Blog Católico, para os Católicos

BLOG CATÓLICO, PARA OS CATÓLICOS.

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

quinta-feira, 21 de outubro de 2021

Novena a Jesus Cristo Rei do Universo. 1º Dia.


Pelo Revmo. Padre

JOSÉ MARIA SÁENZ DE TEJADA, S.J.


Tradução do

Pe. Amando Adriano Lochu, S.J.


especialmente autorizada pelo autor


(Da 2ª edição)


1928



NIHIL OBSTAT:


Pe. Leonel Franca, S.J.


Flum. Jan. 8–5–1928.


__________


IMPRIMI POTEST


Ex commissione IIImi. et Revmi. Dni.

Archiepiscopi


Joannes Bapt. du Dreneuf, S.J.


Praepositus V. Prov. Bras. Centr.


Flum. Jan. 9–5–1928.


____________


NIHIL OBSTAT


S. Pauli, 26 Septembris 1928


Can. Dor. M. Ladeira

Censor


____________


IMPRIMATUR


Mons. Pereira Barros

V. Geral



Advertências


A suprema autoridade do Vigário de Jesus Cristo na terra, nosso Santo Padre o Papa Pio XI, assinalou novo astro no firmamento litúrgico da Santa Igreja, a saber: a Festa de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei, instituída para sempre pela sua Encíclica Quas primas, de 11 de Dezembro do Ano Santo de 1925, e a celebrar-se em data fixa, isto é, no último Domingo do mês de Outubro.


Querendo nós contribuir de algum modo para a celebração desta festa com o modesto tributo do nosso grãozinho de areia, apresentamo-nos reverentes, autor e tradutor, perante o trono do Divino Rei, por intermédio de Santa Margarida Maria, tão entusiasta pelo reinado do Coração de Jesus, e lhe oferecemos esta modesta Novena, que poderíamos chamar doutrinal, em vista das Considerações doutrinais que nela introduzimos, uma para cada dia. Secundamos assim os ardentes desejos do Sumo Pontífice de divulgar as ideias em que se baseia a Realeza de Jesus Cristo. Para a sua elaboração servimo-nos amplamente da mesma Encíclica de Sua Santidade e da Sagrada Escritura, cujos textos aparecem grifados.


Se a alguém parecer demasiado extenso o exercício marcado para cada um dos nove dias, poderá encurtá-lo à vontade, como lhe parecer melhor.


Em forma de Apêndice acrescentamos a fórmula da Consagração do gênero humano ao Sagrado Coração de Jesus, que se deve recitar no dia da festa de Cristo Rei, conforme estabeleceu o Papa na sua Encíclica, e a Ladainha do mesmo Divino Coração, que se deve também rezar ou cantar na mesma ocasião, segundo determinou a Sagrada Congregação dos Ritos (28 de Abril de 1926)...


Aos nossos queridos associados do Apostolado da Oração, a quem principalmente dedicamos esta Novena, recordamos que Sua Santidade o Papa Pio XI lhes concedeu, em Breve de 13 de Março de 1926, Indulgência plenária nesta festa, com as condições de costume.


Seja tudo para maior glória do Divino Rei!



NOVENA A JESUS CRISTO REI DO UNIVERSO


Primeiro Dia


Prostrados perante o Sacrário ou diante de uma imagem de Nosso Senhor, persignar-se e rezar: Senhor meu Jesus Cristo. Deus e homem verdadeiro, Criador e Redentor meu, por serdes Vós quem sois, sumamente bom e digno de ser amado, e porque Vos amo e estimo sobre todas as coisas, pesa-me, Senhor, de todo o meu coração de Vos ter ofendido, pesa-me também, por ter perdido o Céu e merecido o Inferno, e proponho firmemente ajudado com o auxílio de vossa divina graça, emendar-me e nunca mais Vos tornar a ofender, espero alcançar o perdão de minhas culpas, pela vossa infinita misericórdia. Amém.


Oração ao Eterno Pai,

para todos os dias da Novena.


Eterno Pai, Pai das misericórdias e Deus de toda consolação! Vós gerastes o vosso Unigênito em vosso seio, antes da aurora, entre resplendores de santidade; Vós lhe dissestes: Tu és meu Filho. Pede-me, e Eu te darei as nações em herança e em tua possessão as extremidades da terra. Vós O constituístes herdeiro de todas as coisas e soberano Rei de toda a criação.


Infinitas graças Vos damos, Senhor, todos nós que fomos resgatados pelo seu preciosíssimo Sangue. Mas, ai! Muitos, muitíssimos homens não O reconheceram ainda por seu Rei; muitos indivíduos, muitos povos e nações se têm manifestado contra sua autoridade soberana. Senhor! Atendei aos direitos reais do vosso Divino Filho; ponde os seus inimigos como escabelo de seus pés. O seu império efetivo estenda-se de mar a mar; rojem a fronte no pó da terra os seus inimigos; ofereçam-Lhe presentes e adorem-No os reis Tharsis e da Arábia, e todos os reis da terra e todas as nações Lhe prestem vassalagem.


Fazei, Senhor, que em todos os confins da terra ressoe o hino jubiloso de triunfo: Christus vincit, Christus regnat, Christus imperat: Cristo vence, Cristo reina, Cristo impera para todo o sempre. Assim seja.




CONSIDERAÇÃO


Jesus Cristo, Rei dos Indivíduos.


O título oficial, profundamente significativo, da nova festa que nos preparamos a celebrar é: Festum Domini Nostri Jesu Christi Règis: a festa de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei. Nela veneramos em modo especial a régia soberania, divina e humana ao mesmo tempo, do mesmo Jesus Cristo. Três são os títulos da sua Realeza.


1. É Rei por direito de criação. Jesus Cristo é Filho Unigênito de Deus, o Verbo encarnado, nascido do Pai antes de todos os séculos, consubstancial com Ele, por quem foram feitos todas as coisas, dizemos no Credo da Missa. Se é o Criador, é também o Senhor, o Rei soberano de todas as criaturas.


Jesus Cristo é, pois, Rei por sua própria natureza: por ser Filho Unigênito de Deus, em virtude da União Hipostática, isto é, Pessoal, pela qual as suas duas naturezas, Divina e Humana, subsistem em uma só Pessoa Divina, a Pessoa do Filho de Deus.


2. É Rei por direito de herança. Neste seu Filho encarnado, Jesus Cristo, tem o Pai todas as suas complacências; e por isto, conforme nos dizem as Sagradas Escrituras, deu-Lhe em herança todas as nações, por isto O constituiu seu herdeiro universal, e ainda, em atenção a Ele fez os séculos e quer que todas as nações Lhe prestem vassalagem.


3. É Rei por direito de conquista. Jesus Cristo veio do Céu à terra para conquistar-se o seu reino e voltar então ao Céu.1 Desceu Jesus do Céu para nos remir da miserável escravidão de Satanás, por meio de sua vida santíssima e de sua acerbíssima Paixão e Morte. Entregou-se para o nosso resgate, e a poder de tormentos nos libertou do poder das trevas.


Todos os homens, portanto, somos o povo de sua conquista. Tal é, enfim, Jesus Cristo, que as suas mesmas qualidades pessoais, se fossem devidamente conhecidas, fariam com que os povos alvoroçados O aclamassem com entusiasmo por seu Rei, como outrora quiseram fazer durante a sua vida mortal.


Com quanta razão e quão acertadamente exclamava São Paulo: “Irmãos, rendamos graças a Deus Pai, que nos fez dignos de participar da sorte dos Santos na luz; que nos arrancou do poder das trevas, e nos fez passar para o reino do Filho de seu amor, no qual, pelo seu Sangue, temos a Redenção e a remissão dos pecados…”.2


Jesus Cristo é, portanto, Rei por nascimento, por herança e por conquista. Rei eterno e universal, Rei Divino e Humano, Rei dos indivíduos, das famílias e das sociedades. Rei de toda a Criação, que goza de toda a plenitude de prerrogativas e direitos reais. Foi-Lhe dado todo o poder no Céu e na terra3, como afirmou Ele mesmo pouco antes de tornar ao Céu.


Oração


Amabilíssimo Salvador nosso, Jesus Cristo! Humildemente prostrados diante do vosso trono de amor, queremos prestar-Vos juramento de fidelidade e obediência. Vós mesmo proclamastes a vossa divina Realeza perante o presidente romano: É verdade o que dizes: Rex sum ego – Eu sou Rei. De boa mente reconhecemos os vossos direitos reais: Ave, Rex Judeorum! – Salve, Rei dos Judeus, de todos os homens e de toda a Criação! Hosana ao Filho de Davi! Bendito O que vem em nome do Senhor, o Rei de Israel! Hosana nas alturas! Ao insensato clamor dos ímpios: Não queremos que este reine sobre nós! Respondemos: Adveniat Regnum tuum! – Venha a nós o vosso Reino!


Reconhecemos em particular e proclamamos à face do mundo que sois Rei soberano dos indivíduos. Sede o centro do nosso coração e o belo ideal da nossa vida. Queremos amar-Vos e assinalar-nos em tudo o que for para vosso serviço e glória, ó Rei eterno e Senhor universal.


Senhor, Rei divino! O mais formoso filho dos homens, a graça se derramou nos vossos lábios: cingi a vossa espada, ó Rei poderosíssimo, e com a vossa Majestade e formosura caminhai, avançai prosperamente e reinai sobre todos e cada um dos indivíduos. Avassalai o mundo inteiro e reinai em nossa querida pátria com especialíssima veneração. Fazei, Senhor, que todas as gentes, tribos e nações, desfilem perante o vosso trono régio cantando: Tu solus sanctus, Tu solus dóminus, Tu solus Altissimus, Jesu Christe! – Vós sois o único Santo, o único Senhor, o único Altíssimo, Jesus Cristo nosso divino Rei. Assim seja.


RESOLUÇÃO APOSTÓLICA


Empenhar-se em procurar que Jesus Cristo seja o Rei absoluto de nossas inteligências, sujeitando-as incondicionalmente à sua fé, por ser Ele a Verdade; de nossas vontades, obedecendo fielmente às suas leis, por ser o Caminho; de nossos corações, amando-O com todas as veras, por ser Ele a Vida.


Rezar 3 Pai Nossos, 3 Ave Marias e 3 Glória ao Pai, em honra das três insígnias com que o amantíssimo Coração do nosso Rei se apresentou a Santa Margarida Maria entre esplendores de divina Realeza.



Oração à Rainha Imaculada,

para todos os dias.


Virgem Imaculada, Nossa Senhora, ao mesmo tempo que aclamamos a Jesus Cristo



Rei, todos nós Vos aclamamos e veneramos também a Vós, sua augusta Mãe, sereníssima Rainha dos Céus e da terra. Compartilhais a sua realeza humano-divina e fostes constituída por Ele mesmo Rainha soberana dos Anjos e dos homens. Ocupais no Céu um trono especial à direita do trono do vosso divino Filho, vestida de sol, como manto luminoso, pisando a lua como régio escabelo de vossos pés, coroada de estrelas como de diadema real.


Promovei, Senhora, o reinado efetivo de Jesus Cristo sobre toda criatura; apressai o advento do vosso mesmo reinado neste mundo, para que se apresse também o do vosso Filho: o reinado universal, público e privado, individual e social do Santíssimo Coração de Jesus Cristo. Assim seja.


Oração Final,

para todos os dias.


Dábit illi Dóminus Deus sédem Dávid Patris ejus, et regnábit in domo Jácob in aetérnum, et regni ejus non erit finis. Alleluia.


V. Data est mihi omnis potestas.

R. In caelo et in terra.


Oremus: Omnípotens sempiterne Deus, qui in dilecto Filio tuo, universorum Rege, omnia instaurare voluisti, concéde propitius, ut cunctae familiae Gentium, peccati vúlnere disgregatae, ejus suavissimo subdantur imperio. Qui tecum vivit et regnat in unitate Spiritus Sancti, Deus per omnia saecula saeculorum. Amen.


O Senhor Deus lhe dará o trono de Davi seu pai, e reinará eternamente na casa de Jacó e seu reino não terá fim. Aleluia.


V. Foi-me dado todo poder.

R. No Céu e na terra.


Oremos: Onipotente e sempiterno Deus, que quisestes restaurar todas as coisas em vosso querido Filho, Rei do universo, concedei-nos propício que todas as famílias das Gentes desagregadas pela ferida do pecado se submetam ao seu suavíssimo império. Que convosco e o Espírito Santo vive e reina, Deus por todos os séculos dos séculos. Assim seja.


________________________

1.  Luc. 19, 2.

2.  Ad Colos. I, 12-14.

3.  Matt. 28, 18.


As Sete Palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo, no Alto da Cruz. 6ª Parte.


SEXTA PALAVRA1


Consummatum est”2

Tudo está consumado”


Esgotado até as fezes o cálice das amarguras, cumprida à risca a vontade do Pai Eterno, realizada todas as profecias, verificados todos os pormenores preditos pelos videntes do Antigo Testamento, expiados, super abundantemente, os pecados da humanidade, Jesus bem podia proferir as palavras: “Tudo está consumado”.

Consummatum est.

Em primeiro lugar, estava cumprido tudo quanto os profetas haviam dito acerca da vida, Paixão e Morte de Jesus.

Esse fato, que constituiu motivo de escândalo para os Judeus e os ímpios, estava anunciado, em suas circunstâncias principais, nos livros do Antigo Testamento e, em particular, no capítulo LIII de Isaías, que pode ser considerado como uma narração das cenas principais do drama do Calvário.

Assim é que encontramos mencionados nas antigas profecias, os principais acontecimentos verificados na Pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo, tais como sejam: a traição e a restituição do dinheiro; a morte funesta de Judas; a dispersão dos discípulos; a queda na torrente de Cedron; as falsas testemunhas, que se contradiziam, nos seus depoimentos contra Jesus; os escárnios e tratos indignos infligidos à Vítima celeste; a cruel flagelação; a repartição das vestes e a sorte lançada sobre a túnica; o fel e vinagre que lhe dera a beber; a morte violenta; a lançada do lado; e, finalmente, a glória do sepulcro do Senhor.

Tudo isso se havia cumprido e realizado.

As figuras principais do Antigo Testamento também se realizaram.

Abel morto pelo seu irmão; Isaac, carregando a lenha para o sacrifício; Davi, que derrubou o gigante Golias; o Cordeiro Pascal, das festas dos hebreus e outras muitas figuras do Antigo Testamento tornaram-se realidade na Pessoa de Jesus Cristo.

Estavam consumados todos os tormentos do Corpo e da Alma, que a malícia do Inferno, servida pela crueldade dos homens, podia descarregar sobre a Vítima, que se ia imolar pelos pecados do gênero humano.

Finalmente, a obra da misericórdia divina chegara ao termo, pois a caridade infinita nada mais tinha que dar.

Estava concluída a Redenção do gênero humano e resgatada a nossa espécie, que jazia submissa ao império do Demônio.

Consummatum est.

-------------

Lançando um olhar retrospectivo para os tempos primeiros da humanidade, encontramos os nossos proto-parentes, felizes e descuidosos no Éden, jardim de delícias, plantado pelo próprio Deus.

O pecado de Adão e Eva destruiu essa felicidade e veio transtornar o plano divino da criação.

Mas Deus, infinitamente Justo e infinitamente Misericordioso, não quis lançar à ruína e ao extermínio a obra-prima de suas mãos – o homem.

Daí a promessa de um Salvador, de um restaurador, que deveria, um dia, resgatar a humanidade.

A lembrança do Pecado Original e a promessa de um Salvador ficaram de tal modo impressa na mente da humanidade que encontramos seus vestígios na história dos povos antigos e até mesmo dos povos modernos, que não receberam a luz da verdade evangélica.

-------------

O mundo antigo esperava um Salvador.

Entre os romanos, os judeus, os persas, os gregos, os bárbaros e os selvagens encontramos a prática de cerimônias destinadas à purificação da infância, pois, o homem julgava impuros e contaminados todos os recém nascidos. Através de mitos e de lendas, aparecia a ideia da culpa original.

O povo de Israel, povo eleito de Deus, conservou, melhor que nenhum outro, a revelação feita, no Éden, aos nossos primeiros pais e transmitida de geração em geração, por intermédio dos Patriarcas e Profetas, que recebiam as comunicações celestes.

Os principais povos da antiguidade guardavam as promessas feitas a Adão e Eva, por ocasião da queda e do pecado.

Na Índia, na China, na Pérsia e no Egito, encontramos muito clara a esperança do Messias, que fora prometido a Israel.

Esperavam esses povos civilizados e cultos a vinda de um salvador, que devia libertar a terra do poder do mal e fundar o reino da justiça.

Na Grécia e em Roma, através dos erros e das superstições populares, persistia a esperança de um salvador, de um dominador supremo das nações.

Os espíritos mais cultos e os filósofos mais ilustres da antiguidade não se envergonhavam de proclamar, abertamente, que esperavam o advento do grande libertador.

Na China antiga, cerca de quinhentos anos antes de Jesus Cristo, Confúcio podia falar assim aos seus discípulos: “Eu, Confúcio, ouvi dizer que nas regiões ocidentais se levantará um homem santo, que produzirá um oceano de ações meritórias. Ele será enviado do Céu e terá todo o poder sobre a terra”.

Mais tarde, no esplendor da civilização helênica, Platão recebeu de Sócrates estas palavras admiráveis: “Esperamos que um enviado do Céu venha nos instruir sobre nossos deveres para com Deus e para com os homens e esperamos de sua bondade que esse dia não esteja muito longe”.

Em Roma, Tácito escrevia: “O Oriente vai prevalecer e da Judeia sairão aqueles que governarão o universo”. E Suetônio acrescentava: “Todo o Oriente está cheio dessa antiga e constante opinião de que da Judeia virão aqueles que governarão o universo”.

Desse modo se afirmava, no mundo antigo, a esperança de um salvador.

-------------

O mundo antigo não somente esperava, mas necessitava, de modo absoluto, de um salvador.

A base de toda retidão e de toda justiça consiste no conhecimento da verdade.

Ora, a verdade, por assim dizer, desertara do mundo. O conhecimento de Deus, do qual promana a luz dos espíritos, estava de tal modo adulterado que tudo era Deus, exceto o próprio Deus. O homem chegara mesmo a erguer altares ao “Deus desconhecido” – Ignoto Deo… Tão grande era a confusão que reinava nos espíritos. A própria luxúria tinha sacerdotes e sacerdotisas…

As trevas haviam penetrado e invadido, por completo, o mundo das consciências, a tal ponto que os filósofos discutiam sobre se o homem devia praticar a virtude, ou se seria preferível entregar-se a todos os vícios.

Os prazeres mais degradantes constituíam objeto de culto especial…

A família apresentava, moralmente, um aspecto desolador. O pai era verdadeiro déspota, que dispunha, a seu talante, da existência dos filhos e escravos. A mulher devia satisfazer a todos os caprichos do marido, que desconhecia o amor casto e a honra conjugal. Os filhos estavam sujeitos ao despotismo do pátrio poder.

Em Esparta e em Roma, eliminavam-se, sumariamente, os recém-nascidos que apresentassem sinais de debilidade ou enfermidade. O escravo não tinha personalidade, era uma coisa, res. Não havia compaixão para com os infelizes.

Não menos triste era o quadro da vida social.

O supremo poder, que estava à mercê dos ambiciosos e sem escrúpulos, era encarnado por verdadeiros monstros da espécie humana, que se faziam adorar. A nobreza procurava seguir de perto e imitar servilmente as ignominias e as baixezas dos imperantes.

A política, a arte de governar os povos, não conhecia outras normas além dos caprichos dos Césares e dos interesses do império.

As relações internacionais eram reguladas pela força, unicamente; ai dos vencidos – era a norma de proceder para com aqueles a quem fora adversa a sorte das armas.

Panem et circercensis” – alimentação farta, jogos de circo, combates sangrentos entre gladiadores e espetáculos públicos eram os únicos prazeres com que se embriagavam as multidões.

Nessa profunda decadência moral, é que se abismara a humanidade antes da vinda de Jesus Cristo. Em vista de tantos desregramentos e de tantos males, que afligiam o indivíduo, a família, a própria religião, os espíritos mais cultos e mais retos almejavam, de todo o coração, a vinda de um legislador supremo, que corrigisse todas essas desordens e implantasse o reino da verdade e da justiça.

-------------

A recordação da queda de nossos proto-parentes, no Éden, ficou tão profundamente gravada no espírito humano, que em todos os períodos da história e na existência de todas as nações, encontramos a ideia de que a morte e os sofrimentos a constituem atos de expiação e reparação, que devem ser ofertados à divindade ultrajada.

Em todas as religiões, ainda as mais grosseiras e mais afastadas da revelação sobrenatural, persiste o princípio e a ideia de que o homem é impuro ante a divindade, que necessita reabilitar-se diante do Criador, por meio da oferta de alguma compensação ou reparação à justiça e à santidade infinitas.

A prática de sacrifícios, que nós encontramos em todas as religiões, vem demonstrar que o homem sempre sentiu a necessidade de satisfazer à justiça divina ofendida… Não houve povo que não erguesse um altar; não houve altar onde não se imolasse uma vítima… Os atos sacrificiais foram constantes, nunca cessaram e até vítimas humanas foram imoladas à divindade.



José de Maistre notou, com muita razão, que a crença de que o inocente pode substituir o culpado, é a essência de toda e qualquer religião. Desse modo, o consenso unânime dos povos acha-se de acordo com o que a revelação divina nos ensina acerca do Pecado Original e da promessa de um Redentor.

Somente o Homem-Deus poderia reparar os estragos do pecado e satisfazer condignamente à justiça infinita, ultrajada por todos os crimes da espécie humana. Um simples mortal não podia oferecer à justiça divina uma satisfação cabal, porque a ofensa fora infinita…

Um Deus, também não; porque Deus é, de sua própria natureza, imortal e impassível. Foi necessário que a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, o Verbo, se fizesse homem, sem deixar de ser Deus. Jesus Cristo, Homem-Deus, foi a Vítima imolada pela Redenção da humanidade.

Como homem padeceu e morreu, por nós; como Deus os seus sofrimentos tinham um valor infinito, capaz de resgatar, por completo e super abundantemente, toda a dívida do gênero humano.

Nessa breve síntese de dogmas, se resumem os Mistérios adoráveis da Encarnação, Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo.

-------------

Ocorre, mui naturalmente, uma interrogação ao nosso espírito: Jesus Cristo era Deus; a menor de suas ações tinha um valor infinito, sendo suficiente um ato de sua vontade para resgatar a humanidade; portanto, por que quis padecer tanto, sofrer tão cruéis suplícios?

Em primeiro lugar, Jesus quis sofrer tanto, para nos mostrar o grande amor que nos tinha, a caridade infinita de que estava abrasado o seu Coração. Qualquer ação do Homem-Deus seria bastante para resgatar a humanidade, mas não seria suficiente para revelar a caridade infinita de Jesus, diz São João Crisóstomo.

Nos livros do Novo Testamento encontram-se várias passagens, que confirmam essa opinião. Citaremos duas apenas: “Nisto temos conhecido a caridade de Deus: em Deus ter dado a sua vida por nós”.3

E mais o seguinte texto: “Amou-me e entregou-se à morte por mim”.4

Desse modo as Chagas do Redentor e as gotas de Sangue derramado no Calvário são outras tantas bocas que proclamam quanto Jesus amou e sofreu pela humanidade.

Outro motivo levou Jesus a sofrer tão indizíveis tormentos: revelar à humanidade a infinita malícia do pecado e os castigos que a justiça divina têm preparado para punir os pecadores.

Não fosse o quanto Jesus sofreu para nos remir, ser-nos-iam desconhecidas as consequências terríveis do pecado. Se Deus não poupou ao seu próprio Filho, que se revestiu de nossas culpas, como não seria castigado o pecador impenitente?…

Finalmente, Jesus quis ensinar-nos a suportar, com perfeita paciência e inteira resignação, os males e as misérias desta vida. O seu exemplo deve ser para nós uma lição e um encorajamento em meio das tribulações, que continuadamente nos afligem.

-------------

Jesus cristo, ao chegar ao termo de sua vida mortal, ao encerrar a sua peregrinação terrestre, bem podia proferir as palavras: “Tudo está consumado”.

Consummatum est.

Podia fazer esta sublime afirmação à face do Céu e da terra, porque cumprira, estritamente, a vontade do Eterno.

Jesus deixou-nos os seus exemplos, que devemos seguir e imitar, a fim de que, na hora extrema possamos repetir aquelas palavras consoladoras de São Paulo:

Sustentei um bom combate, consumei a minha carreira, guardei a fé.

No que resta, reservada me está a coroa de justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia”.5


_____________________

1.  “Espírito e Vida” – As Sete Palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo, pelo Pe. J. Cabral, VI Palavra, pp. 71-80, da Coleção Cristo Redentor. Empresa Editora A.B.C. Ltda, Rio de Janeiro, 1938.

2.  Joan. XIX, 30.

3.  Joan. II, 16.

4.  Gál. II, 20.

5.  II Tim. IV, 7-8.


Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...