Blog Católico, para os Católicos

BLOG CATÓLICO, PARA OS CATÓLICOS.

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

terça-feira, 14 de julho de 2020

Festividade de Nossa Senhora do Carmo.



A festa de Nossa Senhora do Monte Carmelo, vulgarmente chamada do Escapulário, é muito célebre e muito autorizada na Igreja.

Havia muitos séculos já que os Padres carmelitas floresciam na Igreja, sobretudo no Oriente, onde mau grado do furor dos bárbaros, sarracenos e muçulmanos, se tinham mantido em cavernas do Monte Carmelo, donde tomaram o nome de Carmelitas.

Havia pois muito tempo que a Santa Ordem dos Padres do Carmelo, tão respeitável, tão célebre por sua especial devoção para com a Santíssima Virgem, florescia no Oriente, quando os europeus, que tinham passado à Palestina para livrar os cristãos e os Lugares Santos da opressão dos infiéis, encantados com a piedade e vida austera destes santos eremitas do Monte Carmelo, lhes persuadiram que passassem à Europa. Vieram com efeito para França por meados do décimo terceiro século com o rei São Luís.

O seu primeiro eremitério estabeleceu-se a uma légua de Marselha. O Santo rei, seu protetor, estabeleceu-os em muitos outros lugares, enquanto que alguns deles passavam à Inglaterra, onde o Céu lhes preparara uma maravilhosa aquisição, cujo mérito e santidade extraordinária deviam ilustrar a Ordem.

Era o célebre Simão Stock, inglês de nação, de uma das mais nobres famílias do país, mais ilustre ainda por sua inocência e alta virtude do que por seu nascimento.

Este Santo foi prevenido desde o nascimento de uma graça tão extraordinária, que logo na idade de doze anos se sentiu chamado ao retiro, e foi conduzido pelo Espírito Santo para um deserto.

Praticou aí desde o começo grandes austeridades; vivia de ervas e raízes somente; uma pequena fonte fornecia-lhe água. Por leito, oratório e cela nunca teve senão um velho tronco de árvore, dentro do qual só podia estar de pé, e mal podia mover-se; é o que lhe fez dar o nome de Stock, que em inglês quer dizer “tronco de árvore”. A oração era todo o seu passatempo. Foi neste exercício que a sua alma adquiriu uma tão grande pureza que os Anjos, aos quais se tornara igual, não o abandonavam quase nunca. A sua ternura para com a Santíssima Virgem, que despontara com a vida, crescia todos os dias com a sua penitência. Os autores da vida deste grande servo de Deus, asseveram que esta Mãe de misericórdia o visitava quase todos os dias em seu retiro, e que ele tivera com o próprio Deus tão íntimas comunicações, que gozava em seu retiro as doçuras espirituais que são como uma prelibação das alegrias do Céu.

Havia já trinta e três anos que levava uma vida tão santa, quando os religiosos do Monte Carmelo, vindos do Oriente, arribaram a Inglaterra, e começaram a assinalar-se por aquele mesmo zelo, que tão célebres os tornara em toda a Palestina.

O nosso ditoso anacoreta foi advertido da sua chegada por uma revelação particular. A Santíssima Virgem fez-lhe conhecer quanto esta Ordem lhe era cara, e que desejava que entrasse nela; saiu, em virtude deste aviso, do seu deserto e foi lançar-se aos pés dos Padres, para abraçar o seu Instituto e submeter-se à sua direção.

Nada prova mais quanto a Rainha dos Céus estremecia esta Ordem do que a aquisição deste seu servo. Simão entrou pois para o Instituto Carmelitano e os companheiros que encontrou não lhe avivaram as saudades dos Anjos que o visitavam na solidão. Logo que fez profissão religiosa, desejou empreender a viagem da Terra Santa para lá haurir o duplo espírito que animou o grande Elias. Visitou, com os pés descalços, todos os lugares santificados pela presença do Salvador; e tendo afinal chegado ao Monte Carmelo, aí se demorou seis anos entregue a um êxtase contínuo. Durante todo esse tempo não teve conversações senão com espíritos celestes. Assegura-se até que a Santíssima Virgem o alimentava de um modo inteiramente sobrenatural. Enfim, de volta à sua querida Inglaterra, por ela derramou esse fogo divino, de que tinha sido abrasado no Monte Carmelo, e com tal sucesso o fez, que essa grande ilha foi inteiramente inflamada; e se era caso de surpresa as maravilhosas conversões que operava, não o eram menos os milagres que as acompanhavam.

Era por estes diferentes graus de perfeição que a graça dispunha este grande servo de Deus para favores do Céu ainda mais assinalados. Com efeito, tendo sido elevado este grande homem por consentimento de todos os seus irmãos ao Cargo de Superior Geral, nada esqueceu do que pudesse contribuir para o aumento da devoção de Maria em uma Ordem que teve a glória de se enflorar com tão grande nome, e que se glorifica de a ter honrado e de lhe ter erigido altares quase desde os inícios da Igreja.

Um zelo tão fervoroso surtiu logo o seu efeito. O Geral teve a consolação não só de ver toda a Ordem inflamada de novo fervor para com a Mãe de Deus, mas de derramar este sumo calor de devoção por entre o povo.

Crescendo a sua confiança à medida do seu fervor, sentiu-se interiormente impelido a pedir à Santíssima Virgem algum novo favor para a sua Ordem, e para os fiéis. Depois de muitos anos de lágrimas e penitências esta Mãe de misericórdia deixou-se dobrar pelas instâncias de seu servo.

A história assegura que lhe aparecera um dia rodeada de grande multidão de Espíritos Bem-aventurados, tendo na mão um escapulário e que lhe dissera estas consoladoras palavras:

Recebe, caro filho, o escapulário que te dou a ti e à tua Ordem, como penhor da minha particular benevolência e da minha proteção. É por esta libré que serão conhecidos os meus servos e filhos. Eis um sinal de predestinação, um penhor de paz e de aliança eterna, contanto que a inocência da vida corresponda à santidade desse hábito.

Todo aquele que tiver a dita de morrer com esse distintivo do meu amor não sofrerá o fogo eterno e por misericórdia de meu Filho gozará a eterna Bem-aventurança”.

Uma revelação tão consoladora e tão interessante, concedida a um varão tão santo, logo que se tornou pública, levou os reis e os povos a porfiarem em se adornarem com o santo hábito, que se olhou como um hábito de salvação, alistando-se ao serviço da Virgem Maria.

Os milagres evidentes que Deus operou para mostrar quanto lhe era grata esta devoção, aumentaram este pio entusiasmo. Assim se pode afirmar que de quantas práticas de piedade se tem inspirado aos fiéis para honrarem a Mãe de Deus, não há talvez nenhuma que, como a do Escapulário, tenha sido confirmada por tantos e tão surpreendentes milagres.

Quantos incêndios extintos por sua virtude? Quantas vezes não foi ele mesmo conservado no meio das chamas? Quantas não tem o fogo respeitado os cabelos, os hábitos daqueles que sem estes seriam devorados? Todos os dias se experimenta ainda de que socorro ele não é nos naufrágios. Haverá poucas pessoas que em lances aflitivos não tenham sido testemunhas do respeito das ondas por aqueles que vestem o santo hábito.

Tem-se visto homens caídos nos rios ou no mar suspensos ao de cima de água por este santo Escapulário; tem-se visto outros que, despenhados para o precipício, têm sido suspensos no ar pelo Escapulário preso a algum penedo; o próprio raio em sua fúria sente a influência deste talismã divino. Quantas febres mortais e contagiosas, quantas doenças incuráveis, violentas tentações, ou de prazer, ou de desespero, têm sido vencidas por este santo hábito? Seria um nunca acabar se quiséssemos referir todos os acidentes lamentáveis, todos os gêneros de morte, de que o Escapulário tem preservado os verdadeiros servos de Maria.

Todos sabem o que aconteceu no último cerco de Montpelier à vista de um exército inteiro. Num assalto foi um soldado apanhado por uma bala mas de nenhum modo ferido: a bala, depois de ter atravessado a roupa, deteve-se com respeito diante do Escapulário e não o penetrou. O rei Luís XIII foi testemunha deste prodígio, e quis desde logo cobrir-se com essa armadura miraculosa, como o tinha feito o próprio São Luís, quando teve conhecimento dela.

Poucos príncipes haverá que não tenham imitado estes exemplos, e vai em quinhentos anos que esta simpática devoção subsiste na Igreja, se difunde, se esperta e aumenta todos os dias com frutos infinitos para os povos.

Não admira pois que, mal tivesse aparecido, recebesse a aprovação dos Sumos Pontífices. A Santíssima Virgem, sabendo bem que as práticas de piedade para serem estimáveis precisam desta confirmação, declarou Ela mesma ao Papa João XXII os privilégios singulares desta devoção, como o afirma em sua Bula, da qual os Papas Alexandre V, Clemente VII, Paulo III, Paulo IV, S. Pio V e Gregório XIII fazem menção nas que expediram a favor do santo Escapulário.

De sorte que se encontram sete grandes Papas que procuraram espalhar esta devoção entre os fiéis por um grande número de indulgências que têm concedido em diversos tempos aos que entram nesta piedosa Confraria. Que penhor da proteção de Maria mais consolador? Que motivo de confiança com melhor fundamento?…

Foi um dos maiores servos de Maria que solicitou este sinal singular da Sua proteção, e nos assegura tê-lo obtido. O Céu tem-no autorizado pela boca dos Vigários de Jesus Cristo e pela voz irrecusável dos milagres. Não há católico que possa duvidar do poder desta prática. Sabe-se como os Santos Padres se explicam a tal respeito. São Boaventura não fixa limites ao poder da Mãe de Deus, senão os da Onipotência do próprio Deus, que não tem nenhum. Santo Antonino assevera que basta que Ela peça para obter. O Bem-aventurado Pedro Damião quer que Ela se chegue ao trono do Filho não como serva, mas como Soberana, como Mãe, não só para pedir mas para exercer um afetuoso império.

Um homem, por quem Maria tenha pedido uma só vez, não poderia ser eternamente infeliz. O Abade Guerric, discípulo de São Bernardo, não se julga menos seguro debaixo da proteção de Maria, do que se estivesse já no Paraíso – Nullatenus censendum est majoris esse felicitatis habitare in sinu Abrahae, quan in sinu Mariae.

Sabe-se quais são os sentimentos do devoto Santo Anselmo a este respeito. Julga impossível que alguém se perca ao serviço desta grande Rainha. É a Ela que dirige estas palavras memoráveis e tantas vezes repetidas: Omnis ad te conversus et a te respectus impossibile est ut pereat. E São Germano de Constantinopla não disse menos do que os outros, quando afirmou que a proteção da Mãe de Deus está acima de toda a nossa compreensão: Patrocinium Virginis majus est quam ut possit intelligentia apprehendi.

Não é somente durante esta vida, que o santo Escapulário empenha a Santíssima Virgem, a derramar os Seus favores liberalmente sobre aqueles que o trazem, é ainda na outra, onde os mesmos, quando tenham sido Seus verdadeiros servidores, experimentam a Sua poderosa proteção. Uma tão poderosa Mãe não poderia ver sem compaixão os Seus filhos gemerem por muito tempo nas prisões do Purgatório. Os tesouros da Igreja que os Sumos Pontífices têm aberto com tanta profusão em favor dos Confrades do Escapulário, a parte que cada um deles tem nas orações e boas obras desta santa sociedade e de toda a Ordem do Carmelo, tudo contribui para o alívio e libertação das Almas dos Irmãos. A Virgem não tirará nunca ninguém do Inferno, mas não lhe faltam meios para impedir que se incorra na impenitência final, contanto que uma falsa confiança não haja conservado no pecado esses fingidos devotos de Maria.1


Meditação Sobre o Escapulário2

1. O bom servo tem muita honra em trazer a libré do seu senhor: devemos ter muita honra em trazer a libré da Rainha dos Céus. Que glória, depois da de servir a Deus, poderá comparar-se com a de ser servo e filho de Maria! E que generosidade a desta boa Mãe para com os cristãos, que a honram! Pelas menores homenagens concede Ela os maiores favores – Santo André de Creta.

2. Mas para gozar das graças anexas ao Escapulário é preciso trazê-lo piamente. E a primeira condição para isso é estar em estado de graça. Como se poderão gozar os favores de Maria, sendo inimigo de Jesus? Não terá sucedido às vezes confiarmos no Escapulário para pecar mais livremente, com o pretexto de que os que o trazem não podem condenar-se? Que indignidade, servir-se da proteção da Mãe para ofender o Filho! Ah! Se estamos em pecado mortal, choremos esse estado, procuremos sair dele, imploremos o socorro Daquela que a Igreja chama Refúgio dos pecadores. Pedirá por nós, e restituir-nos-á a amizade de Deus; porque o Seu poder e a Sua clemência excedem incomparavelmente a multidão dos nossos pecados – São Gregório de Nicomédia.

3. É preciso ainda, se quisermos participar de todas as vantagens do Escapulário, rezar as orações e fazer as boas obras, que foram prescritas, quando fomos admitidos na Confraria. Tantos sacrifícios se fazem para achar garantia contra a miséria; e, para escapar às chamas do Purgatório, hesita-se perante algumas orações, que é preciso rezar, e algumas mortificações, que é preciso fazer! Que remorsos devem ter no Purgatório as almas, que não foram bastante fiéis a essas práticas! Devemos prevenir-nos contra esses remorsos tardios e inúteis, e julguemo-nos felizes por podermos abreviar com tão pouco trabalho, suplício tão horrível.

Devoção ao Escapulário: Orar pela Confraria de Nossa Senhora do Monte Carmelo.

Oremos: Ó Deus, que destes à Ordem do Carmelo a glória insigne de ter o nome da Virgem Santíssima, Vossa Mãe, fazei por Vossa misericórdia que, fortalecidos com a proteção Daquela cuja memória hoje celebramos, mereçamos alcançar a felicidade eterna. Vós que viveis e reinais por todos os séculos dos séculos. Amém.


Foi-lhe dada
a glória do Líbano,
a formosura do Carmelo
e do Saron, aleluia.



_______________________________________

1.  Rev. Pe. Croiset, "Ano Cristão", Vol. VII, 16 de Julho, pp. 214-218. Traduzido do Francês e Adaptado às últimas Reformas Litúrgicas pelo Padre Matos Soares, Tipografia Porto Médico Ltda., Porto, 1923.

2.  Rev. Pe. João Estevam Grossez, S.J., "Vida dos Santos com uma Meditação para cada dia do ano", Segunda Parte, 16 de Julho, pp. 35-36. Edição Portuguesa, União Gráfica, Lisboa, 1928.


Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...