezas insondáveis, diante das quais, o homem deve inclinar-se humildemente. (Pouco antes, escreveu em latim as palavras seguintes: “Ninguém, sem que tenha sido pastor cinco anos, pode compreender as Bucólicas de Virgílio; ninguém pode compreender as Geórgicas, sem ter sido lavrador cinco anos; ninguém pode entender as Cartas de Cícero, se não governar um Estado durante 20 anos. Quanto à Sagrada Escritura, ninguém pode apreciá-la devidamente, sem ter governado a Igreja durante 100 anos, com os Profetas Elias e Eliseu, com São João Batista, Cristo e os Apóstolos… Somos uns mendigos, esta é a verdade”). Mas, sempre consequente consigo, falava com o tom de arrogância e de orgulho, que lhe era natural, no testamento, onde consignara suas últimas vontades, com desprezo de todas as formas da justiça humana.2


__________________

1.  Dr. João Alzog, “História Universal da Igreja”, Tomo III, 3º Período, 1ª Época, Cap. I, Art. CCCVI, pp. 28-29. Tradução de José Antônio Freitas; Ernesto Chardron – Editor, 1882.

2.  Dr. João Alzog, ob. cit., Art. 319, p. 67.


Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...