Blog Católico, para os Católicos

BLOG CATÓLICO, PARA OS CATÓLICOS.

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

terça-feira, 24 de agosto de 2021

Dos Admiráveis Efeitos do Amor Divino.


1. Alma Fiel. Bendito sejais, Pai do Céu, Pai do meu Senhor Jesus Cristo, por Vos haverdes dignado lembrar-Vos de mim, pobre criatura.


Pai das misericórdias e Deus de toda consolação,1 graças Vos dou porque, apesar de minha indignidade, me confortais algumas vezes com as vossas consolações.


Sede para todo sempre bendito e glorificado com o vosso Filho Unigênito e o Espírito Santo Consolador, por todos os séculos dos séculos.


Meu Deus e Senhor, Santo Amigo de minha alma, quando descerdes ao meu coração, de alegria exultarão as minhas entranhas.


Sois a minha glória e o júbilo de minha alma. Esperança minha e meu refúgio no dia da tribulação.


2. Mas porque ainda é fraco o meu amor e imperfeita a minha virtude, preciso ser por Vós fortalecido e consolado; visitai-me, pois, Senhor, mais vezes e ensinai-me a vossa santa doutrina.


Livrai-me das paixões más, e curai meu coração de todas as afeições desregradas, para que sarado e purificado interiormente me torne apto para amar, forte para sofrer, firme para perseverar.


3. Grande coisa é o amor! Bem verdadeiramente inestimável. Só ele torna leve o que é pesado e suporta com igualdade de alma todas as desigualdades da vida. Leva a sua carga sem lhe sentir o peso e torna doce e saboroso tudo o que é amargo.


O amor generoso de Jesus impele a grandes cometimentos e excita-nos sempre ao mais perfeito.


O amor aspira a elevar-se e não se detém em coisas baixas.


O amor deseja ser livre e desembaraçado de toda afeição mundana para que o seu olhar penetre até Deus sem obstáculos e não seja retardado por nenhum bem nem abatido por nenhum mal da terra.


Nada mais doce que o amor, nada mais forte, nada mais sublime, nada mais amplo, nada mais delicioso, nada mais perfeito nem melhor no Céu e na terra; porque o amor vem de Deus e só em Deus, acima de todas as criaturas, pode descansar.


4. Quem ama corre, voa, vive alegre, é livre e nada o embaraça.


Dá tudo para possuir tudo e tudo possui em todas as coisas, porque sobre todas descansa no Único Sumo Bem, do qual dimanam e procedem todos os bens.


Não considera os dons, mas Aquele que os dá e O prefere a todos os bens.


O amor muitas vezes não conhece medida; a toda medida excede o seu ardor.


Nada lhe pesa, nada lhe custa; quer mais do que pode, não alega impossibilidades, porque julga que tudo lhe é possível e permitido.


Por isso tudo pode, realiza e leva a termo muitas coisas que esmorecem e prostram a quem não ama.


5. O amor está sempre vigilante e ainda no sono não dorme.


Nenhuma fadiga o cansa, nenhuma angústia o oprime, nenhum terror o amedronta; como chama viva e labareda ardente irrompe para o alto e passa livre.


Quem ama compreende o brado do amor. Bem alto clama aos ouvidos de Deus o afeto da alma abrasada que diz: “Meu Deus! Meu amor! Sois todo meu, e eu, todo vosso”.


6. Dilatai-me no amor para que eu aprenda a saborear no fundo do coração como é doce amar, e a derreter-me e nadar no vosso amor.


Empolgue-me o amor e eleve-me acima de mim mesmo nos transportes de seu enlevo.


Entoe o cântico do amor; siga-Vos nas alturas, Amado de minha alma, e em júbilos de amor desfaleça nos vossos louvores.


Ame-Vos mais que a mim; e a mim não ame senão por Vós, e em Vós ame todos os que deveras Vos amam, como ordena a lei do amor que de Vós irradia.


7. O amor é pronto, sincero, piedoso, alegre e afável, forte, sofredor, fiel, prudente, magnânimo, varonil e nunca busca a si mesmo, porque desde que alguém busca a si mesmo cessa logo de amar.


O amor é circunspecto, humilde e reto; sem moleza, sem leviandade nem preocupação de coisas vãs; sóbrio, casto, perseverante, tranquilo e recatado na guarda de todos os sentidos.


O amor é submisso e obediente aos superiores, vil e desprezível aos próprios olhos, dedicado e agradecido a Deus; n’Ele sempre confia e espera ainda quando não lhe saboreia as consolações, porque sem dor não se vive em amor.


8. Quem não está disposto a sofrer tudo e a fazer sempre a vontade do Amado não merece o nome de amante.


Quem ama deve por amor do Amado abraçar com prazer tudo o que há de mais duro e amargo, e dele não se separar por nenhuma contrariedade.2


1ª Reflexão3


Do decurso da vida humana, o amor e o sofrimento são duas coisas inseparáveis: quem ama verdadeiramente a Deus e ao próximo, não põe dúvida em sofrer. As ações que nascem de um amor puro exaltam a quem as pratica e atraem as bênçãos de Deus. O pai e a mãe que amam seus filhos, trabalham cuidadosamente em educá-los, segundo os Preceitos da Lei Divina: sofrem muitas vezes o rigor das estações, sujeitam-se a penosas fadigas, dia e noite; quase se esquecem de si próprios para só pensarem nos entes queridos, que a Providência confiou à sua guarda.


O mestre que se interessa pelo adiantamento do seu discípulo, não se poupa a sacrifícios, para lhe formar o espírito na ciência e o coração na virtude.


Em todos os ramos da atividade humana, quem quer conseguir os fins emprega de boa vontade os meios indispensáveis. Porque é que o lavrador se fadiga a semear e cultivar os seus campos? Porque deseja colher um dia os frutos do seu trabalho. Jesus Cristo veio para nós, sofrendo; nós havemos de ir para Ele, sofrendo com resignação cristã. O amor verdadeiro é fecundo em boas obras.


O meu preceito é que vos ameis uns aos outros, conforme eu vos amei. Ninguém pode mostrar maior amor do que aquele que dá a própria vida pelos seus amigos. Vós sereis os meus amigos se fizerdes o que eu vos mando”.4


Temos uma condição a cumprir, desde que queiramos entrar na amizade de Jesus Cristo: é mostrar em obras o nosso amor; é cumprir os Preceitos, que Ele nos impõe. O amor de Deus é por sua natureza difusivo e operativo; não sabe estar ocioso. Contemplai a vida de um São Vicente de Paulo, de um São João de Deus, de uma Santa Teresa de Jesus e dos outros Santos e Santas, e vereis quão admiráveis são os frutos que o divino amor é capaz de produzir.


O amor suaviza todas as amarguras.


2ª Reflexão5


"Deus é amor, e quem permanece no amor permanece em Deus, e Deus nele”.6


Mas o amor tem seus tempos de prova, como seus momentos de gozo; e esta vida transitória deve ser contínuo exercício de amor, ou a consumação de um grande sacrifício, cujo prêmio será uma vida eterna ou um amor imudável.


Todos os caracteres da caridade, enumerados por São Paulo, nos recordam a ideia de sacrifício; e o mesmo amor infinito não pode manifestar-se plenamente a nós senão por um sacrifício infinito: “Deus amou por tal modo o mundo, que deu por ele seu Filho Único”.7


E nosso amor para com Deus não pode tampouco manifestar-se senão por um sacrifício, não igual, o que seria impossível, mas semelhante pelo dom de todo nosso ser ou uma perfeita obediência de nosso espírito, de nosso coração e de nossos sentidos, à vontade d’Aquele que tão extremosamente nos amou.


Então se verifica aquela união inefável que, na sua última hora, pedia Jesus Cristo a seu eterno Pai operasse entre Ele e a criatura resgatada. Enquanto a natureza viver ainda em nós, alguma coisa nos separa de Deus e de Jesus, e o amor de Jesus nos aperta que acabemos o sacrifício, e pronunciemos aquela última palavra que o mundo não compreende, mas que regozija o Céu: “Tudo está consumado”.8


Quando tu as pronunciarás, alma minha, estas palavras decisivas!


3ª Reflexão9


Dois principais exercícios temos de nosso amor para com Deus: um afetivo, outro efetivo, ou, como diz São Bernardo, ativo. Por aquele, amamos a Deus e o que Ele ama; por este, servimos a Deus e fazemos o que Ele nos manda; aquele, nos une à vontade de Deus; este, nos faz executar sua vontade; um, nos enche de complacência, de benevolência, de anelos, de desejos, de suspiros e de ardores espirituais, fazendo-nos praticar as sagradas infusões e misturas de nosso espírito com o de Deus; o outro, infunde em nós a sólida resolução, a firmeza de coragem e a inviolável obediência requerida para efetuar as ordenações da vontade de Deus e para sofrer, aceitar, aprovar e abraçar tudo quanto provém de seu beneplácito: um, nos faz comprazer-nos em Deus; o outro, nos faz agradar a Deus: por um, nós concebemos; pelo outro, nós produzimos: por um, pomos nós a Deus sobre nosso coração, como um estandarte de amor, sob o qual se ordenam todos os nossos afetos; pelo outro, nós O pomos em nosso braço, como uma espada de dileção, pela qual fazemos todos os rasgos de virtude.10


Ó meu caro Teótimo! Como a força deste grande amor de Deus sobre todas as coisas, deve ter uma grande extensão! Deve ele exceder todas as afeições, vencer todas as dificuldades e preferir a honra da benevolência de Deus a todas as coisas: mas eu digo, a todas as coisas absolutamente, sem exceção nem reserva alguma; e digo assim com um tão grande cuidado, porque se acham pessoas que corajosamente deixariam os bens, a honra e a própria vida por Nosso Senhor, as quais entretanto não deixariam por amor d’Ele alguma outra coisa de muito menor consideração.11


O amor é forte como a morte:12 pela morte a alma separa-se do corpo e de todas as coisas do mundo; pelo amor santo, a alma do cristão separa-se de seu corpo e de todas as coisas do mundo: e não há outra diferença, senão, que a morte faz sempre efetivamente o que o amor faz ordinariamente por seu afeto. Digo ordinariamente, porque às vezes o amor sagrado é tão violento, que efetivamente causa a separação do corpo e da alma, fazendo morrer os Santos possuídos do amor divino; morte muito e muito feliz, que vale mais que cem vidas.


____________________

1.  II Cor. I, 3.

2.  Imitação de Cristo, Livro III, Cap. V, pp. 96-99. Tradução do Pe. Leonel Franca, S.J., 4ª Edição, Livraria José Olympio editora, Rio de Janeiro/São Paulo, 1948.

3.  Imitação de Cristo, Livro III, Cap. V, pp. 142-143. Novíssima Edição, por Mons. Manuel Marinho, Editora Viúva de José Frutuoso da Fonseca, Porto, 1925.

4.  Jo. XV, 12-24.

5.  Imitação de Cristo, Presbítero J. I. Roquette, Livro III, Cap. V, pp. 1167-168. Editora Aillaud & Cia., Paris/Lisboa.

6.  I Jo. IV, 16.

7.  Jo. III, 16.

8.  Jo. XIX, 30.

9.  Imitação de Cristo, versão portuguesa por um Padre da Missão, Livro III, Cap. V, p. 147-148. Imprenta Desclée, Lefebvre y Cia., Tornai/Bélgica, 1904.

10.  S. Francisco de Sales, “Trat. do Amor de Deus”, L. VI.

11.  S. Francisco de Sales, “Trat. do Amor de Deus”, L. X, c. XIII.

12.  Cânt. VIII, 6.


Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...