Blog Católico, para os Católicos

BLOG CATÓLICO, PARA OS CATÓLICOS.

"Uma vez que, como todos os fiéis, são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, os leigos têm a OBRIGAÇÃO e o DIREITO, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente através deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito" (S.S. o Papa Pio XII, Discurso de 20 de fevereiro de 1946: citado por João Paulo II, CL 9; cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 900).

domingo, 28 de fevereiro de 2021

ORAÇÃO FONTE DE GRAÇAS (Para antes da Santa Missa)


DEUS PAI, eu Vos ofereço, pelo Coração Imaculado de MARIA, o Sacrifício da Santa Missa, com o Sacerdote e através dele, com verdadeiro espírito de imolação.


Ofereço-Vos constantemente o Sacrifício de todas as Santas Missas, que se celebram no mundo inteiro, e com pura intenção me uno ao Santo Padre o Papa e a todos os Bispos e Sacerdotes, oferecendo-Vos os méritos dos sofrimentos da Paixão e Morte de vosso Unigênito Filho.


Com a graça de Nosso Senhor JESUS CRISTO, torno-me uma constante união de Sacrifício n'Ele e com Ele, para Vos adorar no mais alto grau de perfeição. Amém.

ATO DE OFERECIMENTO DO DIA.

 


DEUS eterno, eis-me prostrado diante de vossa infinita Majestade; adoro-Vos humildemente e Vos ofereço todos os meus pensamentos, todas as palavras e ações deste dia. Tenho a intenção de tudo fazer por vosso amor, para vossa maior glória, para cumprir vossa divina vontade, para Vos servir, louvar, bendizer e adorar, para me instruir nos Mistérios da Fé, assegurar minha salvação e alcançar vossa misericórdia; para satisfazer a vossa divina justiça por tantos pecados que cometi, para aliviar as Santas Almas do Purgatório e para obter a todos os pecadores a graça de uma verdadeira conversão.


Em uma palavra, tenho a intenção de executar hoje todas as minhas ações, em união com as intenções perfeitíssimas que tiveram nesta vida JESUS, MARIA e JOSÉ, todos os Santos que estão no Céu, e todos os Justos da Terra. Quisera assinar com meu próprio sangue esta resolução e repeti-la a todo momento, tantas vezes quantos instantes houverem na eternidade. Recebei, meu DEUS, minha vontade, dai-me vossa Santa bênção, com a graça eficaz de não cometer pecado mortal, em todo tempo de minha vida, muito especialmente neste dia... A Vós toda a glória, honra, amor, louvor e adoração, no mais alto grau de perfeição. Amém.


São Leonardo de Porto-Maurício, O.F.M.

sábado, 27 de fevereiro de 2021

SOBRE A VERDADEIRA AMIZADE.

 


O amigo fiel é, na verdade, uma consolação em nossa vida. Ele é, na verdade, um sólido abrigo. Que não seria capaz de fazer um amigo verdadeiro? Que prazer, que vantagem, que segurança ele não nos proporciona? Inutilmente falaremos de mil tesouros: nada vale um verdadeiro amigo.


Falaremos, a princípio, das alegrias relacionadas com a amizade. A presença de um amigo põe o coração em festa e o faz desabrochar; unimo-nos a ele com uma união que enche a alma de uma felicidade indizível; basta a sua lembrança para elevar o nosso pensamento e dar-lhe asas. Falo dos amigos verdadeiros, que têm uma só alma com os seus amigos e consentiram em morrer por eles, daqueles que amam com uma amizade ardente. Não me taxeis de exagerado pensando nos amigos vulgares, simples companheiros de mesa, que de amigos só têm mesmo o nome. Se um de vós possui um amigo daqueles a que me refiro, reconhecerá que estou dizendo a verdade; ainda que o visse todos os dias, não ficaria satisfeito; ele lhe deseja o mesmo bem que deseja para si. Conheço alguém que, invocando os Santos em favor do seu amigo, lhes pedia que intercedessem primeiro por esse amigo, e só depois por ele. Tão grande bem é um amigo verdadeiro, que amamos, em consideração a ele, certos lugares e certas épocas. Do mesmo modo que, dos belos corpos, uma flor de beleza se difunde pelos lugares vizinhos, os amigos comunicam um pouco do seu encanto às regiões que visitaram; e, muitas vezes, encontrando-nos sem eles nestas regiões, choramos e gememos, à lembrança dos dias passados juntos. A alegria causada pela presença dos amigos não se poderia traduzir por palavras; só a conhecem aqueles que passaram por esta experiência. A um amigo pede-se um favor, dele se recebe, sem que a susceptibilidade seja ferida. Se os amigos nos dão uma ordem, nós nos mostramos gratos por isso; se eles hesitam em fazê-lo, ficamos entristecidos. Nada temos que não seja deles. Mesmo se desprezamos os bens terrestres, por causa de nossos amigos não queremos partir deste mundo; eles nos são mais caros que a luz do dia.


Fonte: São João Crisóstomo, "II Homilia sobre a I Epístola aos Tessalonicenses, 3.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

D. ANTÔNIO DE CASTRO MAYER, E O CULTO À SANTÍSSIMA EUCARISTIA.



De modo particular, novamente lembramos aos Nossos amados filhos a reverência que, tradicionalmente, se deve à Santíssima Eucaristia, reverência com que fazemos profissão de fé na Presença Real e Substancial do Deus humanado no Sacramento do Altar. De  acordo com o costume tradicional, que, segundo a Sagrada Congregação do Culto Divino, onde existe, deve ser conservado, recebam os fiéis, a Sagrada Comunhão sempre de joelhos, e as senhoras e moças com a cabeça coberta, e jamais se aproximem dos Santos Sacramentos em vestes que desdizem do respeito e reverência para com as coisas sagradas. 1

E em outro lugar:

Ainda sobre a recepção da Sagrada Comunhão mantenha-se o costume tradicional, que manda às senhoras e moças, que se apresentem com a cabeça coberta. Outro hábito imemorial, fundado na Sagrada Escritura, 2 que não deve ser modificado. São Paulo recorda a veneração e o respeito aos Anjos presentes na igreja, que as senhoras significam com o uso do véu. Nada mais belo, mais ordenado, mais encantador do que a mulher cristã, que reconhece a hierarquia estabelecida por Deus, e manifesta externamente sua adesão amorosa a semelhante disposição da Providência. 3

______________

Fonte: Coletânea de Cartas Pastorais de D. Antônio de Castro Mayer, intitulada "Por Um Cristianismo Autêntico". Editora Vera Cruz, São Paulo/SP, 1971.


COERÊNCIA COM 

A TRADIÇÃO APOSTÓLICA:



“E, se é vergonhoso para a mulheres 

tosquiar-se ou rapar-se,

cubra a sua cabeça”. 4


► "Sede meus imitadores, como eu também o sou de Cristo. Eu vos louvo, pois, irmãos, porque em tudo vos lembrais de mim, e guardais as minhas instruções, como eu vo-las ensinei. Porém, quero que saibais que Cristo é a Cabeça de todo o homem; e o homem a cabeça da mulher; e Deus a Cabeça de Cristo (como homem). Todo o homem que faz ou que profetiza com a cabeça coberta, desonra a sua Cabeça. E toda mulher que faz oração ou que profetiza, não tendo coberta a cabeça, desonra a sua cabeça; porque é como se estivesse rapada. Portanto, se a mulher não se cobre, corte o cabelo. E, se é vergonhoso para a mulher tosquiar-se ou rapar-se, cubra a sua cabeça. O homem na verdade não deve cobrir a sua cabeça, porque é a imagem e glória de Deus, mas a mulher é a glória do homem. Porque o homem não foi feito da mulher, mas a mulher do homem. E o homem não foi criado por causa da mulher, mas sim a mulher por causa do homem. Por isso, a mulher deve trazer sobre a cabeça o (véu que é o sinal do) poder (a que está sujeita, e também) por causa dos Anjos. Contudo, nem o homem existe sem a mulher, nem a mulher sem o homem, no Senhor. Porque, se a mulher foi tirada do homem, também o homem é concebido pela mulher; mas todas as coisas vêm de Deus. Julgai vós mesmo: É decente que uma mulher faça oração a Deus, não tendo véu? E não vos ensina a própria natureza que é desonroso para o homem deixar crescer os cabelos? Pelo contrário, é glória para a mulher deixá-los crescer; porque os cabelos foram-lhe dados como véu (para se cobrir). E, se alguém quiser contestar (o que digo), (fique sabendo que) nós não temos tal costume, nem a Igreja de Deus". 5



A Notória Negligência das Mulheres 

não é de Hoje:

► São João Bosco ensina: "São Lino, 6 durante os 10 anos de seu Pontificado, além do que trabalhou na pregação e propagação do Evangelho, aplicou-se com zelo em combater os erros... 7 Ainda que tenham sido aqueles tempos de muito fervor, havia alguns que iam à igreja vestidos como para ir ao teatro. São Lino, em vista disto, renovou o preceito de São Paulo, e estabeleceu que todos deviam ir à igreja com modéstia, e as mulheres com a cabeça coberta". E continua o Santo: "Lei muito sábia, que seria para desejar fosse exatamente observada em nossos dias para que cessasse o escândalo de que somos desgraçadamente testemunhas, vendo tantas mulheres na igreja vestidas com tanta vaidade e de cabeça descoberta". 8

_________________________________

1. Carta Pastoral "Aggiornamento e Tradição", de 11/04/1971.

2. Cfr. 1 Cor. 11, 5 e ss.

3. Circular Sobre a Reverência aos Santos Sacramentos, de 21/11/1970.

4. 1 Cor. 11, 6.

5. 1 Cor. 11, 1-16.

6. Sucessor de S. Pedro, a.d. 67.

7. Dos hereges da época.

8. História Eclesiástica, 1ª Época, Cap. VI.


É PRECISO NÃO SE MOSTRAR INDULGENTE NEM INDIFERENTE, PARA COM AS FALTAS DO PRÓXIMO.



Grande falta é, mesmo quando não se faz o mal, alegrar-se com aqueles que o fazem. O ladrão pode dar como pretexto (ainda que suas desculpas sejam insensatas) a necessidade em que se encontra, e acusar a vida difícil. Mas, por que motivo aprovais um ato, sem mesmo desfrutar do prazer que dele decorre? Ele, talvez, venha a arrepender-se; vós, todavia, a vós mesmo fechais esta porta, desperdiçais este remédio, botais a perder tão grande consolação, obstruís à vossa frente todos os caminhos que podiam levar-vos ao porto da penitência. Quando o culpado vos vir, vós que sois estranho à sua falta e que devíeis repreendê-lo, não só não o repreender, como também ajudá-lo a dissimular-se, não só ajudá-lo a dissimular-se, como ainda prestar-lhe ajuda, que pensará ele de si mesmo? Que pensará ele do ato que tomou a liberdade de cometer? Na maioria das vezes, os homens não julgam sobre o que deve ser feito apenas segundo a sua razão, mas ainda segundo sentimento dos outros, pelos quais se deixam influenciar. Se o faltoso vê todo mundo afastar-se dele, concluirá que cometeu uma falta, uma falta grave; mas se constata que ao invés de nos irritarmos com ele e censurá-lo, admitimos sem contestação a sua conduta e nos associamos a ela, o tribunal de sua consciência se achará, então, corrompido, os sufrágios da maioria fortificarão o seu pensamento culpado; e, então, o que ele não ousará? Quando virá a condenar-se? Quando deixará de entregar-se ao erro, se erra incentivado, sem temor?


Se passais indiferente por vosso próximo que pratica o mal sem o repreenderdes, sem vos afligirdes, tornareis vossa alma mais negligente, mais inclinada a cair em erro; dispô-la-eis particularmente, com este procedimento, a sucumbir. Quanto a vosso próximo, sereis para ele causa de grande prejuízo por vossa inoportuna complacência; vós o exporeis, no futuro, a uma prestação de contas mais severa e o tornareis pusilânime ante os perigos do presente.


Fonte: São João Crisóstomo, "Comentário sobre o Salmo 49, 7-8".

terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

O QUE LEVOU A MULHER AO PECADO.

 


O Diabo, que já havia caído no pecado, vendo que o homem constituído naquele estado chegaria assim à felicidade perpétua, mas que, não obstante, poderia pecar, procurou tirá-lo daquela retidão de justiça. Com esse intento, aproximou-se do homem e o atacou pelo lado mais fraco, tentando a mulher, cujo dom ou luz de sabedoria era menor. Para mais facilmente levá-la à transgressão do Preceito, por meio de mentiras, tirou-lhe o medo da morte e prometeu-lhe, conforme se lê no Livro do Gênesis (3, 5), tudo aquilo que a criatura humana naturalmente deseja, isto é, que a ignorância seria afastada, dizendo-lhe: "Abrir-se-ão os vossos olhos", que a sua dignidade seria elevada, dizendo-lhe: "Sereis como deuses", que sua ciência seria aperfeiçoada, dizendo-lhe: "Conhecereis do bem e do mal". O homem, pela sua inteligência, naturalmente foge da ignorância e deseja a ciência. Pela sua vontade, que é livre por natureza, deseja a própria elevação e perfeição,  de modo a ficar a nada submetido, ou, na medida do possível, só a um mínimo de coisas superiores a si.


A mulher desejou, então, a própria elevação e a perfeição da ciência, juntando-se a isso a beleza e a doçura do fruto que a tentava para ser comido; desprezando, além disso, o medo da morte, ela transgrediu o Preceito de Deus, o de não comer do fruto proibido, havendo, assim, no seu pecado, uma multiplicidade de pecados.


Primeiro, o da Soberba, pela qual ela desejou, de modo desordenado, a própria elevação.


Segundo, o da curiosidade, pela qual quis ter ciência, além dos limites prefixados.


Terceiro, o de gula, pela qual, tentada pela sua vaidade, foi levada a comer do fruto.


Quarto, o de infidelidade, pela falsa consideração de Deus, enquanto acreditou nas palavras do Diabo, contrárias às de Deus.


Quinto, o de desobediência, transgredindo o Preceito de Deus.



Fonte: São Tomás de Aquino, "Compêndio de Teologia", 2° Tratado, Caps. 189-190, p. 184. Segunda Edição, EDIPUCRS, Porto Alegre/RS, 1996.

domingo, 21 de fevereiro de 2021

PAIXÕES PRÓPRIAS ÀS DIFERENTES IDADES.

 


Esforcemo-nos, peço-vos, para corrigir-nos em tudo, e para transformar em seus contrários as paixões, que se agitam em nossa alma em cada fase de nossa existência... Nossa vida é um vasto mar. Nos mares verdadeiros há certas regiões onde corremos o risco de sofrer acidentes diversos... O mesmo acontece no que diz respeito à nossa vida.

O mar que primeiro se apresenta à nossa frente, é o mar da infância, fortemente agitado, devido à ausência de razão, à mobilidade, à natureza instável dessa idade; por isso, colocamos ao lado das crianças, pedagogos e mestres, para que eles, como o faz sobre o mar a ciência da navegação. Ao sairmos da infância, entramos no mar da adolescência, onde os ventos sopram forte, enquanto a concupiscência toma vulto em nossa alma. Nesta idade, raro é aquele que se consegue corrigir, não só porque as perturbações nesta fase são mais violentas, mas ainda porque aí as faltas não constituem objeto de censura, tendo-se, a partir de então, suprimido a assistência de mestres e pedagogos. Quando, pois, os ventos são mais violentos, quando o piloto está sem forças e sem ninguém para assisti-lo, podeis imaginar as proporções atingidas pela tempestade. Depois deste período da vida, vem a maturidade, à qual incumbe a tarefa da administração doméstica; chega então o momento em que o homem se casa, possui uma família, cria filhos, e se vê assaltado pelas espessas nuvens das preocupações. Nesta idade florescem sobretudo a avareza e o ciúme…


Fonte: São João Crisóstomo, "Homilia LXXXI, sobre o Evangelho de São Mateus, 3.


A INCONVENIÊNCIA DOS PRAZERES.

 


Não vos admireis se o Senhor chama os prazeres de espinhos. Não vos percebeis este fato, porque estais embriagados pela paixão. Mas aqueles que estão sóbrios, sabem que os prazeres dilaceram mais que os espinhos, que desgastam mais que as preocupações, que fazem sofrer mais cruelmente tanto o corpo quanto a alma. Não, a preocupação não fere tanto quanto a saciedade. Quando o homem dado aos prazeres se vê nas garras da insônia, quando suas têmporas rebentam, quando lhe pesa a cabeça, quando sofre nas entranhas, podeis ver o quanto essas dores são mais cruéis que os espinhos. Os espinhos, seja qual for a maneira com que agarremos, fazem sangrar a mão que os agarrou; do mesmo modo os prazeres ferem os pés, as mãos, a cabeça, os olhos, numa palavra, o corpo inteiro; elas são áridas e estéreis como o espinho; causam danos muito mais graves, e em coisas essenciais. Conduzem a uma velhice prematura, embotam os sentidos, obscurecem a razão, cegam o espírito que antes era clarividente, tornam o corpo mole e flácido, aumentando nele a massa de impurezas, acumulando sobre ele os males, tornam sua carga mais pesada, seu peso excessivo. Daí, a ocorrência de numerosas e repetidas quedas e de frequentes naufrágios.


Fonte: São João Crisóstomo, Homilia XLIV, sobre o Evangelho de São Mateus, 5.


Sobre o Remorso

 


Antes dos castigos de além-túmulo, neste mundo mesmo, os maus, que vivem na prevaricação, recebem o seu castigo. Não me faleis irrefletidamente deste homem que desfruta de uma mesa suntuosa, que se veste de roupas de seda e que passa acompanhado de bandos de escravos, acotovelando as pessoas na praça pública. Examinai-lhe a consciência e vereis nela um grande tumulto causado pelos atos indignos, um terror perpétuo, a borrasca, a perturbação; vereis a razão subindo, como num tribunal, ao trono real da consciência, tomando lugar à semelhança de carrascos, suspendendo no patíbulo a vontade culpada, flagelando-a por causa das faltas cometidas, censurando-a com veemência, se bem que ninguém tenha conhecimento destas faltas, a não ser Deus, que é o único capaz de vê-las. O adúltero, mesmo quando é imensamente rico e ninguém o acusa, não cessa de acusar-se a si próprio; momentâneo é o seu prazer, seu sofrimento duradouro; por toda a parte ele leva consigo um acusador implacável: a sua consciência. Ele se condena a si mesmo, sem um instante sequer para respirar; na cama, à mesa, na praça pública, em casa, de dia, de noite, muitas vezes até nos sonhos, ele vê os fantasmas de suas faltas; vive a vida de Caim, gemendo e chorando sobre a terra, e, sem que ninguém o saiba, leva dentro de si um braseiro. Semelhante é a sorte dos que praticam a rapina e a fraude; semelhante é a sorte dos intemperantes, e, numa palavra, de todos os que vivem na prática do mal. Impossível é corromper o tribunal interior; ainda que não sigamos os caminhos da virtude, menor não é o nosso sofrimento por não os seguir; e seguindo os caminhos do mal, percebemos da mesma forma a dor resultante após ter cessado o prazer criminoso.



Fonte: São João Crisóstomo, I Homilia sobre Lázaro, 11.


quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

SANTO AFONSO MARIA DE LIGÓRIO ENSINA QUE:



"Numa palavra, a Santa Missa, conforme a predição do Profeta, é a coisa mais preciosa e bela que possui a Igreja: 'Qual é o seu bem e qual a sua formosura, senão o pão dos escolhidos e o vinho que gera virgens' (Zac. 9, 17). São Boaventura (De inst. Nov., I. c.) diz que a Santa Missa nos põe diante dos olhos todo o amor que Deus nos dedicou, e que é, de certo modo, um compêndio de todos os benefícios que Ele nos fez. Por isso, o Demônio se esforçou sempre para retirar do mundo a Santa Missa por meio dos HEREGES; estes se mostram assim como precursores do ANTICRISTO, que procurará, antes de tudo, impedir a celebração da Santa Missa, o que ele, de fato, conseguirá, conforme a profecia de Daniel:


'E elevou-se até contra o príncipe da força (contra DEUS), e tirou-lhe o Sacrifício perpétuo, e destruiu o lugar do seu Santuário. E foi-lhe dado poder contra o Sacrifício Perpétuo, por causa dos pecados (do Povo); e a verdade será abatida sobre a terra, e ele compreenderá tudo e, tudo lhe sucederá conforme o seu desejo' (Dan., 8, 11-12)".


Fonte: Rev. Pe. Saint-Omer, C.Ss.R., "Escola da Perfeição Cristã para Seculares e Religiosos", IV Parte, Cap. III, § I, IV Ponto, p. 402. IV Edição, Editora Vozes Ltda, Petrópolis/RJ, 1955.

ORAÇÃO PELOS SACERDOTES.



Por amor do Imaculado Coração de Maria, dai-nos santos Sacerdotes, ó JESUS.


É, por meio deles, que o recém-nascido se torna filho de Deus, o pecador recupera a paz, os fiéis têm o benefício dos Santos Sacramentos, os desamparados se refugiam junto do Sacrário de onde recebem o divino Pão dos Anjos e o moribundo vê fechar-se-lhe a porta do Inferno e abrir-se-lhe a porta do Céu.


Por amor do Coração Imaculado de Maria, dai-nos santos Sacerdotes, ó JESUS.


Sacerdotes de mãos puras e sem mancha, que levantem ao Céu o Cálice e a Hóstia Imaculada, interpondo-se poderosos pela paz dos povos e prosperidades das nações, Sacerdotes que devorados pela caridade, se rodeiem de almas inocentes, para guiá-las ao Céu; de mocidade, conservando-a para Deus, e se consumam pelo tesouro da Fé e da Religião.


Por amor do Coração Imaculado de Maria, dai-nos santos Sacerdotes, ó JESUS.


Sacerdotes que, famintos de Vosso amor, abandonem a Pátria, parentes e amigos pela salvação do próximo; que perseguidos pelo Mundo, por Satanás e pelas paixões, progridam sempre na santidade, apregoando a Fé e a Vossa doutrina. Amém.


OFERECIMENTO DO SANTO SACRIFÍCIO DA MISSA.



As pessoas que não sabem ler os excelentes métodos de oferecer o Santo Sacrifício, contidos nos formulários de orações, podem decorar a oração seguinte:


"Meu Deus, eu Vos ofereço esta Santa Missa; ofereço-Vos Vosso Filho, sua Encarnação, seu Nascimento, sua dolorosa Paixão; ofereço-Vos seu suor de Sangue, sua Flagelação, sua Coroação de Espinhos, sua Via-sacra, sua Crucificação, sua Morte, seu precioso Sangue. Ofereço-Vos, para Vossa maior glória e a salvação de minha alma, tudo quanto Vosso caro Filho fez, padeceu, mereceu, e todos os Mistérios que Ele renova nesta Santa Missa. Amém".


Fonte: Ven. Martinho de Cochem, O.F.M.Cap., "Explicação da Santa Missa", Cap. XXIX, p. 326. 2° Edição, Typ. de São Francisco, Bahia, 1914.

O RETRATO DE JESUS.



D... O... C...


Públio Lêntulo, homem pagão do primeiro século da nossa era, antecessor de Pôncio Pilatos no cargo de Governador da Judeia, numa carta enviada ao Senado Romano, descreve assim o retrato de Jesus Cristo:


"Senadores, existe um homem, cuja virtude é inexcedível, que se chama Jesus Cristo. Os judeus julgam-no profeta, mas, os seus partidários adoram-no como descendente da Divindade. Ressuscita os mortos e cura todas as doenças pela palavra e pela imposição das mãos. É alto e bem constituído, tem a expressão meiga e venerável. Os cabelos, cuja cor é semelhante à das searas quando maduras, espalham-se sobre os ombros com graça e são penteados como usam os Nazarenos. A testa é ampla, o rosto levemente rosado. O desenho do nariz e da boca é impecável. A barba é espessa, da cor do cabelo; desce um pouco abaixo do queixo e é dividida ao meio. Os olhos são brilhantes, claros e serenos. Censura com majestade e exorta com brandura. Nas palavras e nos gestos há elegância e austeridade. Nunca o viram rir, mas já foi visto chorar. Muito discreto e prudente, enfim, um homem que pela sua rara beleza e divinas perfeições, excede os filhos dos homens".1


Fonte: Pe. Frei Mateus Maria do Souto, Missionário Capuchinho, "Verdade e Luz", Vol. I, Introdução. Casa do Castelo - Editora, Coimbra, 1948.


____________________

1. Documento encontrado numa das bibliotecas da cidade de Roma.

O RETRATO DE NOSSA SENHORA.



D... O... C...


Há uma pintura que, segundo a Tradição, nos foi dada por São Lucas, à qual se atribuem numerosas graças outorgadas pela Santíssima Virgem Maria, e na qual teria o Evangelista retratado aquele belo ideal que formamos da Mãe de Deus. Cedrenius e Niceforo, sobre este assunto escreveram:


"A Santíssima Virgem Maria, era de uma estatura mediana, mais alta do que baixa. Seu rosto, de forma um pouco ovalada, era moreno. Os cabelos, louros; as sobrancelhas, negras e graciosamente arqueadas; os olhos vivos; as pupilas escuras; o nariz um pouco comprido; os lábios de carmim; as mãos e os dedos, compridos e delgados. Modesta, ao mesmo tempo que grave em todas as suas maneiras, falava só quando se via obrigada pela necessidade. Quando ouvia os que Lhe falavam, fazia-o sempre com gosto, demonstrando-lhes respeito e deferência. Afastada do fausto e da vida de moleza, simples e cheia de humildade, repreendia com dignidade e com doçura, sem se rir e sem se encolerizar. Vestia com simplicidade e tinha habitualmente a cabeça coberta com um véu".


Em poucas palavras, era tal o resplendor divino que brilhava no seu semblante e até nas suas menores ações, que São Dionísio, o Areopagita, disse quando viu Maria: Se não acreditasse na Unidade de Deus, tê-la-ia tomado por uma divindade.


Fonte: Pe. Fr. Mateus Maria do Souto, Missionário Capuchinho, "Verdade e Luz", Vol. II, Introdução. Casa do Castelo - Editora, Coimbra, 1952.

SINCERIDAD Y FRANQUEZA.

 


"Cuándo entenderán los enemigos de la religion, que la sumision á la autoridad legítima nada tiene de servilismo, que el homenaje tributado á los dogmas revelados por Dios, no es torpe esclavitud, sino el mas noble ejercicio que hacer podamos de la libertad?... que es indispensable el vivir sometido á una regla?... y que la buena fé exige que hablemos con toda sinceridad y franqueza...".


Fonte: Don Jaime Balmes, Presbítero, "Cartas á un Escéptico en Materia de Religión",  Carta Primera, pp. 2-3. Duodécima Edición, Librería de La Vda de Ch. Bouret, Paris/México, 1923.

O ADEUS DA TARDE A JESUS.



Os últimos raios do dia desaparecem; as sombras da noite começam a cobrir a terra; é a hora da partida; é necessário que eu Vos deixe, ó Jesus; Jesus, que me haveis abençoado este dia cobrindo-me com o vosso manto. Jesus, que tendes enchido minha alma com as vossas graças; ah! como os Apóstolos sobre o Tabor, levantarei aqui a minha tenda; é muito doce cerrar os olhos e repousar o coração à sombra do vosso Tabernáculo!... É muito doce orar, chorar e gemer aos pés do vosso altar!... Como vossa Santíssima Mãe é saudada com três saudações pelo bronze (dos sinos), assim minha alma, ó Jesus, depõe a vossos pés a tríplice expressão do seu mais puro amor. Eu Vos amo, ó Jesus, muito mais do que posso exprimir; amo-Vos e separando-me de Vós, divino Mestre, eu Vos deixo meu coração! Oh! por que não sou esta afortunada lâmpada, cuja doce e trêmula luz vai aclarando esta hora santa, durante a noite!... E ainda por que não sou uma daquelas flores que com seu perfume embalsamam o ar do vosso Templo?!...


Anjos do santuário, guardas de honra da divina Eucaristia, dizei a Jesus, que o meu coração não cessará de velar durante a noite e que cada uma das suas palpitações será uma prece, um perfume, uma espiral de incenso que se elevará a Ele.


Adeus, meu Jesus, dai-me vossa benção e defendei-me contra os inimigos de minha alma. Em vossas mãos encomendo o meu espírito, guardai-o durante o tempo e na eternidade!...

O BOM DIA A JESUS.



Jesus Eucarístico escondido debaixo de um véu de amor - Vós que minha fé contempla e que meu coração adora - recebei as primícias deste dia e dignai-Vos bendizer a vossa(o) filha(o).


Prisioneiro voluntário do sagrado Tabernáculo, a minha fé penetra as vossas douradas paredes!...


Vós sois o meu Salvador, não muito longe de mim!... Sim, saúdo-Vos, Filho eterno do Pai, nascido no tempo da Bem-aventurada Virgem Maria por nossa Redenção: - Ave Verum Corpus. - Enquanto os primeiros raios do sol iluminam a sumidade do vosso santo Tabernáculo, Vós, ó Jesus, esplêndida e indefectível luz do Paraíso, irradiai a minha inteligência e aquecei minha alma do vosso doce fogo! E nesta hora em que as flores desabrocham das suas corolas e embalsamam com seu suave perfume o ar dos campos, recebei, ó Jesus, o perfume da minha humilde oração!... Ela é tão pobre!... e às vezes, aflita!...


Que me acontecerá hoje, meu Deus?! Ignoro-o... Se for a graça que o vosso Coração me procure, sede bendito, ó Jesus... Se for a Cruz que a vossa direita me reserve, aceito-a antecipadamente, pois tenho firme esperança; dignai-Vos de ajudar minha fraqueza e prevenir minha insuficiência.


Qualquer coisa que me aconteça, Coração divino, que tirais os pecados do mundo, dai-me a vossa paz!


"Dona nobis pacem".

São José, Glória do Antigo e Novo Testamento.

 


São José, diz São Bernadino de Sena, é como a chave do Antigo Testamento, pois nele o merecimento dos Patriarcas atingiu, por assim dizer, o termo das promessas. Só ele, com efeito, possui realmente o que a bondade divina prometera aos justos da Antiga Lei e é figurado com razão pelo Patriarca José, que distribui aos pobres o pão. É no entanto, maior de que ele, porque, mais que fornecer aos Egípcios o pão da vida material, é, alimentando Jesus com as vigílias e os suores do seu trabalho, proporcionar aos eleitos o Pão do Céu que dá a vida eterna.


Leitura do Livro de Gênesis (49, 22-26).*


[O texto desta Epístola é da bênção que Jacó deu ao seu filho José]


José é rebento duma árvore fértil, à beira da corrente: seus ramos sobem por cima da parede. Archeiros o provocam: Lançam-lhe flechas e atacam-no. Mas o seu arco fica teso; as cadeias, que lhe ligavam braços e mãos, quebraram-se, por mão do Deus poderoso de Jacó. Saiu dali para ser o pastor, o fundador do povo de Israel. O Deus de teu pai será teu protetor; o Onipotente te cumulará de suas bênçãos do Céu: O solo que hás de habitar será abençoado; ali brotarão do abismo as fontes; as mães serão fecundas. As bênçãos de teu pai sobrepujam as que recebeu dos avós até vir o Desejado das colinas eternas. Derramem-se essas bênçãos sobre a cabeça de José, sobre a fronte do Nazareno, consoante o julgam seus irmãos.


*Da Missa votiva de São José.

domingo, 7 de fevereiro de 2021

O PROBLEMA DA FÉ.

 


"Na viagem para a autonomia, como acontece com quase todos os jovens entre os 17 e 20 anos, querido Pinóquio, você também vai esbarrar com um duro obstáculo: o problema da fé.


De fato, 

você respirará objeções anti-religiosas

como se respira o ar,

na escola, na fábrica, no cinema, etc.

Se a tua fé for como um montão de trigo,

surgirá um exército de ratos

para tomá-lo de assalto.

Se for como um vestido,

cem mãos procurarão dilacerá-lo.

Se for como uma casa,

a picareta vai querer derrubá-la,

pedra por pedra.

É preciso defender-se:

hoje, da fé, só se pode guardar

aquilo que se defende!"


Fonte: Cardeal Albino Luciani, Patriarca de Veneza, futuro Papa João Paulo I, "Ilustríssimos Senhores", Cap. Carta ao Pinóquio, p. 70. Edições Loyola, São Paulo/SP, 1979.


Redes Sociais

Continue Acessando

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...